Você se se considera uma pessoa criativa?

22/08/2019  •  Por Thereza  •  News

Na semana passada compartilhei com vocês a realização de 2 projetos que há tempos planejava: meu workshop e o lançamento do meu e-book sobre “PRODUÇÃO DE CONTEÚDO CRIATIVO”.

O workshop será presencial na Midrash do Leblon, dia 11/09 às 18:30h e ainda temos algumas vagas disponíveis aqui no site do Eventbrite. E quem se inscrever para o workshop, também ganhará em 1a mão meu livro sobre o mesmo tema, que será lançado no dia 12/09 para todo o Brasil!

E um dos temas pilares desse projeto será CRIATIVIDADE. Você se considera uma pessoa criativa? Pois bem, resolvi trazer pra cá um pouco sobre o tema e basicamente desmitificar esse estigma que criatividade é um dom ou bênção divina.

Nesse Igtv aqui falo um pouco sobre o tema e sabe em qual faixa etária estão as pessoas mais criativas? Na infância! Pois as crianças são mais livres, sem censura, pudor ou medo do fracasso. E o que as deixa menos criativa? A sociedade, que cisma em nos moldar, nos deixar mais formais e menos espontâneos.

A real é que todos nascemos criativos, mas o tempo nos ensina a deixar de ser! Há anos pesquisando sobre o tema, percebi que a pauta é muito mais recorrente entre neurocientistas do que entre artistas propriamente ditos. Logo, percebe-se que criatividade é muito mais ciência, técnica e aplicação de certas metodologias do que se imagina! Criatividade não é priviélgio de certos bem afortunados, mas é o que o cérebro faz.

E se você acha que criatividade tem mais a ver com rompantes esporádicos, muito pelo contrário. Criatividade é muito mais motivação e provocação de certos estímulos. No workshop falo justamente de técnicas para estimular a criatividade e também truques para driblar o famigerado bloqueio criativo. Mas no final das contas, sabe o que nos leva à criatividade? É deixar a criatividade nos levar.

O que esse tema tem a ver com um blog de moda? Basicamente tudo! O tema faz parte da minha ou sua rotina, seja eu uma blogueira de moda ou você uma doutora em medicina, criatividade é sobre tudo e para todos. E, no meu caso e na pauta do workshop, em tempos de redes sociais concorridas, com menos likes e mais ação, criatividade é o modus operandi que fará a diferença.

Gosta do tema? Além do meu workshop, claro, uma boa dica pro final de semana é o documentário da Netflix chamado, “Como o cérebro cria”. Nele, médicos, arquitetos, músicos e escritores falam da sua relação com a tal da criatividade.

Em especial, um novelista fala de um ponto muito relevante e que busco destrinchar no workshop: criatividade não é originalidade, já pensou nisso?

E se ficou interessado no meu workshop, abaixo tem o programa completo! Uma ótima forma para capacitar produtores de conteúdo, marcas, empreendedores e interessados no meio digital de produção de conteúdo e criatividade!

O futuro da beleza e a liberdade de ser plural

26/07/2019  •  Por Thereza  •  Pense, Podcast

Falamos tanto aqui no Fashionismo sobre comportamento do consumo, insights do mercado e previsões – ou seria desejo? – de um futuro cada vez mais consciente. Ando cada vez mais encantada com o tema e pesquisando muito sobre futurismo, especialmente no mercado de moda e beleza.

Em maio fiz um podcast com insights do mercado de moda, hoje foi a vez de publicar um #FashionismoParaOuvir com previsões do mundo de beleza. De tecnologia a patches, cannabis a big data, se curte o tema, vale ouvir nosso podcast nas principais plataformas. Agora impossível falar do consumo do futuro e não pensar na Geração Z! Eles são a geração da vez, cada vez mais presente, antenada e consciente.

Dito tudo isso, aproveitei a pauta e bati um papo com uma leitora que faz 100% parte desse mundo, é GenZ e também curte – e entende muito – esse mundo de beleza e consumo e perguntei pra ela: o que você espera do mercado de beleza de amanhã? A resposta foi tão legal… que virou post!

Hoje o Fashionismo Convida é especial com a Luísa Moura, que refletiu e compartilhou com a gente suas previsões e expectativas com o futuro da beleza. Com vocês, Luísa!

Pensando no futuro do consumo de beleza, o sentimento que vem à tona é um só: liberdade. A gente cansou de tantos e tantos padrões impostos ao longo dos ultimos tempos e também de que outras pessoas definissem o que é belo. Por que eu deveria supostamente esconder minhas olheiras? E por que não posso usar batom vermelho durante o dia? Aliás, uma pele sem nada acompanhada de batom vermelho é praticamente meu signature look, mas isso não quer dizer que sou “menos Luísa” se resolvi sair sem batom algum.

E amplio aqui essa conversa a tantas outras instâncias: é a liberdade para assumir as suas linhas de expressão e também para corrigir aquela manchinha antiga no queixo, se quiser. Usar um delineador rosa neon, se quiser.

E essa liberdade anda de mãos dadas com o cuidado: não é porque ”tudo é permitido” que não vou fazer nada com a minha pele e “acabou”, pelo contrário. A beleza passa a ser mais leve e natural, é o filtro solar para proteger do sol e o hidratante para não rachar no frio, mas sem a necessidade de se impor uma dezena de passos diariamente.

Pra mim é um movimento de ressignificação da maquiagem e mesmo do skincare que só tende a aumentar: a gente não tem tanta paciência pra seguir passo-a-passos e muitas etapas, de maneira que ambos se tornam mais valiosos quanto mais divertidos são. Afinal, basta passar um demaquilantezinho que sai, sem dramas. Dá pra experimentar milhares de opções de visuais sem que nada precise me definir de fato, apenas representa aquele meu instante e tá tudo bem, seguimos a vida depois, não preciso me prender a um padrão.

E essa é a liberdade a que eu me refiro: não só de ser eu mesma, mas de ser plural em mim.

Zara em crise? Saiba o que a gigante da fast fashion tem feito pra correr atrás do tempo perdido!

19/07/2019  •  Por Thereza  •  Pense

O ano era 2015, The True Cost foi lançado na Netflix e esfregava na nossa cara os impactos da moda no quesito social e ambiental. Baixa preocupação com o meio ambiente e alta exploração de trabalhadores, na época, o documentário buscava resposta de grandes empresas e essas, ou fugiam, ou mal sabiam elencar respostas e soluções razoáveis.

Quase 5 anos depois… e não é que o mundo acena para uma mudança? Bom AINDA não mudou como imaginamos ou desejamos, mas nossa relação com a muda já não é mais a mesma. Nos últimos anos, novas marcas éticas surgiram e as gigantes sumiram? A maioria não, mas estão mais atentas e já tem estratégias definidas – e prometidas – para um futuro mais sustentável.

A Zara é a mais polêmica e a que vem se desdobrando para mudar isso. Enquanto a sua grande concorrente, H&M, saiu na frente, a espanhola corre atrás do tempo perdido. Ela está em crise? Não, mas segundo dados, nos últimos anos cresceu menos que o planejado e isso pode ser um sinal amarelo para a gigante.

Nessa semana, a Inditex – conglomerado que detém a Zara, Bershka, Massimo Duti e outras – divulgou um Plano de Sustentabilidade com uma timeline de medidas sustentáveis para suas marcas cumprirem até 2025O grupo está trabalhando para desintoxicar a indústria da moda com iniciativa promovida pelo Greenpeace, quem diria!

Na realidade, o primeiro passo ocorreu há 3 anos com o surgimento da Join Life e teve post aqui. Já percebeu essa linha dentro da Zara? Pois bem, ela é toda pautada em sustentabilidade. As peças  dessa coleção são feitas de algodão orgânico (o processo utiliza 90% menos de água que o tradicional), lã reciclada e Tencel, um tecido feito da celulose da madeira proveniente de florestas certificadas e responsáveis, reduzindo assim o impacto ambiental.

E se no seu lançamento, a linha ocupava 10% das araras da Zara, em 2020 ocupará 25% e a cada ano um crescimento progressivo para se encaixar nessa nova era. Até 2025, o objetivo é usar somente poliéster reciclado e garantir que toda a sua viscose, linho e algodão sejam produzidos de forma mais sustentável. 

E junto às questões sustentáveis, eles citam o aspecto social e humano, o que significa que eles terão mais responsabilidade em suas fábricas e com seus funcionários. Quando o assunto é trabalho escravo, alega-se que as marcas não conseguem ter “controle” sobre fábricas terceirizadas, mas com essa nova política, a ideia – diria, obrigação – é que se tenha 100% de controle.

A própria H&M já trabalha nesse formato e contei num podcast recente que muitas de suas peças já constam na própria etiqueta sua origem (não o país, o endereço direto da fábrica) e o nome dos funcionários que a produziram.

Além disso, quando o assunto é loja, até o final desse ano, as 7500 lojas da Inditex espalhadas pelo mundo, receberão o selo eco-eficiente, pois atenderão aos padrões ecologicamente corretos, reduzindo o consumo de energia em 20% e o consumo de água em 40%. E até 2023, a empresa planeja eliminar todo o plástico de uso único das embalagens para os clientes.

Por fim, até 2020, toda loja vai ter um espaço para descarte de roupa, incentivando assim a reutilização de tecidos da parte deles e, provavelmente, um desconto para os clientes (a H&M oferece 10% off).

Tudo parece muito bem e impressiona os consumidores da fast fashion (ok, me incluo nessa), mas os mais céticos ainda questionam, afinal, o plano de sustentabilidade não faz menção ao modelo original da marca: fast fashion, moda rápida e isso não combina com a tal da sustentabilidade.

Sabia que semanalmente a marca produz 500 modelos, ou seja, 20.000 modelos por ano e muito mais roupa – e menos qualidade – do que gente usando? O que especialistas citam, é que há uma dissonância nesse discurso, pois quando uma marca que lucra com um modelo de negócio ativamente prejudicial ao meio ambiente, elabora um plano de sustentabilidade que não inclui revisão desse modelo, a equação não fecha. O The Slate fez um post muito interessante chamado “A Zara nunca será sustentável”, vale a leitura.

Por outro lado, a Vogue abordou o mesmo tema do sustentabilidade x fast fashion e notou que novas lojas da Zara já podem vir com esse novo modus operandi de slow fashion. “Desacelerar, comprar menos, fazer o que temos durar mais, esse certamente parece ser o caso da mais nova loja da Zara em Nova York, no Hudson Yards (as fotos do post são dessa loja), onde o sentimento geral é de que as peças estão mais editadas e pensadas, há uma abordagem mais calma, reflexiva e de menos-é-mais”. A matéria ainda entrevista 3 designers da marca e sua visão sobre Zara e sustentabilidade, achei muito interessante, pois eles mal aparecem, agora não só aparecem como se posicionam. A conferir.

Não importa o seu lado, seja flexível ou radical, reflexivo ou cético, a mudança no mercado atinge e vai impactar nossa forma de consumo e isso é bom, seja abolir ou reinserir, é uma mudança válida. O tempo está passando rápido, acredita?

 

 

Página 1 de 4212345Última »