Por dentro do MercadoLivre

16/04/2014  •  Por Thereza  •  Publicidade

Você lembra qual foi sua primeira compra na Internet? Eu lembro muito bem a minha, lá em 2006: Pigmentos fracionados da MAC. Comprei no MercadoLivre. Esses tais pigmentos eram a maior febre e por ser um potinho enorme, as malucas-por-maquiagem fracionavam e vendiam por lá.

Introduzo com esse papo porque o MercadoLivre completa 15 anos agora em 2014 e me convidou pra falar um pouco sobre a marca, sua história e também sobre seu e-commerce, que hoje em dia está mais fashion do que nunca, mas esse é assunto para um próximo post!

MERCADO LIVRE ESCRITORIO

E quem é da geração Mirc, Icq e/ou bate-papo do Uol, certamente fez suas primeiras compras no MercadoLivre. Por lá, sempre tivemos confiança na compra segura (e internet na década passada super dependia disso), você tinha a sensação de que conversar com o vendedor te deixava mais confiante e que por lá tinha de tudo e qualquer produto, de itens de informática, coisas pra casa até… pigmentos fracionados ;)

E ao longo desses 15 anos, o MercadoLivre cresceu, se transformou e foi um dos responsáveis por essa revolução cibernética consumista. De um e-commerce que tinha a idéia original de vender tipo leilão, até hoje que vende produtos com preço fixo e se tornou um grande market place com diversas marcas integradas.

Vocês sabiam que a marca é argentina (MercadoLibre!) e foi fundada em 1999 pelo hermano Marcos Galperin?! Ao terminar seus estudos nos EUA, já era um visonário que sacou na internet uma opção de comércio 24/7 e que você não só comprava… mas também poderia vender suas coisas. Mão na roda, né? Aliás, as famosas mãozinhas se apertando representam justamente isso, negócio fechado satisfazendo ambos os lados.

historia meli

De uma linha do tempo repleta de transformações, aquisições e que esbarra com a história da Internet, o MercadoLivre sempre buscou trazer a experiência de compra virtual pra nossa rotina. Hoje em dia ela é mais que hábito, mas pensa na década passada? Era looonge de ser essa simplicidade toda.

E quem não lembra do famoso jingles, slogans e, o principal, os comerciais? Eram sempre super interessantes, divertidos, fofos e que nos mostravam que comprar na internet não era nenhum bicho de sete cabeças.

Quem não se lembra desse comercial? Exibido na tv em 2006, é uma fofurice sem fim e que romantiza (de uma forma bem conceitual rs) toda essa história. Além disso, tem o comercial da lambreta, dos velhinhos espertinhos comprando online pros netos e tantos outros que registraram a história do MercadoLivre na nossa rotina cibernética.

Vocês sabem que eu adoro ler – e contar! – história de marcas e fiquei super feliz quando o MercadoLivre me chamou pra falar um pouco da deles. Do meu pigmento fracionado, passando por livros ou eletrônicos, compra ou venda. Por lá tem de tudo e todo mundo tem sua memória e você, lembra qual foi a sua primeira compra virtual?

O segredo da Victoria!

03/09/2013  •  Por Thereza  •  Compras, Estilo, Moda

 VICTORIAS SECRET HEAD

Nós já falamos sobre a história da Zara, da Forever 21 e agora é a vez da h&m Victoria’s Secret! A marca de lingerie mais famosa do mundo é praticamente unanimidade entre as mulheres e, é claro, homens! Agora pra quem torce o nariz, assuma: você sempre dá aquela passadinha marota na loja pra ver as novidades (o que inclui fotos das angels) e experimentar os creminhos adoravelmente enjoativos!

E mais que um push-up bra, um strawberry, um champagne, a marca tem uma característica certeira: o aspiracional. Não, a ideia não é ser uma Candice ou uma Alessandra #quedize mas sim fazer parte desse mundo. O conceito nº 1 da marca – e por lá rola um marketing pesado – é criar uma atmosfera sexy, ultra feminina e inserir a gente lá, comprando é claro!

VS LOJAS

Li várias matérias sobre a marca e eles rezam esse mesmo mantra desde sempre: criar o desejo não só na peça x, mas no lifestyle completo! E pode dizer, quem nunca entrou em suas lojas – perfeitamente decoradas – e se encantou com o clima? Estratégias à parte, VS tem muita história, então senta que lá vem!

A marca foi fundada em 1977 por Roy Raymond, e tudo que ele queria era uma loja exclusiva pra comprar lingeries pra sua esposa e que não fosse no meio daquelas enormes lojas de departamento, daí então surgiu a primeira Victoria’s Secret, em Palo Alto, California. Mas quem é Victoria? A Miss Raymond? Não, mas sim uma homenagem à Rainha Victoria da Inglaterra.

VICTORIAS SECRES OFFICE 1

No ano seguinte, com o sucesso da marca cada vez maior, a estratégia era focar num ambiente cada vez mais aconchegante, refinado e, ok, sexy! Junto a isso, eles logo partiram pro que seria o divisor de águas da marca: venda por catálogo.

Com milhares deles espalhados pelo país, a fama da marca multiplicou e em 1982 (lindo ano!) Mr. Roy vendeu a VS (e suas 6 lojas) pra Limited Brand por US$ 1 milhão.

O que eu posso adiantar é que o fundador da marca não teve um final feliz, depois de tentativas frustradas de novos negócios, se suicidou em 1993 pulando da Golden Gate em São Francisco ;/

VICTORIAS SECRETS DETS

Depois da mudança de gestão, com uma empresa em crescimento e com muito $$$ para investir, a VS se espalhou pelo país e já nos anos 80 era considerada o destaque no seu nicho, sempre mantendo a pegada sexy e com a tal decoração intimista e feminina. Por lá, a ideia não era ter os sutiãs e calcinhas pendurados em cabides, mas sim criar uma experiência única de compra.

Já nos anos 90, uma ideia foi o grande divisor de águas na história da marca: o Victoria’s Secret Fashion Show. Esse que é o desfile mais assistido e comentado do mundo, não só qualificou, mas popularizou a marca e a distanciou de qualquer concorrência.

VS DETS

Por mais que eles não estejam no patamar lingerie-de-luxo, o desfile mostra relevância e duvido que Anna Wintou não dê uma checada nos kgs de purpurinas e 50 tons de pink. E desde 1995, com sua leva de modelos usando apenas lingeries de verdade (já fiz um post sobre essa evolução aqui), passando pela era Gisele Bundchen e até os dias de hoje onde o desfile é aguardado por muitas(os)!

Atualmente a CEO da marca atende pelo nome de Lori Greeley (na foto acima no seu escritório em NY), ela é uma das mulheres mais poderosas do mercado e está entre os 20 maiores salários dos EUA. E quem cuida do marketing é o moço da foto, Ed Razek.

Quer descolar um job no desfile? É com ele que você tem que falar (e desfilar e mandar beijinhos pelo ar)! O cara cuida da escolha das angels (na foto ele ganhou uma asa delas), de cada detalhe do desfile e do dia-a-dia marketeiro da marca. Sem dúvida que tem um dos empregos mais desejados do mundo!

Esse vídeo abaixo é de 2005 e mostra minha formação e fase favorita, com Tyra em sua despedida, Gisele, Karolina, Heidi, Alessandra, Adriana e a melhor geração de angels!

Infelizmente não consegui mais fotos da fábrica e escritório (adoro ver onde o povo trabalha), tive que fazer uma fuxicada nível Sherlockiana no Instagram dos funcionários haha alocka (dá pra ver uma intern no meio da montagem, não me perguntem como cheguei até esse nível). Além do escritório em NY, eles tem a sede da fábrica em Ohio e produção em outros países.

Planos de abertura oficial no brasil (loja de aeroporto não vale)? Não tão cedo! Li que a ideia é se firmar ainda mais nos EUA e duplicar o número de lojas. Pra se ter ideia, a primeira loja na Europa não tem nem 2 anos (fica em Londres e é linda), ou seja, por enquanto pra gente só na versão muamba na mala ;P

vs facts

E mesmo muitas pessoas ainda torcendo o nariz pra marca, recentemente eles lançaram uma linha com itens de luxo (na faixa de U$250) e materiais mais nobres (e menos piniquentos). Além disso, a marca se uniu com mulheres vítimas de câncer de mama pra criar produtos especiais para elas. E também mudou a vida de uma comunidade na India onde agora as mulheres tem emprego em uma de suas fábricas, salário digno e muitos sutiãs ;)

Depois de ler sobre toda a história da marca, sem dúvida percebemos que é um caso ambicioso que vai além da simples compra, envolve o tal do desejo! E também a certeza da relação da Victoria’s Secret com a história da moda, afinal, nunca antes peças íntimas foram vistas como moda e tudo isso mérito deles!

VICTORIA LOVE

Mesmo com todas essas estratégias por trás de uma ~simples~ lingerie, sem dúvida que a Victoria’s Secret atinge seu objetivo com louvor, agrega valor, é case de sucesso, exemplo pra qualquer outra empresa e no final das contas a gente, entra, admira, deseja e compra. Simples assim!

Escrevi demais hehe, vocês sabem que adoro fuxicar essas histórias alheias, parece que a gente valoriza mais ainda o produto. E vocês, curtiram a história da marca?