Tendência de beleza: Olhos molhados

20/08/2019  •  Por Thereza  •  Maquiagem

Se nas últimas temporadas, vivemos boas eras de pele matte e sombras implacavelmente esfumadas, o jogo tá virando! A tendência de hoje nem é das maiores novidades, pra quem gosta de maquiagem a fundo já percebeu, mas sabe quando você se encanta assim do nada? Pois bem, sou eu + olhos molhados!

Eu chamo de olhos molhados, mas lá fora falam de glossy eyes, aquela sobra brilhosa, texturizada, cintilante e o Pinterest está recheado de boas inspirações! Seja numa sombra monocromática quase gráfica, um delineado ou mistura qualquer, sem dúvidas que veremos mais e mais desse olhar!

glossy eyes olhos molhados

Ok que na prática esse visual pode ser muito conceitual e editorial, afinal, se é difícil ficar de gloss na boca, quem dirá nos olhos! Mas não é tão difícil reinterpretar e adaptar à uma maneira possível, mas ainda molhada e fora do óbvio dos últimos tempos. Seja um olho super chamativo ou um brilhinho discreto, abaixou selecionei muitas ideias pra inspirar!

glossy eyes olhos molhados

glossy eyes olhos molhados

glossy eyes olhos molhados

glossy eyes olhos molhados

glossy eyes olhos molhados

glossy eyes olhos molhados

glossy eyes olhos molhados

glossy eyes olhos molhados

glossy eyes olhos molhados

E vocês, já perceberam esse momento brilho cintilante? Curtem e usariam?!

Podcast: Quanto mais idade tenho, menos base uso

23/04/2019  •  Por Thereza  •  Beleza, Maquiagem

Oi eu sou Thereza, tenho 36 anos e sempre achei que poderia “aplacar” o avanço da idade com base. Tolinha, é justamente o contrário que está acontecendo. Explico.

Eu sempre gostei de maquiagem, mas nunca daqueles extra reboco, mas também não muito de apenas uma corzinha (um bb cream) só. Sempre fui mediana, gosto de base com média (ok, pra alta) cobertura, acabamento matte e me dou por satisfeita. Até uns anos atrás, achava que com o advento da idade, iria recorrer à bases cada vez mais caras e com maior cobertura pra disfarçar as intempéries da minha cútis rs. Repito, fui tola.

Na vida real (aka sem make), minha pele é até boa, nunca fiz nenhum procedimento estético, não tenho rugas, minha testa ainda não franze, o que me incomoda mesmo na minha pele é a falta de firmeza e manchinhas (que vão de espinhas esporádicas e olheiras sistemáticas). Com isso, por um lado a base me ajuda nesse segundo ponto, mas não tem base no mundo que vai difarçar a tal falta de firmeza… muito pelo contrário.

Com essa perda de viço e ganho de flacidez – totalmente normal, sinto que a base muito pesada e com muitas camadas tem até RESSALTADO isso. Deixando a pele opaca, aka sem viço, e marcando o que originalmente são apenas linhas de expressões (que você pode ter em qualquer idade) e transformando em rugas, entende? O que é uma coisinha ali que nem incomoda, acaba sendo potencializado com uns 2cm de espessura de base.

A questão é a seguinte, a base é e sempre será um eterno aliado, raramente saio de casa sem uma basesinha pra ao menos uniformizar o tom da minha pele, mas hoje em dia entendo que ela não faz milagre e, se mal usada, pode potencializar aquilo que eu eventualmente quero disfarçar.

E ainda tem outro ponto, confesso que base sempre foi o item de maquiagem que mais gastei e hoje em dia entendo que é possível encontrar bases mais em conta, mas ainda muito eficientes (cito duas que amo e uso frequentemente, a da L’Óreal e a da Maybelline, ambas já tiveram resenha aqui). Então, com o tempo e a experiência, a gente entende que a maquiagem pode ser usada a nosso favor, ser um acessório poderoso, mas sempre com parcimônia e sem achar que será nossa tábua de salvação de beauté.

No quesito base, sinto que com o passar da idade tenho usado menos, mas com mais inteligência.

 

O papo desse post estendeu para um podcast no Fashionismo para ouvir, clique e escute!

Cleansing oil da Bioré, o melhor demaquilante dos últimos tempos!

04/04/2019  •  Por Thereza  •  Beleza, Maquiagem

Poderia dizer facilmente que é de todos os tempos, poderia ser mais efusiva e contundente, mas serei apenas clara e objetiva: o Bioré Cleansing Oil foi o melhor demaquilante que usei nos últimos tempos.

Preciso fazer justiça, ano passado falei maravilhas do Cleansing Oil da Kiehl’s e sigo firme, o da Bioré é no mesmo estilo, porém melhor em dois pontos fundamentais: é 3 vezes mais barato e vende no Brasil (a Kiehl’s se despediu do país nesse mês), mas qual é o motivo dele ser tão bom?

cleansing oil biore

Simples, você dispensa todos os outros demaquilantes. Por um tempo cheguei a usar 3 tipos de demaquilante (água micelar, bifásico, lencinho…) pra tirar aquela make pesada, agora apenas com umas gotinhas ele já tira t u d o. Outro ponto extremamente positivo: ele é muito suave, sua pele não resseca, seu olho não arde, ele tira a maquiagem implacavelmente e sua pele sobrevive 100%!

O demaquilante da Bioré tem formulação compatível com água, ainda que à base de óleo, com alto poder de limpeza. Tem tecnologia exclusiva que forma camadas laminares, com melhor absorção e remoção da maquiagem, ou seja, é babado!

O líquido é um pouco mais denso que água, mas é muito levinho, tira maquiagem profunda mesmo e até rímel à prova d’água. Com 3 ou 4 bombeadas, a maquiagem sai bem.

Gosto de aplicar 2 na mão pra tirar toda a parte da pele e mais duas pra tirar dos olhos, a dica é deixar 10 segundos com o produto pressionado sobre as pálpebras (como se você tivesse tampando os olhos) e depois ver o óleo derreter a make! Você vai ver que a maquiagem escorre toda muito rápido, daí você lava o rosto e pronto. Não é bruxaria, é tecnologia!

CLEANSING OIL BIORÉ

 

Tem dele nas lojas físicas e ecommerce da Droga Raia, na faixa de R$60. 

 

Página 1 de 9612345Última »