Os looks da première de Gossip Girl, o reboot

01/07/2021  •  Por Thereza  •  Moda, Red Carpet

Já tomou sua vacina? É do grupo de risco? Pois bem, se Gossip Girl marcou uma era (e muito aqui nesse blog que vos tecla), o tempo passou e passou rápido e já fizeram um reboot, falei mais dele aqui.

feel old yet?

A nova geração da série teen estréia na próxima semana na HBO e ontem foi dia de tapete vermelho! Abaixo separei os looks dos principais atores da série.

gossip girl reboot

Jordan Alexander ousou com um look noiva! Sinto nela um Star Quality fortíssimo, alto potencial fashionista, porém-contudo-todavia esse look não ornou. Vai ser daqueles que ela vai ver em 2031 e pensar “onde eu tava com a cabeça, beloved”.

gossip girl reboot

Emily Lind fugiu do óbvio e lançou um terninho Gucci com colete e tudo. Se você puxar pela memória (ou por esse link aqui), vai lembrar que a Blake Lively na estréia usou um look na mesma pegada. Seria uma homenagem?

E essa nova geração chega bem embasada de grandes marcas, Whitney Peak lançou um Chanelzão só pra começar! Gostei do look.

Tavi Gevinson, sim a blogueira mirim da 1a geração virou atriz e surgiu sexy a bordo de um Stella McCartney. Curiosa pra ver essa era da dramaturgia.

Já Savannah Smith apostou num pretinho básico Vuitton, meu bem!

Lyne Renée foi de maiô, transparência e plumas, por mim tudo bem.

Laura Benanti apostou em franjas

Já os rapazes? Puro suco do fashionismo! Thomas Doherty de Givenchy, acho que esse ator tá com uma boa energia, hein.

Eli Brown também foi no look branco

Evan Mock de Gucci e bolsa

Por fim, o homem da moda: Eric Daman, Stylist das duas gerações.

 

Gossip Girl: os looks do reboot da série

09/03/2021  •  Por Thereza  •  Moda, tv

Um post sobre looks de Gossip Girl??

Que ano é hoje?

2009?

Infelizmente não, porém, Gossip Girl – o retorno – VEM AÍ e os looks prometem!

Não sei se vocês estão totalmente por dentro, mas a HBO Max está recriando uma nova versão da icônica série, mas nada de remake com o retorno de Blair, Serena e cia, o que ficará de igual será a mesma roupagem, com a “garota do blog” (será blog??), Nova York, Constance Billard e os degraus do MET, de resto personagens novíssimos, um elenco mais diversificado, novos plots e tudo com a vibe de fofocas e intrigas, mas numa era mais digital, como vai ser? Não faço ideia!

Agora uma coisa é certa: Eric Daman, o responsável pelos looks da 1a era está de volta, OU SEJA, muito muito fashionismo envolvido, o que já é meio caminho andado pro sucesso. Abaixo separei algumas das primeiras imagens das gravações e bote reparo nos looks bem colegiais, mas ousados e modernos.

 

A primeira temporada contará com 10 episódios, Kristen Bell volta como narradora e a data de lançamento ainda não foi divulgada, mas com as gravações iniciadas em novembro do ano passado, acredita-se que até o final do ano teremos o retorno da saga. Animada ou passou da idade de série teen?

Ed Westwick é acusado de estupro.

07/11/2017  •  Por Thereza  •  Celebridades, Pense

Foram dezenas de posts sobre Gossip Girl aqui no Fashionismo. Dos looks das personagens aos saudosos lives, também tinham os posts únicos e exclusivamente dedicados ao personagem Chuck Bass. Geralmente era uma foto e uma frase e só. Esses posts bombavam, eram centenas (sem exagero) de comentários para uma simples foto. O personagem era um ídolo de uma geração.

Já o ator Ed Westwick, nem tanto. Agora mais do que nunca. Ele sempre foi muito blasé, dava umas entrevistas sem graça, mas a gente projetava o icônico – e muito problemático, diga-se de passagem –  personagem nele.  Mas hoje saiu uma notícia que eu precisava compartilhar, se por anos exaltamos, que sejamos as primeiras a rejeitá-lo, criticá-lo e, o mais importante, fazer barulho para essa situação não passar impune.

Em meio a todo esse Efeito Harvey Weinsten (o produtor de cinema que vem sendo denunciado por assédio por dezenas de atrizes), muitas mulheres tem tido força e compartilhado suas histórias de abuso sexual. E hoje foi a vez do ator, a atriz Kristina Cohen fez um relato emocionante e acusando-o de estupro há 3 anos, na casa dele. Ela contou que estava lá com seu namorado, amigo de Ed, e depois de um pedido de sexo a três pelo ator, declinado por ela, Kristina estava cansada e acabou cochilando no quarto de hóspedes e eis que desperta com…

“Ed em cima de mim e seus dedos entrando em meu corpo. Eu disse a ele para parar, mas ele era forte. Eu lutei contra ele o máximo que pude, mas ele agarrou meu rosto com as mãos, me sacudiu e disse que queria me foder. Fiquei paralisada, aterrorizada. Eu não conseguia falar nem me mover. Ele me segurou e me estuprou.”

O relato completo é triste, doloroso e muito real, você pode ler completo aqui. Homens poderosos, com boa rede de relacionamento e que são mais fortes – não só fisicamente – que qualquer mulher vítima.

🙏🏼

Uma publicação compartilhada por Kristina Cohen (@kristinamariecohen) em

Agora junto a isso já li comentários questionando “e se não for verdade”, “ela nem é tão famosa assim, isso deve ser mentira” e por aí vai. O machismo de preferir acreditar no estuprador do que na vítima e isso acontece tanto. Logo, finalizo o post com o comentário muito importante que li no Grupo do Fashionismo de uma leitora que trabalha com essa questão do acolhimento no quesito saúde mental das mulheres que passam por isso.

“Primeiro, a gente sempre parte da ideia que a denúncia/relato é verídico. Por quê? Porque o custo emocional de fazer esse tipo de relato é absurdamente alto. Tem um milhão de variáveis envolvidas. Primeiro, o peso emocional de reviver momentos traumáticos. Segundo, vivemos num contexto em que SEMPRE vai ter alguém duvidando, questionando, achando estranho, culpabilizando a vítima, perguntando pq ela não fez nada pra se defender, pq ela se colocou numa situação x, y z… Como resultado disso, a pessoa, além de ter que lidar com a dificuldade de reviver o passado pra contar o que aconteceu, já faz o relato com o peso/medo/ansiedade de saber que vai vir uma porção de aversivos e punições muito intensas logo depois que ela abrir a boca. Essa tensão prévia ao relato faz as pessoas demorarem mais tempo pra conseguir denunciar, ou mesmo desistir.

Terceiro, fazer um BO pra esse tipo de delito é mais que um parto, sério. As equipes em delegacias em geral não tem um bom preparo pra acolher uma pessoa na situação de alguém que acabou de ser abusada. Todas as coisas sobre “consequências do relato” que eu falei antes acontecem, em geral, também no momento do BO. Fazer a denúncia envolve exames, questionamentos e todo um processo extremamente desgastante. No caso da Kristina, tem relações de poder e exposição de imagem que agravam muito a situação.

Esse cara tem fãs que agravariam a questão dos questionamentos e retaliações pela denúncia. Esse cara tem dinheiro, é famoso. Esse cara é um homem. Por último, existe relato falso? Existe. Um a cada tipo mil. Então se não for considerar as variáveis psicológicas, vamos considerar a matemática probabilística.”

Dito tudo isso, que ele seja punido e que da nossa parte a gente compartilhe esse caso pra fazer muito barulho, boicote  unfollow (eu só não tiro o rodapé agora porque eu não sei de programação, mas vai sair logo) e que isso não fique impune. xoxo