Dica de série: Love is blind na Netflix

04/03/2020  •  Por Thereza  •  tv

Eu gosto de seriados toscos, realities fakes e toda e qualquer programação televisiva que me entretenha e não me faça pensar muito. Eu sou entusiasta de Big Brother desde 2002 e acho que programas assim são tão interessantes, que uns beiram uma profunda reflexão antropológica sim.

Dito tudo isso, mês passado assisti a um reality adoravelmente tosco na Netflix (que semana que vem lança a versão brasileira): o The Circle é uma competição online, na qual participantes usam diferentes estratégias para flertar, criar alianças e até perfis falsos em busca do prêmio de 100 mil dólares. Eu achei que era a coisa mais bizarra que tinha visto na tv em 2020, mas em questão de dias fui surpreendida: Love is Blind (Casamento às cegas) é mais tosco, é surreal, absurdo… é viciante.

 

Se no The Circle a pessoa  fica 1 semana confinada num apartamento com decoração questionável, mas com boas chances de ganhar 100k, no Love is Blind você pode sair casada com um perfeito estranho. É o famoso “eles que lutem”, e é entretenimento puro!

O reality é tão bizarro que eles não chamam de reality, mas de EXPERIMENTO. E essa “experiência social” consiste basicamente em homens e mulheres se relacionando por dias através de uma parede até encontrar um crush. Eis que em questão de 2 ou 3 encontros um diz eu te amo, outro pede em casamento e só então se veem ao vivo!

Depois disso rola uma pré lua-de-mel num destino paradisíaco com direito a romance, tretas, convívio entre os casais e mais tretas. Nas 3 semanas que antecedem o grande dia, eles ficam confinados em um apê pra viver uma vida mais real, os percalços, boletos e família. Até o dia do matrimônio, lá no altar, diante de meia dúzia de familiares assustados ou figurantes constrangidos, eles dizem sim ou NÃO!

LOVE IS BLIND

E aí que mora a graça, ok, bizarrice do programa. Acompanhamos esses 40 dias em 10 episódios e a season finale consiste no sim ou no não do grande dia da vida desses elementos. E isso é FASCINANTE.

O programa todo é muito interessante, surreal, um quê de fake – mas quem se importa, afinal, vivemos na cultura da novela, e VICIANTE! A parte do flerte, as férias, a vida “real” e o ápice que é o tal do sim ou tal do não e garanto sem o mínimo de spoilers: surpreende! Pro bem e pro mal, lógico que tem umas obviedades e surrealidades, mas é aquele tipo de reality que você assiste tudo em questão de dias (eu assisti tudo no sábado e domingo e isso com bbb ao lado bombando).

O legal é que, diferente de uma novela ou seriado, depois do FIM, você sai correndo pra saber da vida dos participantes, se seguem casados, separados, amigos ou inimigos! E amanhã ainda tem um episódio especial com a eunião de todos os participantes, contando como estão 1 anos e 4 meses depois do fim do programa (ele foi gravado em out/2018 e, dado o belo contrato, está tudo mantido em segredo apesar de usarem suas redes sociais e já serem a sensação da América).

love is blind netflix

Se você gosta de bizarrices cativantes, vale ver Love is Blind, mas já adianto que o amor tá longe de ser cego rs!

 

Dica de série: Sunset – Milha de Ouro

05/04/2019  •  Por Thereza  •  tv

Se você é da geração de ouro de Laguna Beach, The Hills e The City, esse post é seu! O criador desses 3 smash hits, Adam Divello, acabou de lançar com a Netflix um novo reality show que não deve em nada para Lauren Conrad e sua turma, de quebra ainda deixa os fãs de drama-e-roteiro-da-vida-real com gostinho de saudosismo.

Sunset – Milha de Ouro (Selling Sunset) é um reality que fala sobre os corretores de imóveis de elite do Oppenheim Group, que vendem – mas também vivem! – uma vida de luxo aos endinheirados de Los Angeles. Com a chegada de um novo membro à equipe, o drama aumenta!

Quem já assistiu “Million Dollar Listing”, sabe que a profissão de real estate de imóveis de luxo é tão luxuosa quanto. Se você vende uma – nada – modesta casa de U$40.000.000 (no programa tem uma incrível assim), você pode ganhar uma comissão de U$1.200.000 e por aí vai, ou seja é muita grana e, claro, competição, mas com Selling Sunset o foco é um pouco diferente.

O programa mostra as casas incríveis e cenários luxuosos (essa é a melhor parte do programa), mas fala também de relacionamentos amorosos e uma certa rivalidade feminina. Longe de mim querer indicar programa assim, o show de fato tem algumas questões problematizáveis, mas tem outros pontos relevantes (fala inclusive como as mulheres do meio são assediadas) e no final das contas é um guilty pleasure descompromissado.

sunset milha de ouro

Se você gostava dos saudosos tempos de Lauren Conrad, Heidi Montag e cia, vai ativar o saudosismo com um reality com o cenário mais bonito de todos, aka Los Angeles, sem contar a trilha sonora sensacional, os looks legais e, bom, um roteiro digno de novela (se pensar assim fica mais razoável).

E sobre a “chegada de um novo membro”, nada menos que Chrishelle, esposa de Justin Hartley, astro de This is us, daí você sente o drama!  O elenco é afiado, interessante e, entre supostas mocinhas e vilãs, é um grupo que rende e acho que o programa pode ser ajustado para novas temporadas.

sunset milha de ouro

Pra quem gosta de um reality leve, ligeiramente fútil e com ingredientes básicos que nos fazem desligar da vida por 30 minutos, fica a dica!

 

Dica de série: Instant Hotel na Netflix

31/01/2019  •  Por Thereza  •  tv

Presta atenção nessa dica que é muito boa, modéstia à parte rsrs. Como assisto muito programa de decoração na Netflix (já teve um post só sobre isso aqui), apareceu no meu recomendados um programa chamado “Instant Hotel”. Do que se trata? Te explico, mas já te digo uma coisa, assisti os 12 episódios em 2 dias, é viciante!

Ele é um  reality show australiano “na competição pelo título de melhor Instant Hotel, proprietários se hospedam por uma noite no imóvel dos concorrentes e dão notas para a experiência”. Onde fala-se Instant Hotel, leia-se Air Bnb e esses sites e apps de hospedagens pelo mundo.

Os donos desses imóveis disputam entre si quem tem a casa mais bonita e aconchegante, quem cria os melhores roteiros, prepara as melhores amenities e faz as surpresas mais interessantes. O programa é dividido em 2 grupos e 2 fases, em cada episódio um grupo vai pra casa de um cicerone x passar 24h, analisar, curtir e, ao final, votar em critérios como preço, decoração, hospedagem, atividades e qualidade do sono.

Ao final das duas rodadas, os 2 finalistas disputam entre si, mas sem antes fazer os ajustes propostos pelos convidados e também por uma expert que faz a análise profissional (chega uma hora que os votos passam a ser pessoais e tendenciosos, essa é até uma questão que eventualmente prejudica a dinâmica do programa). A dupla vitoriosa ganha uma viagem para Los Angeles pra ficar num super mega power Instant Hotel (acho que vencedor merecia uma graninha também, mas o que eles ganham com a exposição deve ser algo incrível).

 

O legal desse reality começa pelo fato de ser na Austrália, não sei vocês, mas nunca vi nada produzido pelo país e conhecer casas e cidades em Bondi Beach (uma das praias mais famosas do país), Barossa Valley (terra dos melhores vinhos australianos) e Byron Bay (reduto bucólico e paradisíaco) já vale o programa. E, acredite, dá vontade de planejar a próxima viagem e de quebra se hospedar em uma das casas!

Mas o melhor do programa mesmo é o CASTING! Os australianos pisam em realities como A Fazenda e Big Brother. Os personagens, que geralmente são casais, mãe e filha, irmãos e amigos, são escolhidos a dedo! Tem mocinha, vilão, casal fofo, disputas, brigas e até uma sósia da Anitta. E o engraçado é que um fica meio que gongando a casa do outro e a gente – e eles também – fica na expectativa “nossa a casa desse aí deve ser o máximo!!”.

 

Ok que muitas das situações dos dramas e rixas são meio que roteirizados, mas quem se importa? Dá muito certo e você termina o programa querendo ver cada casa e seguir cada participante. Vai por mim, é viciante, aliás, meu padrão de sucesso é o Rodrigo gostar também e ele não só amou como stalkeou Leroy (guarde esse nome) e cia comigo.

Esse é o tipo de programa que é a CARA do Brasil, fico pensando se a Netflix adquirisse os direitos e fizesse uma versão tupiniquim, do jeito que temos lugares lindos e gente barraqueira, seria segredo de sucesso!

Se você gosta de reality, drama e decoração, assista e depois me conte.