O tal do modernismo

05/12/2011  •  Por Thereza  •  Moda

Já falamos do tal do Minimalismo, do Barroco e Art Déco, mas agora chegou a vez de falar de uma corrente bem extensa e popular, o modernismo. E o tema surgiu justamente pois na semana passada o pessoal da MAC me convidou pra conhecer a coleção nova chamada “Art of Powders”, onde cada um dos 3 estojos, homenageia um fase da arte moderna.

Tanto o iluminador, quanto o bronzer e a sombra são incríveis, confesso que estou com uma certa dó de usar, especialmente a sombra. E tinha tempo que não me impressionava tanto com uma coleção da MAC e mais ainda por ter esse motivo artístico, dá super vontade de colecionar e aguardar novas versões (#ficadica).

Agora pra não ficar apenas na resenha do produto, porque não relembrar/conhecer uma corrente artística tão famosa e importante? O modernismo desenvolveu-se no início do século passado e transitou da arquitetura à literatura, da pintura à filosofia. A idéia fundamental da corrente era criar algo novo, esquecer velhos conceitos e visões ultrapassadas, ir em busca de liberdade, de algo…moderno.

Aqui no Brasil, um grande divisor de águas para a arte, foi a “Semana de Arte Moderna” e lembro que foi um marco pra história como um todo, e mais do que aprender numa faculdade específica, na aula de história no colégio já tinham relatos sobre a semana onde se discutiu sobre os novos rumos da arte brasileira e além.

Do Expressionismo ao Cubismo, seria necessário muito mais que um post pra resumir uma corrente que foi referência pra revolução artística do século passado. Mas e a perguntinha básica: onde a moda entra nisso?! Também é bem impossível pautar, mas generalizando, em tudo!

O desfile de inverno da Prada (sempre ela) foi recheado de referências modernistas, mais especificamente no Neoplasticismo de  Mondrian, que é um exemplo clássico de como essas correntes  trocam experiências e se convergem num movimento só. Ou você nunca viu essa junção dos traços e cores acima em outro lugar?

Mas, principalmente, mais do que a tal busca pelo novo, o modernismo na moda resgata a origem e essência da roupa. Assim como no já conversado minimalismo, o modernismo busca nada mais que formas simples, materiais especiais (daí lê-se tecidos), bem trabalhados e acabados. Mais do que uma tendência qualquer, o modernismo busca a função e real justificativa de cada roupa.

Quem sabe mais pra frente  pode rolar post sobre cada vertente do modernista!

 

Construindo uma Chanel

20/10/2011  •  Por Thereza  •  Tendência

Lembram que mês passado postei sobre a exibição da Chanel na Harrods? Pois bem, também contei que fiz um vídeo – bem amador artesanal, por sinal – de um vídeo que estava sendo exibido por lá, de como uma 2.55 era fabricada. Da fôrma à maquina do matelassê, o processo artesanal e o cuidado milimétrico dos artistas envolvidos.

Até já tinha feito um post bem antigo contando sobre esse processo, mas fuxicando por aí, vi que o Trendland (ótimo site) fez uma matéria bem recente contando mais histórias e fotos – que são sempre curiosas e interessantes – de como essa Chanel 2.55  das fotos é produzida.

Pra quem adora saber como funciona essa estrutura ou até mesmo pra valorizar cada centavo possivelmente gasto, e olha que são muitos, é bem bacana valorizar artesanato tão nobre, histórico e icônico. E no Telegraph também tem uma matéria (poucas fotos, muito texto) também contando sobre a bolsa e sua história. E abaixo o vídeo feito na expo de Londres, é simples, espero que gostem:

Agora aguardamos essa Exposição no Brasil e/ou esse vídeo oficial no you tube!

O tal do Barroco

09/08/2011  •  Por Thereza  •  Estilo, Moda, Tendência

Ano passado, no início da onda minimalista, fiz um post traçando um paralelo entra o movimento fashion e o arquitetônico, e até mesmo tentando mostrar que minimalismo não significa “saia curta”, como alguns confundem. E como foi um post bem esclarecedor, e vocês gostam dessa relação moda + história da arte, chegou a hora de abordar outro estilo que adoro: o barroco!

É que recentemente, Miuccia Prada misturou essas duas correntes, com uma coleção de óculos chamada “Minimal Baroque”, e tenho visto esse estilo em vários lugares, mas afinal, o que de fato significa? Lembro que nas minhas aulas de história da arte, era minha expressão artística favorita, porque era fashionismo puro! Exageros, excessos, tudo junto e misturado, isso falando de uma maneira bem óbvia.

Tecnicamente falando, o barroco nada mais é que a arte da exuberância. A união da opulência e do rebuscamento. A subversão das regras de simetria e espaço. Uma arquitetura teatral, onde o detalhe é meramente decorativo, porém altamente impressionante. No barroco, mais é mais!

Seja na sua origem italiana ou no derivado nacional mineiro, a arquitetura das igrejas foi seu forte, mas existe uma boa referência no mundo (ou país) fashion. O Palácio de Versailles, que é um dos lugares mais lindos que já fui na vida, resume todo esse sentimento barroco, tudo com o crivo francês de luxo e ambição da era de Louis XIV. Sejam os espelhos, lustres ou a madeira lapidada, um post é pouco pra entrar nos seus – ricos – detalhes.

Recentemente, no auge da Balmania, Decarnin fez uma coleção que foi apelidada de Barroco’n’nRoll, por justamente trazer elementos do barroco, como brocados e dourados, pro dna rockeiro da marca. Quem identifica um pouco da arte, logo acha relações bem criativas, e não foi à toa que está foi umas das coleções mais festejadas da Balmain, um mix perfeito, e nada óbvio, de dois perfis bem distintos.

Já esse ano, Jason Wu se inspirou em Versailles e toda sua opulência barroca. A idéia era criar um contraste com a simplicidade do sportwear americano, tema no qual Wu é expert. O resultado foi o tal mix de minimalismo com exagerismo, e não é que os opostos se atraem? Irônico, but true.

Outra coleção bem festejada, por praticamente transcrever e evocar o barroco literal, aquele extraído de afrescos e detalhes eclesiásticos, foi a da dupla Basso & Broke. Aliás, achei uma das mais bonitas que vi! O mix de estampas ficou moderno, diferente e o resultado foi impressionante, distante de qualquer possível caricatura.

Poderia ficar dias pesquisando eternas relações do barroco da moda, é um casamento inevitável. Não posso dizer que o barroco é a tendência da vez, pois é mais, é atemporal. O interessante é observar a proposta de cada estilista e, principalmente como nós, leigos, conseguimos identificar seus elementos, sejam em detalhes, referências, composições. Seja óbvio ou conceitual, o barroco pode estar sempre presente, vai da gente colocá-lo em prática!

E se o barroco não é suficiente, sempre tem o rococó pra incrementar ainda mais! E no Decorismo tem mais posts sobre o tema ;D Querem mais história da arte – e da moda – por aqui?

Página 3 de 512345