5 dicas pra ficar bonita na luta contra a ressaca!

16/12/2012  •  Por Thereza  •  Beleza, Maquiagem, Vinho

ressaca moi

Nada melhor que um post didático feito esse para um domingo exaustivo de dezembro (afinal, tantas festas de confraternização e afins), que tal? Você aí, cara leitora (maior de idade, vale destacar), sofrendo dos males de uma noite intensa, regada a muitos alguns bons drinks, daí acorda num domingo de sol com uma face que não tem máscara Clé de Peau que disfarce. Um horror!

Estava lendo uma matéria na Glamour americana e achei imprescindível o compartilhamento de conteúdo tão enriquecedor, dicas pra evitar a ressaca e ficar bonita no dia seguinte da balááda, que tal? São dicas básicas, mas alguns segredos e detalhes pra gente colocar em prática, djá!

tumblr_lguh3gisVz1qc0fwzo1_500

Dica 01: O álcool desidrata nosso cérebro, corpo todo e até cabelo, com isso além de beber muita água, é legal prevenir com um complemento de  óleo de peixe ou vitamina B12 (ambos devem vender no Mundo Verde). Não sei se é a mesma coisa que Engov, aliás, taí um remedinho que funciona (quando você lembra de tomar). Dizem também que azeite ajuda no antes, ou seja, pré-night pode ser aquela saladjeenha regada a um belíssimo azeite.

Dica 02: Chegou sofrida? Pra não acordar no dia seguinte com uma cara de quem comeu bebeu e não gostou, um travesseiro extra ajuda a evitar o inchaço (tipo pro corpo ficar mais inclinado), reduzindo o acúmulo dos fluídos. Um creme com vitamina B5 também ajuda no processo de drenagem, ou seja, é tentar prevenir antes do ‘problema’ chegar.

Dica 03: Acordou e não gostou do que viu? Não basta tomar aquele cafézinho pra amenizar a cabeça latejante, cafeína direto na veia no rosto também ajuda! Ela combate a inflamação e ajuda a estimular a pele, tudo pra deixar a gente com cara menos inchada e mais digna! Além disso, um saquinho de chá verde quente por 2 minutos sobre os olhos ajuda a reduzir olheiras, ressecamentos e afins.

Dica 04: A hora da make! Acha que uma boa base pode disfarçar tu-do? Que nada, quando nossa pele está desidratada, a maioria das bases e pós não são absorvidos, deixando tudo tipo craquelê, ou seja, piorando o que já não tá bom! A ideia (dica top dos maquiadores) é focar apenas num BB Cream que vai ajudar a uniformizar (iluminar, esconder poros…) o tom da pele, pois geralmente também acordamos manchadas e com pele sem viço.

Dica 05: São sempre os olhos que nos entregam durante E depois. Nada de sombras escuras (é claro!), mas foco total no iluminador em todos os pontos do rosto e num lápis bege na linha d’água para deixá-los destacados e com cara de descansados!

HANGOVER

Pra finalizar, a minha dica mais infalível, que cura tudo, especialmente a dor de cabeça (= ressaca)! Depois que adquiri o hábito de beber vinho (dificilmente bebo outro tipo de bebida), aprendi a beber MUITA água. Água, o belíssimo líquido precioso é seu melhor amigo nem só pra curar ressaca, mas para você não tê-la!

Pois se bebeu, a ressaca é a desidratação do seu organismo, causado pelo excesso do álcool, com isso, não exceda e beba água antes, durante e depois, é fundamental e um super diferencial! Dica simples, mas que eu demorei anos pra incorporar à rotina do final de semana etílico e hoje vejo toda a diferença!

Gostaram desse edificante post pra um domingo pós-agito? Se você tiver alguma dica, mandinga, segredo, simpatia, contaí vai!

Pela banalização do Champagne

03/05/2012  •  Por Thereza  •  Compras, Vinho

Ano passado fiz um post sobre minha paixão pelos vinhos e como muitas leitoras pediram mais posts sobre o tema, volto com outra paixão: o Champagne. Mais que exibicionismo ou ostentação, beber champagne envolve uma cultura similar à criada em torno do vinho, do perlage (as borbulhas) adequado à temperatura ideal (que não é a hiper gelada, viu!), mais do que “tomar um champa na balada”, o líquido precioso é cheio de nuances que valem ser desvendadas, se você tiver mais de 18 anos, que fique claro hehe (e o título é em homenagem à uma famosa – e saudosa – comunidade do Orkut ).

Agora se acha que os tradicionais Veuve e Moet são o suprasumo (já tiveram post aqui!), a bebida vai muito além. Existem champagnes tão bons (para não dizer melhores) da mesma faixa de $ (é claro), com estilos mais peculiares e até em versões artesanais. Cada rótulo e estilo representa bem a tipicidade de cada região e, assim como o vinho, esse é o bacana da degustação do champagne, conhecer suas infinitas características!

O meu champagne favorito é o Piper-Heidsieck, confesso que à primeira vista me encantei por sua embalagem vermelha (tem também pink) e dourada, mas depois que experimente, viciei (aos finais de semana, bien sûr). É um champagne com ótima acidez, torrefação e super amanteigado, ou seja, daquele tipo de champagne intenso, mas que agrada a todos.

Mas se tem uma coisa que me faz amar mais ainda o Piper, são suas parcerias! No Natal, quando vi a garrafa especial de crocodilo (fake de latéx, é claro), pirei! Dei de presente para vários amigos e todos amaram a proposta diferenciada e a combinação vermelho + gold! O amor foi tanto que acabou virando o champagne do casamento e a garrafa-fashion fez sucesso no grande dia! Além disso, a maison francesa é a que mais cria parcerias com o mundo da moda/design, entre eles, Gaultier, Louboutin (com seu sapato-taça) e Viktor&Rolf.

E colecionar esses kits é um vício extra e super incrementa nosso bar indoor. Se damos graças à Deus que lojas não ficam abertas enquanto nosso teor etílico está mais elevado (ops, tem as virtuais), quando você vai nessas lojas/restaurantes de vinhos, são dezenas desses kits, conjuntos e parcerias que dá vontade de comprar só pelo mimo. De geladeirinha, baldes, até taças de cristal super incrementadas, outro dia postei no Decorismo minha coleção, que justifica o preço, mas acima de tudo a boa lembrança.

Redundâncias à parte, vale lembrar que Cavas espanholas, Proseccos italianos e espumantes em geral podem ser tão bons quanto o tradicional Champagne francês (produzido apenas na região de Reims), e se você se informar bem, pode adquirir verdadeiros achados, que valem mais que qualquer rótulo imponente. Fiz uma lista com meus top9 favoritos, pro dia-a-dia (mais glamuroso) até uma data especial, de R$35 a R$190 (a descrição – certeira – de cada rótulo foi feita principalmente pelo meu assessor para assuntos etílicos, Rodrigo, que tá doido pra fazer um blog pra ganhar uns jabás de vinho #prontofalei)!

E vocês, curtem degustar o líquido precioso? Se tiver algum rótulo favorito, pode contar!

 

Da água pro vinho!

16/11/2011  •  Por Thereza  •  Chuck Bass, Pense, Vinho

Vamos mudar de assunto? Sei que o blog é sobre moda, beleza e celebs, mas se o blog também é sobre a blogueira e suas preferências, então nada mais justo – e natural – de falar de algo que amo, mas que não está necessariamente relacionado com moda e afins.

Quem me acompanha pelas redes sociais da vida sabe que adoro um bom vinho. Mais do que o simples prazer da ingestão etílica, aprendi a gostar do processo todo, com isso, consumir de maneira mais inteligente e profunda.                                                  

Tem uns 4 anos que entrei nessa, e entre outras coisas como nunca mais ter tido ressaca (te juro!) e o relacionamento ter melhorado muito (meu respectivo diminuiu a frequencia do “bar com os amigos”, afinal ele prefere degustar um vinho avec moi), parece que amadureci. Antes de começar a tomar vinho, sempre torcia o nariz, achava uma bebida quente e intragável, mas falava: “acho chique quem bebe”, e é exatamente esse tipo de comentário que recebo de diversas leitoras, também pedindo dicas pra iniciar nesse fantástico mundo de Bob Baco.

Com a minha humilde expertise, mas com o apoio total do noivo que é o grande entendido do assunto, elaboramos (post colaborativo <3) 5 dicas pra quem quer iniciar nesse mundo do vinho! Lembrando que são dicas aleatórios e complementares, ok? Afinal, vinho bom é o vinho que a gente gosta.

Comece por baixo: Não vá iniciar querendo fazer o Lula e experimentar um Romanée-Contizinho básico, comece com vinhos mais baratos (por mais investidora que você seja). Com certeza essas etapas irão educar seu paladar, e com isso você vai saber diferenciar o bom do simples, o leve do encorpado. E a graça de tomar vinho é justamente essa, ver o crescimento e aprendizado do seu paladar.

Cace os pontos: Referências são sempre bem-vindas e se você está começando e vai no mercado à procura de um bom vinho, muitos deles informam através de tags (ou no próprio rótulo) uma pontuacão, o que pode – pra quem está iniciando – ser uma referência segura.  Os tais pontos vem de críticos especializados de vinhos – tais como Robert Parker, Wine Enthusiast, Wine Spectator  – que possuem publicações oficiais e periodicamente pontuam tais rótulos, de acordo com preço, região e estilo.

Mas nada melhor do que procurar lojas específicas de vinho, pois além de terem profissionais especializados no assunto, a variedade é muito maior e o armazenamento é o mais correto, com isso o vinho não perde suas características essenciais.

Um novo mundo: O garçom te dá a carta de vinhos, que mais parece um livro, com 5000 rótulos, por onde começar? Geralmente sugere-se iniciar por vinhos do novo mundo, leia-se hemisfério sul e Estados Unidos (pode-se incluir um espanhol também).

Esses países trazem ótimos rótulos, numa boa relação custoXbenefício, e normalmente são vinhos mais simples e fáceis de se gostar. Eles são menos complexos e mais frutados, tornando-se unânimes nos paladares menos habituados. Com isso, conseguimos identificar, pelo paladar ou olfato, suas características, facilitando a apreciação e a ingestão completa, ou seja, você não desiste da garrafa pela metade e volta pro choppinho de sempre.

Detalhes fundamentais: Nada melhor que tomar um vinho em casa, harmonizar com o prato certo (nada de Doritos e afins) é fundamental e longe de ser uma frescura ou mero detalhe. Procure também encontrar a temperatura ideal  de acordo com o tipo do vinho, se for resfriá-lo, cuidado pois muito gelado pode esconder certos aromas, já vinho muito quente pode ficar mais doce e com álcool pronunciado, o que também não é bom.

Outro fator importante é a taça certa, nada de copo de requeijão ou taça colorida, o ideal é uma taça de cristal (não é caro e tem umas que não quebram, sério!) e se você gosta de caprichar, vale investir nas taças de acordo com o tipo de vinho. Além disso, um decanter especial faz toda a diferença, e porque não uma mini adega? Hoje em dia, estão cada vez mais baratas. Os acessórios complementam o ritual e fazem disso um acontecimento. Depois do seu enxoval de vinho pronto, chame os amigos pra fazer um queijos e vinhos, eles também funcionam pra conhecermos mais e mais rótulos!

Beba: Pode parecer contraditório, mas não existe nenhuma regra clara (né, Arnaldo?) pra degustação de vinho, apenas o simples exercício de beber e beber. Várias vezes nosso vinho de ontem, regou o almoço de hoje, já compramos vinhos bons, vinhos péssimos e inesquecíveis. Foi a prática, que nos levou à experiência e acho que é assim com todos aqueles que veem no vinho mais que um simples ato de beber alguns % de álcool.

Cheire, “mastigue”, saboreie, tente decifrar aromas e sabores (geralmente no rótulo tem a cola), garanto que essa é a parte mais bacana! E fundamental (além de ter +18 e não dirigir ao mesmo tempo), beba muita água entre cada gole, faz com que limpe seu paladar e valorize cada gota desse líquido dos Deuses!

E aí, quem curte o tema? Posso fazer mais posts assim! E quem tiver mais boas dicas sobre vinhos e afins, compartilhe com a gente!

Página 31 de 31« Primeira2728293031