Sex and the city, o retorno!

22/07/2021  •  Por Thereza  •  Beleza, tv

Confesso, na mesma medida que sou uma eterna saudosista e super apegada a seriados que terminaram 5, 10, 20 anos atrás… não sou muito fã de reboots, spinoffs ou qualquer tipo de releitura de originais.

É que pode dar certo, mas pode dar muito errado e, eventualmente, arranhar uma memória que é melhor ficar guardada. Dito isso, não fui a maior entusiasta do retorno de Sex and the City e sua nova empreitada “And Just Like That” a ser exibido em 10 eps no HBO Max.

E a primeira razão atende pelo nome de Samantha Jones, na realidade, ao contrário, Kim Kattrall NÃO “atenderá” ao retorno. É sabido que ela e Carrie (que também é a grande responsável e mentora do seriado) nunca se deram bem e com o tempo o relacionamento nem profissional ficou. Já rolou diretas e indiretas em tweets e em entrevista e não houve nenhum tipo de trégua pro bem dos fãs ou financeiros.

Ok, bola pra frente que o seriado seguiu mesmo assim, só que outro fator me deixava desanimada: os filmes não foram lá aqueeeela maravilha. Logicamente um bom guilty pleasure, os figurinos no ponto, um entretenimento ok e só. Ter uma trilogia foi de fato um exagero e ninguém imaginava a volta.

mas… “and just like that” elas voltaram e as gravações começaram recentemente em Nova York e essa foi a primeira foto do reencontro agora triplo.

Assim que eu vi essa foto, ela me comunicou algo: Cynthia Nixon e Kristin Davis pareciam estar ali forçadas, nem um pingo de alegria e de saco cheio da SJP. E um sentimento assim foi espalhado pelos feed e fotos que inundaram a timeline das redes sociais.

As roupas. As roupas me comunicaram que os tempos são outros e aquele glamour do milênio ficou no passado (satc começou em 1998). Essas primeiras roupas parecem que elas (a figurinista). fez um esforço tremendo pra sair um fashionismo daí e a realidade é que veio sem lé nem cré. Daí veio à tona que Patricia Field não pôde ser a figurinista (por estar em Emily in Paris) e em seu lugar entrou Molly Rogers, que sempre trabalhou na série e agora comanda o figurino da nova era.

 

Daí depois de muito pensar, rejeitar, refletir e falar que assistiria pra falar mal com convicção rs, uma ficha me caiu. Muito do estranhamento e rejeição geral das pessoas (e talvez me inclua nessa) é que a gente olhou essas novas fotos com um certo olhar de preconceito.

Carrie e cia não são mais aquelas mulheres de 30 e poucos anos em busca de amor & aventuras em NY. Carrie não necessariamente usará mais tops, saias ousadas e acessórios extravagantes. Carrie, quase uma mulher de 60 anos vai transparecer provavelmente uma transformação e uma já dá pra ver nos cabelos, eles estão brancos…óó!

E pensando por esse lado que me fez ver o retorno com bons olhos. Enxergar – se bem feito, claro – a vida de mulheres fortes e ousadas (ok, e problemáticas) lidando com algo que de longe é glamurizado: envelhecer.

E tá tudo bem, faz parte, envelhecer é sinal de vida, é sinônimo de viver muito e um seriado com tamanha voz como SATC pode abordar o tema de forma relevante e interessante.

Lógico que queria Samantha e Patricia, mas, assim como tenho feito com Gossip Girl (ok que é um pouquinho diferente), pretendo encarar essa nova era como algo novo e sem nenhuma pretensão, apesar de criar boas expectativas com a ótica sobre essas mulheres que se transformaram a olhos vistos.

Dica de série: Halston na Netflix

09/06/2021  •  Por Thereza  •  Moda, tv

Não ando a pessoa mais seriadística dos últimos tempos (motivo: Maria Eduarda rs), mas semana passada assisti a um seriado que tem dado o que falar e adorei! Halston – interpretado brilhantemente por Ewan McGregor  – na Netflix, prato cheio pra quem ama moda, biografia e influência analógica direto nos anos 60/70. Vou compartilhar um pouco da história dele, sem spoiler, ok?

Antes de mais nada, Roy Halston Frowick, já ouviu falar? O estilista conhecido como “o homem que redefiniu a moda nos EUA”, aquele que trouxe glamour, um quê couture e era tão público e famoso quanto suas criações.

O começo foi através de criação de chapéus, logo, conquistou socialites e famosas, e foi visto na cabeça da então primeira-dama dos EUA, Jackie Kennedy. Depois disso ganhou notoriedade, destaque em plena loja de departamento chique, Bergdorf Goodman, em NY, mas o estilista queria ir além…

 

Sua ideia era lançar roupa, logo, fez uma coleção que não foi muito bem recebida, mas depois conseguiu engrenar e tudo graças a que? Além do talento, claro, bons contatos e relacionamento.

Halston se tornou grande amigo de Liza Minelli e angariou outras amigas – as Halstonettes – que logo se tornaram suas musas inspiradoras.

E era uma época boa, anos 70, a boite Studio 54 e tudo muito livre e glamuroso, logo, Halston se tornou celebridade por si só e colocava seu nome de roupa da seleção americana nas Olimpíadas até coleção na popular JC Penny.

 

E seus vestidos eram belíssimos por si só, a marca tinha uma estética sexy, minimalista, sofisticada e a cara do “American Way of Life”. Famosas como Bianca Jagger, Anjelica Huston, Elizabeth Taylor e Farah Fawcett foram uma das muitas que vestiram Halston em tapetes vermelhos.

Menção honrosa para Elsa Peretti, grande musa inspiradora e que depois se tornou o nome por trás da joalheria Tiffany e merece um post por si só.

E bem como suas roupas faziam um sucesso estrondoso, sua vida foi pautada por polêmicas, escolhas arriscadas, relacionamentos conturbados e é isso que retrata o seriado. A moda em si é o pano de fundo pra mostrar a vida de Halston, seus traumas, conquistas e derrota de um estilista que foi considerado o GRANDE estilista americano de uma era de ouro.

O seriado (6 eps) é daqueles que você assiste em uma tacada só, dado o envolvimento e curiosidade em querer saber como sua carreira se desenvolve. O diretor é o aclamado – e polêmico – Ryan Murphy e espero por uma estética glamourosa – NY reina – agitada e superficial. 

Agora o seriado me chamou a atenção por uma questão, lembro da história recente da marca Halston atrelada à Sarah Jessica Parker. Em 2010, a atriz se tornou presidente e diretora criativa da marca Halston Heritage e aproveitou justamente a época do filme SATC pra espalhar looks da marca pelo filme em si e pelo tapete vermelho. O Job durou pouco tempo, mas esses looks são memoráveis e levam o legado do estilista que redefiniu a moda no país.

Pra quem gosta de moda, vale ver e pra quem também não gosta, é uma bela biografia (apesar de criticada pela família, claro), até Rodrigo aqui gostou.

Gossip Girl: os looks do reboot da série

09/03/2021  •  Por Thereza  •  Moda, tv

Um post sobre looks de Gossip Girl??

Que ano é hoje?

2009?

Infelizmente não, porém, Gossip Girl – o retorno – VEM AÍ e os looks prometem!

Não sei se vocês estão totalmente por dentro, mas a HBO Max está recriando uma nova versão da icônica série, mas nada de remake com o retorno de Blair, Serena e cia, o que ficará de igual será a mesma roupagem, com a “garota do blog” (será blog??), Nova York, Constance Billard e os degraus do MET, de resto personagens novíssimos, um elenco mais diversificado, novos plots e tudo com a vibe de fofocas e intrigas, mas numa era mais digital, como vai ser? Não faço ideia!

Agora uma coisa é certa: Eric Daman, o responsável pelos looks da 1a era está de volta, OU SEJA, muito muito fashionismo envolvido, o que já é meio caminho andado pro sucesso. Abaixo separei algumas das primeiras imagens das gravações e bote reparo nos looks bem colegiais, mas ousados e modernos.

 

A primeira temporada contará com 10 episódios, Kristen Bell volta como narradora e a data de lançamento ainda não foi divulgada, mas com as gravações iniciadas em novembro do ano passado, acredita-se que até o final do ano teremos o retorno da saga. Animada ou passou da idade de série teen?