O Fantástico mundo da Zara

27/11/2012  •  Por Thereza  •  Compras, Moda

A Zara é quase unanimidade nesse mundo da moda e consumo. Queridinha em todas as classes sociais, é aquela fast fashion que agrada gregros, troianos, ricos and menos afortunados. Dar uma passadinha na Zara é hábito tipo tomar um cafezinho. E BEM antes dessa onda de blogs (e tendências e inspireds) ela já estava lá, linda e soberena.

Não é à toa que o tiozinho dono da Zara (O espanhol Amancio Ortega fundou a Inditex em 1963) é o 3o homem mais rico do mundo (muito às custas do nosso rico dinheirinho), vê sua marca crescer financeiramente cada vez mais, expande território (são abertas 500 lojas pro ano) e ainda consegue manter a moral (mesmo com aquele escândalo – aparentemente esclarecido – de trabalho escravo) e os bons costumes de criar roupas interessantes, acessíveis e atuais.

Mas qual é o mistério disso? Porque não tem nada parecido no mercado da moda? Lembro de uma aula que tive na FIT, onde a professora falou sobre o poder da marca e comentou que eles não fazem anúncios e tampouco cedem roupas para editoriais de moda. Enquanto empresas gastam pelo menos 20% em publicidade, a Zara gasta 0,5% (apenas para mencionar inauguração de loja ou algo mais informativo e bissexto). Eles se “orgulham” em dizer que o setor de marketing é um dos mais enxutos do grupo.

A filosofia da Zara é que não existe anúncio melhor que uma bela vitrine (e um cliente satisfeito e bem vestido) e a contar pelo sucesso, eles estão mais que certos!

Desde o início, a premissa da marca era fugir da ideia que uma loja dependesse em sua grande parte de designers e fornecedores terceirizados, o pensamento era criar tudo direto e internamente e esse perfil persiste até hoje na grande maioria dos casos. Seu Amancio pensou numa engrenangem rápida, onde a “tendência” vista nas passarelas pudesse chegar mais rápido às araras e com um preço razoável, trocando em miúdos, a essência da fast fashion foi desenvolvida e consagrada pela… Zara!

Todos sabem que é uma forma agressiva de atuação (que vez ou outra sofre algum revés e vira alvo de escândalo), mas que cada vez mais vem sido, que ironia, copiada por muitas empresas.

Agora por incrível que pareça, a maior parte das coleções são desenvolvidas 8-9 meses antes, mas apenas 1 mês antes do lançamento que os pedidos são feitos e em até 14 dias produzidos e enviados às lojas, tudo isso pra qualificar como fast fashion e aproximar cada vez mais das grandes coleções desfiladas. E eles dizem que seu diferencial não está no tecido de qualidade superior (às outras fast fashions), mas sim na impecabilidade do molde, corte e acabamento.

E eles reafirmam que enquanto as principais lojas desenham/vendem suas coleções baseadas nas apostas do estilistas, na Zara tudo é feito e moldado de acordo com o cliente. É o nosso interesse que norteia o que deve ser vendido e continuar, com isso, os produtos rejeitados, vão direto pra liquidação (e para muitos outlets da marca pelo mundo).

Esse termômetro é muito rápido e a Zara consegue “consertar” isso em poucos dias, seja pra repor uma peça de sucesso ou até pra retirar aquela encalhada (ocupa espaço e espaço és diñero!).

A questão de logística da empresa é item fundamental! As peças são compradas e repostas de acordo com a demanda e quem define isso são os compradores de cada loja e região, se uma roupa x acaba e tem uma procura grande, em questão de poucos dias (poucos mesmo, tipo 5) ela já está de volta e pronta pra ser vendida, o que não acontece na maioria das lojas, que tem uma reposição mais lenta.

Dado todo esse cenário, quando aquela vendedora apressada falar que aquela saia peplum belíssima nã0 tem mais, acredite, ela está falando a verdade! Agora se tiver, agarre, o estoque pode até ser reposto, mas o volume de interesse ainda é maior!

Achei interessante compartilhar informações que li recentemente da Zara por aí (essa matéria e vídeo do NYT são ótimos), pois não basta comprar, entender o sucesso também acho fundamental! É lógico que não podemos esquecer todas essas recentes polêmicas  (inclusive envolvendo outras questões e que certamente não são exclusividade da Zara, mas também de outras grandes empresas), mas o alerta foi dado e já é notório que a fiscalização está redobrada.

Depois de tudo isso, inegável ficar perplexo com essa máquina – eficiente e democrática – de fazer roupa, que certamente mudou todos os rumos da moda nas últimas décadas e que cada vez mais é admirada e estudada por vários, comprada e usada por muitos!

O post ficou enorme né, mas espero que tenham gostado (muitas fotos de insider!) e quem sabe pode virar tag pra dissecar outras marcas!