Vinho no verão? Conheça esses 4 rótulos e estilos!

08/02/2019  •  Por Rodrigo  •  Vinho

Com essa onda de calor (muito pouco bem-vinda) que se instalou aqui pelos trópicos, é muito comum e recomendável buscarmos por bebidas mais leves, drinks refrescantes e por aí vai. Mas e quanto aos vinhos? Exsitem bons vinhos para além dos 40 graus? Dá pra se refrescar com vinho num churrasco ao ar livre? Com certeza, grande parte dos estilos de vinhos são produzidos justamente a partir dessa proposta.

É só pensar no verão europeu e os bares abarrotados de pessoas com uma tacinha de vinho branco. Ou quem sabe nos EUA, onde os Rosés viraram febre e são consumidos em diversas ocasiões a qualquer hora do dia. Se bem que não precisamos ir muito longe, aqui mesmo, quem nunca viu alguém de deliciando com uma taça de espumante na praia? O que não falta é vinho para o verão!

E os Tintos? É mais que natural esquecermos os tintos nos dias mais quentes. Certamente um vinho encorpado, cheio de taninos e de alto teor alcoólico, ficará um tanto quanto pesado se você estiver for a do ar condicionado, mas quem não abre mão de um bom vinho tinto em nenhuma estação, saiba que há ótimos rótulos de estilo mais leve e delicado, que podem ser degustados mais frescos. Sendo assim, fiz minha seleção para vocês incorporarem o vinho e seus diferentes estlos no cotidiano, mesmo no calor!

vinho verão

Branco Gastronômico

Finca Constancia Parcela 52 Single Vineyard 2017: Produzido na região de Castilla La Mancha na Espanha a partir das uvas Verdejo, tem um breve amadurecimento em madeira, o que lhe confere uma boa estrutura. Perfumado, com aromas de frutas cítricas, pêssego e notas de carvalho, de corpo médio, paladar fresco e ótima acidez. Um vinho branco para acompanhar pratos de verão como ceviches, peixes na brasa, camarão e culinária oriental. Aqui de R$61,90 por R$52,62. Boa pechincha para um espanhol pontuado como esse.

Para tomar geladinho ou como drink na beira da piscina

Apothic Rosé 2017: Quem gosta de um Rosé um pouco mais docinho, não vai se decepcionar com esse californiano que leva 6 uvas diferentes na sua produção. Resultado, um vinho de estilo não tão seco, ideal para ser bebericado como piscine, cheio de pedrinhas de gelo. O sabor lembra morango, nectarina e aquele toque de romã característico do estilo. Aqui de R$76,40 por R$61,12.

Espumante estruturado para noites de verão

Cava Real de Aragon: A Cava é considerada o Champagne da Espanha e o coração da Catalunha. Esse belíssimo espumante amadurece por quase um ano em contato com as leveduras na própria garrafa, o que resulta em aromas tostados e de brioche, nuances de mel e amêndoas. Na boca, tem acidez gastronômica e uma cremosidade que mais parece um mousse. Grande escolha para um jantar mais elaborado. Aqui de R$79,90 por R$51,94.

Nem só de brancos, rosés e espumantes vive o homem.

La Mora DOC Maremma 2015: Esse Toscano da região de Maremma, debruçada no mar mediterrâneo tem toda influência marítima no seu estilo. Feito com as uvas Cabernet Sauvignon e Merlot e amadurecido parcialmente em madeira, justamente para não perder o frescor, ele tem os aromas típicos da região, como framboesas, cerejas, ervas e especiarias. Na boca, tem delicadeza e bastante mineralidade, um tinto fresco e de perfil gastronômico. Pode deixar uns minutinhos no balde de gelo e aproveitar com um belo churrasco. Aqui por R$79,90.

Gostaram das dicas? Agora não tem mais desculpa para não degustar bons vinhos em qualquer estação do ano, não é?

Wine and Talk: Vinhos do Novo Mundo

01/02/2019  •  Por Rodrigo  •  Vinho

Quem acompanha o Fashionismo há alguns anos, sabe que, além de moda, beleza, lifestyle e comportamento, aqui também se fala sobre vinho! Há 5 anos comecei a coluna Vinho de Quinta com intuito de levar informações para o público do blog de forma leve e didática e sem aquele excesso de sofisticação, pra não dizer complicação, muito atribuído a esse universo.

Com posts sobre regiões, estilos de vinho, uvas, dicas de harmonização, curiosidades e principalmente, sugestões de rótulos, a coluna foi crescendo, assim como o interesse dos leitores sobre o tema. Assim, após muitos pedidos, resolvi fazer essa migração do online para o offline com um evento no qual o conteúdo gerado aqui no Fashionismo, pudesse ser passado de forma presencial!

ª

E qual a melhor maneira de promover essa tangibilização? Com uma degustação temática, workshop e bate papo, obviamente regado a muito vinho (muito mesmo!) e foi assim nosso 1º #WineandTalk, realizando em dezembro! Com 20 participantes que esgotaram as vagas bem rápido, o evento foi um sucesso, super animado, cheio de informações e que durou bem mais que as duas horas previstas, já disse que teve muito vinho?

O tema do evento foi vinhos da América do Sul, pois acredito que para quem está começando nesse universo tão fascinante e cheio de opções, os vinhos sulamericanos, ou do novo mundo em geral, tem um estilo mais frutado, macio e fácil de agradar. Escolhi todos os cinco rótulos na Fine Wines, loja estilo boutique com excelente curadoria de vinhos, e que, além de e-commece, tem também uma ótima loja física no shopping Downtown aqui na Barra da Tijuca. A seleção dos vinhos foi garimpada para encantar iniciantes e surpreender os mais experientes com rótulos que expressam as diferentes nuances do nosso continente.

O evento foi na loja Spicy do Casa Shopping, que tem absolutamente tudo de utensílios para casa e acessórios para vinhos, desde taças, decanters, climatizadores e mais um monte de produtos para facilitar nossa relação e dia-a-dia com a bebida de Baco. O ambiente foi incrível e no final, a degustação acabou se transformando numa grande confraternização. E como não só de vinhos vive o homem, ainda pudemos contar com queijos artesanais, grissinis e pizzas brancas da nossa parceira Deli Delícia.

wine talk

Vamos aos vinhos degustados?

Pra começar, tivemos um welcome drink com o espumante Nero da Serra Gaúcha, pra mostrar como o Brasil está se destacando no cenário mundial dos espumantes. Super floral, com aromas de maçã verde e lichia e uma acidez refrescante que é a cara do verão. Perfeito para a praia ou um fim de tarde na piscina.

Logo em seguida, com todo mundo acomodado, foi a vez do delicioso branco chileno, Trofeo Chardonnay 2017. Fresco, com aromas de frutas tropicais é ideal para peixes brancos, ceviches e até um camarão na brasa, mas a muçarela de búfala que servimos caiu como uma luva.

Quando chegou a hora dos tintos, veio uma surpresa. Um Tempranillo argentino, o Las Moras Reserva Tempranillo 2013 envelhecido por 12 meses em barricas de carvalho. A Tempranillo é a uva emblemática da Espanha e não é todo mundo que sabe que no país dos hermanos ela tem brilhado também. Foi um dos preferidos da noite, principalmente de quem estava iniciando no mundo dos vinhos. Muito frutado, com aromas de cereja, geleia de morango, baunilha e até um toque de cocada. Surpreendeu pela textura sedosa e pelos taninos doces, já amaciados pelos seus quase 6 anos de vida. Pra quem não curte vinhos muito secos, esse não tem desculpa pra não se apaixonar. Como ele tem um estilo um pouco mais doce, fez uma boa harmonização com o queijo Gouda.

Depois foi a vez do Santa Ema Gran Reserva Merlot 2016. Chileno robusto, de perfil amadeirado e intenso. Repleto de aromas de frutas vermelhas maduras, chocolate e mentolado. Com bom corpo e um final de boca que lembra caramelo. Pra que é fã de tintos um pouco mais encorpados, ta aí uma ótima alternativa. Casou muito bem com o queijo da Serra da Canastra.

Pra finalizar com chave de ouro, o uruguiao Garzon Reserva Tannat 2016, foi a cereja do bolo. Se você é daqueles que acha os vinhos da uva Tannat muito duros, precisa experimentar esse. De perfil mais macio, ele encanta pelo frescor e aroma mineral. Na boca, tem um sabor levemente tostado, apimentado, com notas de especiarias, cassis e ameixa. Seus taninos harmonizaram perfeitamento com o potente grana padano. Ideal pra quem aprecia vinhos mais complexos e de perfil gastronômico.

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Depois de 4 anos escrevendo sobre vinhos no Fashionismo, ontem o @rdreux realizou a 1a edição do seu #Wineandtalk! Foi um bate-papo super animado com a degustação de 5 rótulos, workshop e até teste cego! Gostaria de agradecer a presença dessa turma super animada e disposta a aprender e beber (muito!), obrigada à @spicy_lojas por nos receber, à @sephorabrasil pela gift bag e à @deli.delicia pela seleção dos queijos mais deliciosos! Semana que vem vai ter post e mais infos sobre a 2a edição, só com espumante, vinho branco e rosé, bem verão @finewines_brasil. E muito orgulhosa pelo @rdreux, nunca vi ninguém amar tanto esse mundo dos vinhos e falar com tanta propriedade, conteúdo e facilidade, que seja o primeiro de muitos! #vinhodequinta #vinhonismo #spicylojas

Uma publicação compartilhada por Thereza Chammas (@fashionismo) em 7 de Dez, 2018 às 3:02 PST

Ao final do evento, os convidados puderam degustar livremente os vinhos que mais gostaram e ainda fizemos uma brincadeira de teste cego com os rótulos degustados. O mais legal é a maioria das pessoas acertou o rótulo sem saber qual era. Todo mundo estava quase profissional!

Enfim, esse foi o primeiro de muitos, e espero poder contar com vocês para as próximas edições. É só ficar ligado aqui no blog, no Grupo do Fashionismo ou no meu Instagram, que muito em breve teremos uma outra edição que será a cara do verão!

O mistério do tanino!

04/10/2018  •  Por Rodrigo  •  Vinho

Se fizerem uma pesquisa perguntando sobre qual característica no vinho tinto mais desagrada quem está provando a bebida pela primeira vez, acredito que 90% dos entrevistados responderiam: tanino (com margem de erro de 2 pontos percentuais para + ou para -)!

Tá certo que a maioria das pessoas que começam a tomar vinhos, nem sabem o que é o tal do tanino, mas com certeza o sentem ao degustar e, em muitos casos, sentem até um certo desconforto, por isso muita gente ainda prefere os tintos suaves!

Tanino, nada mais é do que um polifenol, substância encontrada na casca e nas sementes das uvas e de algumas outras frutas, que dá aquela sensação de secura na boca, como se estivesse comendo uma banana verde, tipo uma cica mesmo. Afinal, quem nunca experimentou um vinho e achou um tanto quanto seco? Aqui tem um post bem descritivo que eu fiz ano passado sobre o tema.

vinho uva tanino

De qualquer forma, o que nos interessa é encontrar vinhos com características e sabores que nos agradam independente de preço, região ou estilo. E como a maioria dos iniciantes pode ter uma resistência mais que natural ao tanino, o legal é procurar por vinhos um pouco mais suaves e doces, não estou falando dos famigerados vinhos de garrafão, e sim dos vinhos secos ou semi-secos, mas que possuem taninos mais brandos e aromas frutados. Essa é a transição perfeita, ou como gosto de dizer, o elo perdido entre os vinhos suaves e os secos. Eu mesmo, no início da minha jornada enófila, tinha preferência por esse estilo de vinho, e com o passar dos anos e das taças, meu paladar mudou para os tintos mais secos, mas confesso que ainda tenho uma queda pelos vinhos com mais dulçor.

Então, aqui vão umas dicas básicas para iniciar no mundo dos taninos sem ficar com aquele sabor rascante na boca:

PEDINDO NO RESTAURANTE

Tá aí a verdadeira hora do pesadelo pra quem não está acostumado com vinho. Ao olhar para uma carta de restaurante com uma lista quase infinita de uvas, países, regiões e sub-regiões, dá um certo desespero de errar na escolha e jogar dinheiro fora. Nesse caso, não tenha vergonha nenhuma de pedir ajuda para o sommèlier.

Se, no seu caso, tintos secos não são a melhor opção, você pode dizer que gostaria de um vinho pouco tânico ou com taninos bem leves, mais frutado ou com um pouco mais de dulçor residual. Além de acertar no vinho, ainda vai bancar a fina!

ESCOLHENDO NO MERCADO

Outro momento conflitante! Como escolher um vinho não muito seco no meio de tantos rótulos na prateleira e sem ninguém para ajudar? Minha sugestão é procurar por vinhos de regiões mais modernas, como Austrália que faz ótimos vinhos com a uva Shiraz, EUA que produz vinhos mais adocicados com a uva Zinfandel, alguns Malbecs argentinos e Pinot Noirs chilenos.

No caso de rótulos europeus, pode ir sem medo nos vinhos do sul da Itália, principalmente os da Puglia com uva Primitivo que além de macios e cheios de fruta madura, ainda tem um belo dulçor.

Aproveitando o tema, essa é uma boa dica que compartilhei com amigos que tem certa resistência ao famigerado tanino e todos aprovaram! O Apothic Red 2016 é da Califórnia, região conhecida pela maciez dos seus vinhos, que agradará aos iniciantes, mas que não decepcionará com os mais avançados, de quebra, tem um bom custo x benefício.

Esse é um ótimo rótulo pra quem não curte tintos secos! Ele é produzido à partir de um blend de uvas clássicas da região. Aromático, frutado e que vai te deixar impressionado com seus aromas de baunilha, caramelo, cereja madura, amora e até de capuccino! Na boca, você não vai se incomodar em nada com seus taninos doces e sedosos, seu corpo médio e final de boca fresco. Perfeito para harmonizar desde carnes, pizzas e até sobremesa. Tá custando R$74,40, ótimo preço para um tinto da California.

vinho uva tanino

E aí, gostaram? Espero que possam se aventurar pelo mundo dos tintos, ainda mais agora, que vocês sabem que dá pra provar ótimos vinhos não tão secos. Não tem mais desculpa! E aceito sugestões de novas pautas pro nosso #VinhodeQuinta!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Página 2 de 3212345Última »