10 dicas de restaurantes em Paris

13/02/2020  •  Por Thereza  •  Gastronomia, Viagem, Vinho

Tem três coisas que amo fazer em viagem, seja o destino que for: andar, ver gente e comer. Adoro me perder pelas ruas sem roteiro, amo comer em restaurantes legais, descolados, diferentes e que tenham gente interessante, local, enfim amo a parte cultural e consumista, mas gosto também dessa essência mais “simples” que te faz se sentir como um local, sabe?

Dito tudo isso, fiz uma mega lista atualizada de restaurantes imperdíveis em Paris! Dicas menos óbvias (veja bem, eu também adoro o L’Avenue e até passei o ano novo lá), novidades, achados, de um tudo! Não vou nem me prologar muito no assunto, mas quem tá de viagem marcada pra cidade luz, tome nota!

10 Dicas de restaurantes em Paris

Beefbar

Pense num trio perfeito: carne, gente bonita e art déco, é essa a mistura do Beefbar! Restaurante novo e da vez em Paris. Ele tem diversas casas em vários lugares, como em Monaco, Paris, Mykons e Dubai, em breve abre em São Paulo e pense naqueles hotspots descolados, pra ver e ser visto, mas com o melhor ingrediente: comida muito boa!

Aos amantes de carne vale muito a visita, não é dos mais baratos de todos, mas é uma programação imperdível. Vale também o almoço com menu mais em conta e ele fica bem próximo à Champs, então dá pra dar uma escapada das compras e comer bem off-turista.

10 Dicas de restaurantes em Paris

L’Avant Comptoir de la terre

Foi nossa 1a refeição da viagem, tamanho o desejo/recomendação e que delícia! Ele é micro, você come espremido numa bancada, mas come BEM! O L’Avant é super diferente, o cardápio fica pendurado no teto cheio de papéis, os vinhos são majoritariamente orgânicos e tem uma manteiga comunitária do tamanho de uma bola de basquete e toda essa despretensão faz o lugar ser imperdível.

Ele fica no lado esquerdo do Rio, bem próximo de outros rests badalados como Cafe de Flore e o próprio L’Avant Comptoir maior e original. O preço é muito em conta e a dica é ir num horário não muito chei, fomos mais pra 3 da tarde e foi super agradável, os atendentes são simpáticos e eles batem palma em coro quando você dá uma gorjeta boa (nós demos, afinal, ganhei uma taça de champagne kkk).

Frenchie

Badalado, descolado, zero turistada e com comida excelente de chefe sensação e da geração de novos talentos, assim posso falar do Frenchie! Ele não é tão novo, mas foi minha segunda vez nele, afinal, já disse que a comida é muito boa? É basicamente focado na gastronomia francesa moderna e sem frescura.

Ele fica numa rua bem discreta, mas nela tem outros 2 restaurantes/cafés do grupo, que estão crescendo muito. Vale reservar com antecedência, pois ele é bem concorrido e o preço é bem bom pro que serve. Nota da editora: é o restaurante favorito do Rodrigo na cidade.

10 Dicas de restaurantes em Paris

Monsieur Bleu | Giraffe | Loulou | Coco

Uma dica 4 em 1, pois são todos do mesmo grupo, o Paris Society, e tem propostas e cardápios parecidos, apesar de cada rest ter sua temática. Se ama um restaurante badalado e com gente bonita, mas quer fugir dos óbvios, como L’Avenue e Matignon? Esses são os restaurantes do momento em Paris, comida excelente e aquele lugar para ver e ser visto.

Dos 4 eu só fui no Monsieur Bleu (os outros 3 tudo lotado), mas garanto que a comida é excelente, não é barato, mas talvez a vista surreal da Torre Eiffel sobre seu prato justifique! É um dos restaurantes mais bonitos com vista da torre, pois ele fica na beira do Sena e de cara com ela.

Em relação aos outros, pense igual: boa comida e vista! O Girafe fica dentro do Trocadèro, ou seja, A vista! E dos 4, ele é o mais badalado. Já o Loulou fica dentro do Museu Arts Décoratifs no Louvre e boa sugestão pra quem está na região. Por fim, seguindo o mesmo estilo, o Coco fica basicamente dentro do Opera Garnier e tem decoração à la Great Gatsby.

O legal desses 4 restaurantes é que todos funcionam até 2 da manhã e tem música de fundo, pra quem gosta de um restaurante um pouco mais badalado.

10 Dicas de restaurantes em Paris

Pink Mamma

Outro restaurante super badalado e instagramável, ótima sugestão pra quem quer comer na região de Montmartre. O Pink Mamma é italiano, foco em carne boa, mas ele também é um ótimo destino para brunch final de semana, visto o fator luz e decoração.

10 Dicas de restaurantes em Paris

Willi’s Bar

Sempre dedicamos um dia da viagem pra um roteiro mais etílico e com restaurante que tenham foco em vinhos em taça! Dessa vez nosso escolhido foi o Willi’s Wine Bar, que fica ao lado do Palais Royal.

O restaurante é super aconchegante, romântico, discreto e zero turistada. Aos amantes de vinho, é roteiro certo, pois excelente carta, preço ótimo e ainda tação recheada! A comida é excelente também e no final um ótimo custo x benefício pra comer e beber bem!

10 Dicas de restaurantes em Paris

Citron – Galleries Lafayette

Outra novidade em Paris foi a inauguração de um galleries Lafayette em plena Champs-Ellysées! Se a rua é conhecida por restaurantes mais, digamos, pega-turista, agora o local reúne não só uma boa opção de mercado com corners gastronômicos no subsolo, mas no 2 andar tem o Citron, que é um feat bem sucedido do estilista-sensação Jacquemus com o tradicional Caviar Kaspia. O restaurante é uma graça e você ainda tem como vista a principal rua de Paris!

Ainda teremos mais posts sobre Paris e Lisboa!

Podcast Fashionismo Para Ouvir: Amor & vinho!

12/06/2019  •  Por Thereza  •  News, Podcast, Vinho

Pra celebrar o Dia dos Namorados, nosso Podcast da semana reúne 2 mundos complementares: relacionamento e vinho! Convidei o Rodrigo, pra quem não sabe, meu marido e editor da nossa coluna de vinhos, pra gente bater um papo sobre relacionamentos e como essa sagrada bebida ressignificou nosso namoro.

Nos conhecemos em 2003 e nos primeiro anos éramos bem baladeiros, boate todo final de semana, bons drinks e depois dos 25 anos o pique não era o mesmo e foi aí que entrou o vinho! Na época, começamos a beber e entender sobre esse líquido precioso e saíram as noitadas e entraram os jantares mais românticos e maduros. As conversas deixaram de ser sobre “a boa da noite?” e passou a ser “merlot ou cabernet?” e pra gente foi uma significativa mudança e nossa perspectiva do namoro e relacionamento!

No podcast contamos como nos conhecemos, falamos da relação do vinho e também, aproveitando o tema, trocamos ideia o quanto a bebida ainda envolve um ambiente machista, infelizmente. Por fim, cada um contou sua região vinícola favorita. Você consegue adivinhar a minha?! Clica aqui pra ouvir!

E aproveitando o tema, fui convidada pela Vogue para escrever sobre nosso relacionamento em tempos BEM menos digitais, mas nem tanto! Clica aqui pra ler <3

Tem Podcast Fashionismo Para Ouvir aqui no ITUNES, SPOTIFY e em muitos outros apps de podcasts!

Todo Vinho é vegano?

31/05/2019  •  Por Rodrigo  •  Vinho

Alguém já se perguntou se vinho pode se encaixar na categoria de produto vegano? Afinal, por se tratar de uma bebida obtida através da fermentação da uva, é mais que natural que se enxergue o vinho como tal. Contudo, posso afirmar que boa parte, pra não dizer a maioria, dos vinhos não são! Mas pode isso Arnaldo?

Para um vinho ser produzido e comercializado, ele passa por vários processos distintos, do vinhedo à garrafa e em algumas dessas etapas, produtos de origem animal podem ser utilizados principalmente no acabamento da bebida. Chocados?

Entre os processos na fabricação do vinho, um especificamente, tende a fazer uso de componentes animais. Falo do processo de clarificação, que como o nome já diz, tem como objetivo clarificar, filtrar e purificar o vinho que após a vinificação pode apresentar uma aparência turva ou opaca. Assim, é muito comum adicionar albumina (clara de ovo) no vinho dentro do tanque para remover impurezas e deixá-lo mais límpido e com brilho. Isso ocorre, pois a albumina serve como um ímã para que os sedimentos sólidos que se encontram nos vinhos fiquem colados nela (não é por menos que esse processo também é chamado de colagem) e depois descartados antes do engarrafamento. É também permitido usar gelatina e colágeno de origem animal para a clarificação e até mesmo a Caseína, proteína do leite super famosa no meio da musculação.

Esses produtos, além de tirarem a turbidez do vinho, funcionam como aceleradores de evolução, fazendo que o produto fique pronto para consumo mais rápido. No entanto, é válido lembrar que esses processos, são utilizados há séculos no mundo dos vinhos, mas que não necessariamente fazem parte da composição do produto em si, que por sua vez apresenta somente traços desses componentes.

E vinho vegano, existe de fato? Com o aumento de pessoas aderindo ao veganismo, seja por questões de saúde, consciência ou gosto, é normal procurar cada vez mais por produtos desse segmento. Produtos orgânicos também estão em alta, mas no caso dos vinhos a filosofia orgânica se aplica nos vinhedos, nos quais não são utilizados defensivos agrícolas e componentes químicos. Assim, vinhos orgânicos podem também conter traços de proteína animal.

Mas será que existe uma luz no fim do túnel para os enófilos veganos?

Claro! Procure por vinhos que não passam pelo processo de clarificação. Vinhos biodinâmicos e naturais, muitas vezes não são filtrados ou clarificados, então veja se no rótulo tem informações como “vinho não filtrado”, “não clarificado” ou “sem colagem”. Há também vinhos com certificados de vegano (um tanto raros no Brasil), que mesmo passando por esses processos, os componentes animais são substituídos por vegetais. Vinhos Kosher também não utilizam nada de origem animal na elaboração. Agora, devemos ter em mente mais uma vez que os vinhos “não veganos” apresentam apenas traços de proteína animal e você não estará ingerindo essa proteína de fato ao consumir o produto, é mais uma questão de conceito vegano. De qualquer forma, nem o melhor sommelier do mundo é capaz de identificar se um vinho é vegano ou não.

Agora, depois de tanta explicação, não poderia deixar de indicar um grande vinho natural para representar todo esse conceito. O Cacique Maravilha Pipeno 2017 é um delicioso tinto chileno, biodinâmico e natural, produzido com a rara uva Pais, não filtrado e com uma cor um pouco mais turva. Esse vinho esbanja aromas de morangos frescos, violetas, leve toque defumado e muita vivacidade. Corpo suave, taninos leves, acidez refrescante e muita personalidade e o melhor, ainda vem num “garrafão” de 1 litro. Tão bom que tinha que vir com mais vinho! Vale muito conhecer, não apenas esse rótulo, como todos os da vinícola

vinho vegano

Seja você vegano ou não, pra quem curtiu a filosofia super legal da vinícola, ele está numa ótima promo aqui. Espero que tenham gostado do post. Se tiver qualquer dúvida ou se conhecer vinhos veganos, é só deixar um comentário!