Podcast sobre a gravidez

08/06/2020  •  Por Thereza  •  maternidade

Conforme contei para vocês aqui, além dos posts no blog e Instagram, também pretendo falar sobre gravidez no podcast Fashionismo para ouvir! Aliás, pra mim é o lugar mais visceral e natural para falar, sem filtro ou edição, fiquei bem à vontade para compartilhar toda as minhas etapas dessa gestação que exatamente hoje completo 20 semanas, bebê do tamanho de uma couve-flor!

O episódio tem duração de 40 minutos e nele começo falando sobre toda minha relação com maternidade, o desejo construído – aos poucos – de ser mãe, a minha perda gestacional em 2019 e todo o precesso de luto e cura, até chegar a fase atual, a gravidez! Os desafios de engravidar +35 e, o mais importante, a descontrução desse estigma que mexeu muito mais comigo antes da do que na gravidez em si. Pretendo abordar todos esses temas aqui também no blog que, vocês sabem, é o lugar que me sinto mais à vontade de me comunicar e registrar todas as fases que vivo. Do casamento à gestação, adoro contar minhas histórias por aqui!

O podcast foi gravado na semana passada, mas hoje contei no Instagram que, tcharam: estou grávida de uma menina! Vem aí uma fashionisminha hehehe! Engraçado que eu sempre me vi como mãe de menina, antes imaginava frufruzar a criança toda, tacar rosa na lenda (vocês sabem que gosto da cor independente de qualquer presunção de gênero) e por aí vai, mas no início da gravidez pouco me importava se era menino ou menina, queria que obviamente viesse com saúde e ponto final!

Também nunca fui aquele tipo de pessoa que planejava chá de revelação (ainda mais em tempos de quarentena), surpresa vindo do balão ou da caixa, sou muuuito curiosa e controladora pra esperar uma informação desse porte! Daí no ultra de 12 semanas, minha médica disse que tinha 70% de chances de ser menina e uma semana depois, com o resultado do Nipt (um teste genético importante e que também revela o sexo com muito mais precisão que a sexagem fetal), descobri que sim, é uma menina!

Lógico que ficaria feliz independente de qualquer coisa, mas engraçado que é quase a confirmação de um feeling (ok bem aleatório e com 50% de chance de acerto) que já vinha comigo e com o bônus ainda que tem uma ligação especial com meu pai. Ele faleceu em 2016 e, no hospital, falou que eu teria uma menina e ainda disse o nome que deveria colocar nela hehe Lógico que acatei, antes mesmo de tê-la dentro de mim, já sabíamos nome e sobrenome!

Passei essas últimas semanas toda focada no projeto do quarto que, naturalmente, será feito pela Thereza arquiteta aqui e também em começar a montar o enxoval. Apesar de gostar da tal frufruzada, curto um estilo mais moderninho com toque lúdico e não vejo a hora de compartilhar com vocês. Já as roupinhas, merecem um post à parte, estou amando esse mundo de moda infantil!

Pra quem quiser ouvir o Fashionismo para ouvir, pode acessaer em plataformas como Spotify ou Itunes!

Tô grávida!

18/05/2020  •  Por Thereza  •  maternidade, News

Doze anos e 8400 posts depois, já posso dizer que esse texto é meu post favorito do blog: tô grávida! Sim, grávida! Digito esse texto cheia de lágrimas, mas com o coração transbordando de felicidades por compartilhar com vocês algo tão especial e esperado.

Engravidar pra mim sempre foi algo que encarei com naturalidade e consequência da vida, como algo que queria, mas que por muitos anos não era minha prioridade. Sabia que queria ser mãe, mas não tinha pressa. Com isso, fui deixando a vida me levar, um pouco pelo medo (acredite, eu era apavorada com o parto em si – hoje, muito menos – e esse foi um dos grandes fatores de esperar mais), mas também pra fugir da pressão e responsabilidade.

Ainda bem que os últimos anos foram mais razoáveis no que diz respeito à mulher e a obrigação da gravidez, “vai engravidar quando?”, “já tá na idade de ter filho, hein?!”, com isso consegui desviar desses clichês e ter no meu tempo. Aliás, o tema engravidar após os 35 anos merece um post exclusivo, pois foi algo que por muito tempo me tirou do sério e agora posso falar com tranquilidade e sem pressão, do auge dos meus 37 anos e 364 dias (amanhã completo 38!).

E minha jornada da maternidade passa antes por uma experiência triste que tive em janeiro de 2019. Eu perdi um bebê e foi tão doloroso que demorei exatamente 1 ano para tentar novamente. Só Deus sabe (e o Rodrigo também) quantas vezes sentei nessa cadeira para tentar contar essa história, acolher e me sentir acolhida por tantas outras mulheres que já passaram por essa dor (e depois que a gente passa, a gente descobre: são tantas e muitas invisíveis). Mas eu simplesmente não consegui, meu 2019 foi cinza, triste, refletiu até no conteúdo do meu trabalho, mas tentei ao máximo não me culpabilizar mais. Eis que um ano depois da perda, veio a boa hora, como chamam, meu bebê arco-íris!

A gravidez está tranquila, apesar dos enjoos do 1o trimestre e do sono e prostração generalizada tenho tido calma e força pra encarar essa gestação e, convenhamos, gestar em tempos de pandemia e quarentena tem sido um desafio extra que nenhum livro ou experiência de terceiros tem me ensinado.

Por isso que tenho buscado apenas informação na medida, sem nenhum exagero, uma fase de cada vez e deixando esse período e aprendizado mais intuitivo e menos, digamos, didático. Sei que sou ansiosa, mas também sei que o que está acontecendo comigo é único, especial, desejado e quero viver da melhor maneira, mesmo em tempos tão difíceis. Aliás, esse bebê é justamente quem nos dá força para viver e ter esperança por dias melhores e isso que tem nos movido dia após dia.

Sei que as leitoras mais fiéis do blog notaram meu nada habitual sumiço, tentei explicar um pouco nesse post do “Novo Normal”, mas a realidade é essa: o 1o trimestre me impossibilitou de ser criativa e ativa (e ainda com o bônus da pandemia, foi entressafra criativa total), mas foi por uma boa causa e eu não via a hora de poder contar pra vocês com segurança!

Com certeza pretendo compartilhar meu diário da gravidez não só por aqui, mas também no Podcast (essa semana tem ep novo falando sobre o assunto), então aguardam novidades!

Beijos,

Thereza e Baby :)

O que podemos aprender com a gravidez da Kylie Jenner

04/02/2018  •  Por Thereza  •  Pense

Que famoso, quando quer, esconde.

Que nem tudo é marketing na família Kardashian.

Bom, podemos aprender várias coisas, criar dezenas de teorias ou simplesmente realizar que sim, a Kilye Jenner não só engravidou, como sua filha nasceu no último dia 1/02/2018, depois de meses de expectativa (dela e nossa rs).

kylie-jenner-gravida

Se você vive nesse plano astral, deve ter sido impactada hoje com uma foto da Kylie Jenner no Instagram anunciando o nascimento da sua filha. Na realidade, não foi nem foto, mas sim um texto e aí que entra a ironia da vida. Numa família tão trabalhada no marketing, na foto, na pose, no preenchimento e filtro, a foto menos foto de todas, já se encaminha pra ser a foto mais curtida de todos os tempos do Instagram (a mais curtida tem 11mi, a da Kylie, em 2h, já tem 6mi), logo, de toda a proeminente família.

kylie-jenner-gravida

E aí que entra a conversa sobre nossa relação de amor e ódio com Kylie Jenner. Bom, da minha parte eu substituo o ódio por curiosidade, eu ficava intrigada com seu sumiço, cheguei a ficar preocupada. Se vocês não estão lembrando a cronologia dos fatos, tudo começou no dia 22/09, quando o TMZ noticiou a gravidez da kaçula. Vale lembrar que, apesar das polêmicas, o TMZ é um dos veículos que mais dá furo na mídia mundial (por exemplo, eles foram os primeiros a noticiarem a morte do Michael Jackson).

Dito isso, a gente precisava da notícia oficial vindo da própria mãe, claro! Achávamos que seria no início da nova temporada, e não foi, numa foto no Instagram, não rolou, no vídeo do Snap, que nada, num post do seu App, também não.

kylie-jenner-gravida

O tempo ia passando e nada de Kylie revelar a gravidez e – o que causou muita estranheza – nenhuma foto ultra zoom secreto de paparazzi, o que começou preocupação geral. Afinal, onde está Kylie, ela está mesmo grávida? E nesses intermináveis meses, Kim contou que teria um bebê (via barriga de aluguel) e Khloé anunciou sua tão aguardada gravidez, aliás, que família fértil.

Com nenhuma confirmação, o que também causou estranheza foi o sumiço da Kylie dos seus negócios, aka, os milhares de Snaps & Swatches que a Kaçula fazia de sua bem sucedida Kylie Cosmetics. E foi bem assim que a gente percebeu que mesmo com produto até de qualidade, era o olho – e braço e boca – da Kylie que enchia o negócio.

Foi então que surgiram outros boatos “Kylie estava grávida, mas perdeu”, “Kylie está depressiva”, “Kylie engordou muito e não quer aparecer em público”, “Kylie, por conta da gravidez não pode fazer preenchimento e não quer aparecer com a boca mais fina” e o mais comum “Kylie nem tá grávida e isso é tudo marketing seus trouxas”.

E foi aí que bateu até a cobrança de muitos, por que a família não vem a público dar satisfação? Afinal, eles são pessoas públicas, vivem na mídia e “o povo merece explicação”. Muita gente até afirmou que esse posicionamento estava afetando a família, arranhando a imagem e até prejudicando os negócios. “Estamos sendo ludibriadas”, “Elas nos devem explicações”. Eis que hoje Kylie reapareceu e essa foi a coisa mais SINGELA que eu já vi vindo dessa família tão adoravelmente e milimetricamente planejada.

“Desculpe por mantê-los no escuro através de todas as suposições. Eu entendo que vocês estão acostumados a me ter em todas as minhas jornadas. Minha gravidez era uma coisa que eu escolhi não fazer na frente do mundo. Eu sabia por mim mesma que precisava me preparar para esse papel de uma vida da maneira mais positiva, livre de estresse e saudável, eu sabia como. Não havia nenhum momento, nem uma grande divulgação que eu tinha planejado. Sabe que meu bebê sentiria todo estresse e cada emoção, então eu escolhi fazê-lo dessa maneira para minha pequena vida e nossa felicidade. A gravidez foi a experiência mais bonita, empoderadora e mutante da vida que eu tive na minha vida inteira e eu sentirei falta. Agradeço meus amigos e especialmente minha família por me ajudar a tornar este momento especial tão privado possível. Minha linda e saudável bebê chegou dia 1/02 e eu simplesmente não podia esperar para compartilhar essa bênção. Eu nunca senti amor e felicidade assim, eu poderia explodir! Obrigada pela compreensão.”

Konfesso que chorei! Chorei não só pela surpresa, mas pela forma nada midiática e muito sincera na qual ela falou e encerrou um enigma que durante 4 meses intrigou a mídia e incomodou até os haters. Kylie tem 20 anos, sempre soubemos que ela era até madura pra idade, cresceu de forma diferente e no meio de um turbilhão, mas sem dúvidas agora ela é outra pessoa e a gente já sentiu em meia dúzia de palavras.

Agora o que aprendemos com a gravidez da Kylie Jenner? Bom, nossa vida vai continuar, mas vez ou outra vale lembrar que mulheres são julgadas e desafiadas diariamente, seja rica ou pobre, famosa ou não, da nossa parte nos resta ter empatia, simples.

No caso da K-Family, mesmo com todo o marketing, ela simplesmente quis existir sendo ela e de forma privada. Ela quis viver a vida dela sem dar satisfação pra ninguém, isso é tão simples e a gente esquece, ela deve ter esquecido como era. Kylie Jenner quis testar, mesmo que por 4 ou 5 meses, que era possível viver uma vida reservada, e até mesmo sem sentir apta à viver toda uma nova vida postando mil snaps e selfies, sabendo que se um dia ela quiser voltar a ser “anônima”, ela vai conseguir.

Ah, também aprendemos (ou simplesmente lembramos rs) que não devemos esperar nada de ninguém. Não cobrar, não criar expectativas. De ninguém, muito menos de nós mesmos. Kylie imaginou o quão cobrada seria, optou pelo silêncio, às vezes deveríamos fazer o mesmo, pensar na gente, simples assim.

De verdade, eu senti muita ternura lendo o texto dela e especialmente vendo esse vídeo que ela postou no Instagram. Apesar da eventual superprodução, parece um vídeo compilado de família, recheado de trechos de uma gestação real e feliz. Como ela disse, foi tudo intuitivo, real, não teve anúncio em capa de revista e a gente nem precisou baixar o app pra ver o vídeo completo. Ela foi lá, se jogou, foi feliz e aqui a gente só deseja o mesmo!