VINHO DE QUINTA: POR DENTRO DOS VINHOS DA TOSCANA

08/10/2015  •  Por Rodrigo  •  Gastronomia, Moda, Viagem, Vinho

Hoje vou falar um pouco sobre uma região vinícola muito especial para mim, a Toscana. Se alguém me pedisse uma dica de viagem, acho que a primeira coisa que me viria à cabeça seria essa região italiana. Não é à toa que nos últimos dois anos fui com a Thereza para lá e a cada retorno, aquele sentimento de nostalgia se impregnava.

enhanced-buzz-28534-1361552763-17

Paisagens deslumbrantes, roteiros maravilhosos, cultura, gastronomia e claro, vinhos. Sim, por lá se produz uma enormidade de vinhos de qualidade singular. Visitamos várias cidades e comunas e todas elas tinham suas particularidades e encantos. Florença e seu museu a céu aberto, Siena e sua pegada medieval, Montalcino com suas colinas e estilo acolhedor, o romantismo de Pienza, San Gimignano, Montepulciano, Lucca, Pisa e por aí vai. É um remédio para a alma! Mais pra frente, postarei sobre algumas delas, porque num post só não tem como.

A Toscana é uma das maiores regiões da Itália e abriga importantes cidades históricas. Localiza-se na parte central do país e é banhada pelo mar mediterrâneo.

Quando falamos de vinhos, ahh os vinhos, posso dizer que sou aficionado pelos toscanos, que são meus favoritos quando se trata de Itália. A região tem as condições ideais de solo e clima para cultivo de uvas e longa tradição, muitas vezes familiar, para produzir vinhos incríveis!

A rainha das uvas toscanas é a Sangiovese, plantada em todo território. Ela é a uva principal dos vinhos Chiantis, Brunellos, Montepulcianos e está presente também em vários cortes dos modernos Super Toscanos. Uvas internacionais como a Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, entre outras, também são permitidas e são capazes de elaborar grandes exemplares.

Como na Toscana os vinhos são produzidos de norte a sul e há uma grande variedade de estilos entre tintos e brancos, vou me concentrar nos meus preferidos para esse post. Acredito que representem bem o estilo do local, além de serem facilmente encontrados no Brasil.

4548e4daf49e368b2a073b3da01f85e3

Chianti: Não há como falar de Toscana sem mencionar o Chianti. Vinho mais tradicional da Itália e um dos primeiros do mundo a possuir denominação própria. Durante séculos, o Chianti foi produzido em larga escala, desse modo era comum que vários produtores fizessem vinhos de qualidade inferior, o que prejudicou muito sua imagem.

Com o passar do tempo, novas legislações foram criadas, assim como o Consórcio de Chianti Clássico, para impor delimitações e regras mais especificas com intuito de garantir a qualidade do produto. Por isso, ao procurar por um Chianti, escolha por rótulos com o nome de Chianti Classico com a sigla docg (denominação de origem controlada e garantida) e com a imagem de um galo negro no rótulo.

Galo negro? Por que? Existe uma lenda curiosa que fala sobre a disputa de território entre Florença e Siena no século XVII. Para estipularem até onde iriam as terras de cada cidade, cada uma escolheu um cavaleiro para sair de sua cidade em direção a rival. Quando eles se encontrassem, ali seria o limite de cada cidade. Eles deveriam começar a corrida com o cantar do galo. Siena escolheu um belo galo robusto, já Florença escolheu um galo negro e faminto que acordou mais cedo para cantar, pois estava com fome. Resultado, o cavaleiro de Florença percorreu muito mais espaço.

Lendas à parte, o Gallo Nero é símbolo do Chianti Clássico, que tem seus vinhedos e produtores espalhados entre Siena e Florença, numa das estradas mais belas do mundo. É imperdível, assim como os vinhos que tem como base a Sangiovese e são cheios de fruta madura, rusticidade e aromas de flores maravilhosos. Alguns grandes produtores, Antinori, Fontodi, Ricasoli e Castello di Ama (conforme a Thereza postou aqui).

af08da8261c475199b13ab45ab5c1bc3

Brunello di Montalcino: Provavelmente o mais emblemático dos vinhos italianos. Aclamado em todo mundo, é um autêntico vinho de guarda, para momentos especiais. Seus vinhedos situam-se na ensolarada comuna de Montalcino, no sul da Toscana. A região é montanhosa e a cidade fica dentro de uma espécie de fortaleza.

Ano passado, quando passamos por lá para conhecermos algumas vinícolas, gostamos tanto que esse ano tivemos que passar um dia inteiro. É um lugar muito aconchegante, charmoso e cheio de opções para se deliciar com a culinária local. Os vinhos são um ponto fora da curva no melhor sentido. Quem já provou um bom Brunello sabe, são vinhos ricos, exuberantes, com aromas complexos que lembram couro, cerejas pretas, especiarias e ervas aromáticas.

São produzidos com um clone da Sangiovese, chamado de Sangiovese Grosso e também tem a denominação docg. Há uma alternativa mais barata para os Brunellos, os Rossos di Montalcino que são vinhos mais simples e feitos para serem consumidos mais jovens.

Ao escolher um Brunello ou Rosso, é sempre bom procurar por vinhos de produtores conceituados como: Castello Banfi, Biondi Santi, Frescobaldi, Antinori entre outros.

4704c04cb5c94822eaed1fa8947a5c56-2

Super Toscanos: Essa é uma categoria de vinhos recente na Itália, mas que tem conquistado o mundo! Como na Toscana há uma série de regras para regulamentar a produção dos vinhos, vários produtores optaram por não seguir os padrões determinados e produzir vinhos de perfil diferente. Começaram a utilizar uvas francesas, principalmente a Cabernet Sauvignon e a Merlot, plantar as uvas em áreas não demarcadas por nenhuma pela legislação e adotar técnicas de vinificação próprias.

O que poderia ter sido uma catástrofe, acabou resultando em vinhos de qualidade superior com estilo mais moderno e o mercado logo aqueceu. Como os vinhos não atendiam às exigências para receberem a sigla de doc ou docg, acabaram criando o título de Super Toscanos e a sigla IGT (indicação geográfica típica) para classifica-los. Os Super Toscanos podem ser produzidos em diversas regiões como Chianti, Montalcino, Bolgheri, Maremma e etc. Vários produtores de Chianti e Brunello produzem também Super Toscanos. Umas das regiões mais famosas para esses vinhos é a do Bolgheri, perto da costa do mediterrâneo. Os vinhos de lá ficaram tão conhecidos que decidiram criar uma própria denominação, a doc Bolgheri.

Os Super Toscanos mais conhecidos são o Sassicaia, da Tenuta San Guido, o Solaia, do Antinori e o Ornellaia.

11588fa3f81ad1134818f4d40e403618

Como não poderia faltar, segue minha indicação de dois rótulos de excelentes produtores, pra quem está começando a se interessar pelos vinhos da Toscana.

Maté Rosso Di Montalcino 2012: Vinho 100% sangiovese com boa concentração, aromas de cerejas e framboesas maduras. Pode ser chamado de irmão mais novo do Brunello. É bom deixar o vinho aberto por pelo menos 1 hora antes de começar a degustar.

Vignamagio Chianti Classico Gherardino: Ótimo Chianti de estilo super tradicional. Bem redondo, macio, com aromas de frutas vermelhas e notas de baunilha.

Espero que as informações tenham sido úteis. Não deixem de procurar por vinhos toscanos, pois quando são produzidos por bons produtores, são realmente maravilhosos! Se tiverem alguma dúvida, podem comentar que eu tento ajudar.

DICA DE VINÍCOLA NA TOSCANA: CASTELLO DI AMA

30/09/2015  •  Por Thereza  •  Viagem, Vinho

55ddd740f073f4db64846dd4_castello-di-ama-chianti

Itália é nosso destino favorito e não é à tóa, além da história e, claro, da gastronomia incrível, um dos nossos programas prediletos é visitar vinícolas na Toscana! Dessa vez, fomos em uma das mais importantes do país e que ainda tem um diferencial que nunca vi em nenhuma outra. 

O Castello di Ama fica localizado em Gaiole in Chianti (cidade de 2.333 habitantes :D entre Florença e Siena) e é famoso por produzir um dos melhores e mais premiados Chiantis do mundo (na opinião do Rodrigo, é o melhor!)Pra quem não sabe, Chianti é um vinho feito com a uva Sangiovese, típico da toscana e seus vinhedos ficam localizados na região do mesmo nome. Aliás, essa região é um dos locais mais bonitos da Itália, suas estradas são de tirar o fôlego e com cada visual digno de cinema (inclusive, boa parte do filme ‘Cartas para Julieta’ foi gravado nessa região) ou uma bela foto no Instagram!

castello di ama

Agora quando eu digo que o Castello di Ama tem um diferencial comparado à outras vinícolas, é que ele não envolve apenas vinhedos e paisagens deslumbrantes, lá é um local cheio de arte, digo, repleto de arte, em cada canto tem… arte! Da entrada, passando pelas caves, jardins e até as capelas, é tudo sobre arte, e vinho!

O enólogo do Castello di Ama, Marco Pallanti, não é só responsável por desenvolver vinhos cheios de elegância e complexidade, como também trouxe para a vinícola, o “Castello di Ama per L’Arte Contemporanea”, um projeto que reúne diversos artistas contemporâneos com suas obras espalhadas entre vinho e verde.

castello dia ama mirror

chianti_castello-di-ama_tayou_contemporary-art-installation_tuscany.jpg

revolution-castello-di-ama

185

Esse aspecto pra mim foi o mais bacana de todas as vinícolas que já visitei na Itália, pois justamente enquanto o Rodrigo focava no vinho e em sua produção, eu admirava toda a arte envolvida de forma orgânica, conjunta e muito especial.

E essa analogia vinho e arte, reflete exatamente no estilo do vinho e espírito do produtor. Os rótulos do Castello di Ama são ícones italianos e aclamados no mundo inteiro. Seu diferencial é a localização privilegiada dos vinhedos e o cuidado especial com todo o processo, eles tratam cada vinho como uma obra de arte. Ao todo são 10 rótulos, entre brancos, chiantis clássicos, supertoscanos e vinsanto.

bellavista3

chianti_castello-di-ama_che-zen_contemporary-art-installation_tuscany.jpg
castello di ama 1

A construção é uma Villa aos moldes de uma cidadela, com ruazinhas, casa principal e até capelas.  Eles ainda contam com uma hospedagem bem exclusiva, que é perfeita pra quem quer passar mais dias pela região e viver um pouquinho sob o sol da Toscana.

A nossa visita guiada começou às 10h, com tour pela vinícola onde conhecemos cada detalhe, desde equipamentos e estilo de produção até peculiaridades históricas. Às 12h, fizemos uma parada estratégica para degustar alguns de seus rótulos e logo depois subimos para um almoço no Il Restoro di Ama, que fica dentro da propriedade. NÃO deixem de almoçar lá, foi uma das melhores refeições que fizemos. É uma culinária slow food, comida tradicional toscana e com ingredientes super frescos e colhidos no próprio Castello. Aquele tipo de comida com sentimento, explosão de sabores e sofisticação na medida.

degustacao-vinicola-castello-di-ama

degustacao-castello-di-ama

Pra quem estiver com roteiro pela Toscana, pode reservar uma manhã ou tarde pra conhecer o Castello di Ama, uma experiência completa e inesquecível! A localização dele ainda é boa pra quem fica hospedado em Florença e tem apenas um dia para visitar vinícola, é um pacote completo! No site do Castello di Ama, vocês encontram mais informações e como reservar o tour. Por fim, a curiosidade hollywoodiana é que na semana anterior a que fomos, a atriz Natalie Portman estava por lá fazendo a mesma visita, imagina se encontro?! :)

000007a5f-moggi93411

Agora pra quem ficou curioso com os rótulos do Castello di Ama, no Brasil pode encontrar à venda na Mistral (tanto no e-commerce, como nas lojas físicas), que é a importadora exclusiva da vínicola. Semana que vem o Rodrigo fará post sobre a Itália contando o motivo etílico do nosso amor!

 

GUIA DE VIAGEM: MARINA RUY BARBOSA PELA ITÁLIA E FRANÇA

27/05/2015  •  Por Thereza  •  Celebridades, Viagem

Se tem uma coisa que eu amo nessa vida é viajar, mas tem duas outras coisas bem mais baratas – que dizer, de graça – que eu também adoro: fuxicar a viagem dos outros e também dar pitaco em viagem alheia :]

Ver alguém viajando, seja praquele lugar que você já foi ou deseja conhecer, é um ótimo exercício que te tira da vida real e te faz viajar junto, sabe?! Por exemplo, ando viajando com a Petra Gil por Dubai, Abu Dhabi e Maldivas, locais que nunca fui e tão na minha lista de uma viagem futura e Preta está me fazendo o favor de compartilhar tudo em realtime em seu snapchat, obrigada!

Captura de Tela 2015-05-27 às 14.14.13

Agora se tem uma viagem que me deixa muito saudosa, mas também animada, pois irei repetí-la em breve, é a que a Marina Ruy Barbosa está fazendo nesse exato momento!

A atriz está há algumas semanas viajando pela França e Itália e compartilhando tudo no seu Instagram! O #ViagemComMarina traz boas dicas de viagem, paisagens lindas e ainda super looks caprichados! Fiz um apanhado de fotos & fatos de sua viagem pra gente colocar na agenda ou simplesmente suspirar!

marina ruy barbosa viagem italia

La Dolce Italia, que saudades que eu tenho desse lugar! País encantador, cheio de história, comidas incríveis, paisagens de suspirar e ao mesmo tempo que muito intenso, a gente tem uma sensação de paz inexplicável. Marina atravessou o país e percorreu cidades como Veneza, Florença, Siena, Roma e qualquer outra pequena cidade fofa (e são muitas)!

Em Veneza, Marina compartilhou cliques no super hotel The Gritti Palace e um jantar básico no Harry’s Bar, já contei aqui que esse icônico bar do Cipriani foi onde surgiu o Bellini oficial, também fui lá e foi uma delícia beber da fonte, dica imprescindível pra quem vai visitar a cidade ;)

Um dos passeios mais legais que a Marina fez, e recomendo pra todo mundo, é visitar Burano (já teve post aqui). Sem dúvidas foi o lugar mais pitoresco que já fui na vida, a ilha de pescadores e mulheres rendeiras (tais rendas eram/são vendidas por toda a Itália) se destaca pelas casinhas ultra (eu digo ULTRA) coloridas, que provavelmente você não encontra uma cor igual à outra. A cidade fica a 1h de barco de Veneza e é uma excelente opção pra fugir do clássico e se encantar com um mundo à parte.

Já pela Toscana, Marina esteve em Florença e compartilhou foto de um jantar no Buca Mario e esse restaurante é uma delícia, melhor bisteca fiorentina da cidade, não deixem de ir! Além disso, rolou passagem por Siena (cidade adorável) e os mais recentes cliques foram pela costa da toscana degustando bons vinhos, salivei aqui!

marina-ruy-barbosa-viagem-franca

A viagem começou pela França e o foco foi total em Paris. Entre uma boa turistada pelo Louvre e Montmarte, Marina parou pra jantar no L’ami Martin (nunca fui, mas já tá na lista) e no Jules Vernes, restaurante pomposo em plena Torre Eiffel. No momento baladinha, uma noite na Raspoutine, outro lugar que nunca fui, mas achei interessante.

Por fim, os looks! Tanto na Italia quanto em Paris, Marina montou A mala, looks bem charmosos dignos dos melhores looks do dia, eu acho um talento se manter no look viagem assim o dia todo. Por lá, rolou algum conforto, muitas cores e também pretinhos nada básicos que são essenciais em qualquer mala.

Sabe aquela sua amiga que viaja e você fica doida fuxicando as fotos e querendo as dicas? Adoro quando famoso viaja e compartilha boas dicas e imagens assim, tudo vai fato pro caderninho de viagem. Vocês também estavam ligados no #viagemcommarina?