Decorismo: Um apartamento clean e moderno em Nova York

30/05/2018  •  Por Thereza  •  Decoração, Moda

As paredes brancas dão o toque clean a esse apartamento em Nova York, mas a riqueza do design mora nos detalhes, seja nos objetos, móveis, quadros. É tudo de bom gosto e muito bem harmonizado. Um apê agradável e muito elegante, olha só!

Continue Lendo >>

SOS Festa: Vestido Laranja

30/05/2018  •  Por Thereza  •  Casamento, Moda

O dilema do vestido de festa começa por um nome, na realidade, num tom: a cor! Você pode mandar fazer, comprar pronto, pegar emprestado, mas a primeira coisa que a gente pensa é na cor. Especialmente se o vestido de festa em questão é do altar, aka, madrinha!

Nossa tag SOS Festa é pura inspiração pra quem quer começar a escolher um look pela cor. Por aqui buscamos falar de cores “incomuns”, ja tivemos dossiê do verde, roxo, rosa e cinza, agora vamos falar de uma cor que eu amo, LARANJA!

vestido laranja

Apesar de não ser muito da minha cartela, eu amo laranja, eta cor viva! Um laranja vibrante, queimado, intenso, um laranja quase vermelho, mas laranja!

Na realidade sempre tem um tom de laranja pro seu tom de pele, no mais, no altar geralmente é uma cor não muito escolhida, mas olha acima como tem boas ideias pra você arrasar na cor, meio caminho andado pro look sucesso!

vestido laranja
Como acessorizar um belo vestido laranja? Dourado é sempre uma boa opcão, uma sandália da mesma cor do vestido deixa o look oficialmente monocromático. Por fim, um pretinho é básico e indefectível!

vestido laranja

E os acessórios? Eles trazem um impacto complementar! Amei os brincos degradé da Selena Gomez, o dourado ouro velho da Diane Kruger ou até mesmo um azul turquesa coloblocking da Leslie Mann.

Se procura um vestido de festa de cor diferente, fica ligada no laranja, uma opção eficiente!

A moda não está muito autêntica

29/05/2018  •  Por Thereza  •  Moda, Pense

No dicionário, autêntico significa verdadeiro, legítimo e genuíno. É um adjetivo que caracteriza aquilo que não deixa dúvidas, em que há autenticidade, que não é falso, que é real, positivo.

A moda não está lá muito autêntica, muito menos espontânea.

Os padrões de beleza idealizados, tendências massificadas,  isso resulta num look milimetricamente pensado, da maquiagem ao vestido. O que poderia ser bom, se torna um déjà vu sem alma, fica insosso. A gente sabe que vai esperar fulana com look x e estilista y. E isso também se deve, em muitos casos, a contratos milionários que fazem atrizes usarem apenas 1 estilista, muitas vezes, veja só, conseguimos até mesmo descobrir o vestido que elas vão riscar o tapete vermelho rs.

Isso pode ser muito de um resultado da geração Instagram, onde cada flash é um publi, cada acessório displicentemente colocado é fruto de uma parceria. Não que isso seja ruim, é bom, faz parte, mas isso não é tudo. A gente sente falta da tal da espontaneidade, do cabelo bagunçado e look do dia do dia mesmo, daquele dia e daquele minuto.

Depois disso, entra uma outra questão, e talvez a mais relevante que vai levar onde quero chegar: os profissionais envolvidos nessa, os stylists incríveis e maravilhosos que conseguem concatenar looks, roupas, acessórios e ocasiões. Não sei o que seria um tapete vermelho sem eles, um look sem lé nem cré, eles são imprescindíveis para essa engrenagem milionária da moda, mas em alguns momentos alguns deles tiram a tal da espontaneidade da famosa em questão.

Onde você quer chegar com isso, Thereza? Nessa legenda da Paris Hilton…

“O início dos anos 2000 foi uma época tão divertida e icônica para a moda. As pessoas não tinham stylists e realmente tinham um estilo pessoal. Agora todo mundo parece o mesmo #tbt”

E não é que ela está coberta de razão? Se tem uma coisa que Paris foi e sempre será, é autêntica e espontânea, seja nas suas falas e looks, mas um ponto é fato, até onde o estilo pessoal de uma atriz que arrasa no tapete vermelho é dela… ou do stylist dela? Quando saberemos que aquela escolha foi prioritariamente dela ou de uma equipe maravilhosa e em sintonia? Ok, muitas vezes isso não importa, mas fica a reflexão do estilo pessoal x estilo de um pessoal, se é que me entende.

Por exemplo, Blake Lively. A atriz é ícone de estilo, arrasa do Baile do Met até uma saída marota pelas ruas de Nova York e ela é categórica ao dizer que não-tem-stylist. Talvez isso até seja uma reação de uma apaixonada pela moda que percebe a tal falta de estilo próprio vigente. A gente sabe que os looks da Blake tem a personalidade dela e por um simples e autêntico fato: eles não são coesos, e isso é bom demais. Explico.

Mês passado postei aqui um #DecifrandooLook dela e explicando que o look era bem intencionado, mas que mostrava que de fato que Blake não tinha stylist (acredito que ela tenha uma grande equipe que coloque tudo em prática).  Os looks de stylists são mais orquestrados e tem uma conexão do look anterior com o próximo, os A+ stylists não pensam no hoje, mas no legado que, olhando de longe, uma dúzia de looks da pessoa x vai deixar registrado. Já Blake veste pro hoje, o tal look do dia do dia mesmo e isso é excelente.

E sobre o que Paris Hilton fala, ela tem razão, um feed organizado pode ser harmônico, rentável e vistoso, mas uma miscelânea de estilos de uma pessoa só, pode ser muito mais autêntico e de fato inspirador. Se a gente fala que a moda dos anos ’00 era esquisita, eu não sei o que a gente vai pensar de ’18 daqui uns 15 anos, já pensou nisso?

moda

E vocês, gostam de looks autênticos ou milimetricamente arranjados?

Página 1 de 99912345Última »