3 filmes comédia romântica para assistir na Netflix!

30/07/2018  •  Por Thereza  •  tv

Vocês sabem que meu estilo de filme favorito é comédia romântica, filme fofo, despretensioso, às vezes bobo, com cenário bonito e figurino idem. Infelizmente, em tempos de super-heróis, esse estilo anda cada vez mais escasso (ano passado debatemos sobre o fim das rom-com aqui), mas obrigada Netflix por fazer esse jogo virar!

Nesse final de semana fiquei de molho em casa com 4 sisos a menos e o resultado disso foi uma overdose de TV! E, enquanto os posts de séries não vem (acredite, iniciei umas 5 novas e pretendo falar de todas), separei 3 filmes delicinhas (todos originais da Netflix) pra assistir quando você não quer pensar em nada , só relaxar e curtir!

O PLANO IMPERFEITO

“Desesperados por um pouco de sossego, dois assistentes exaustos unem forças para fazer com que seus chefes workaholics se apaixonem.”. Não se assuste pelos 10 minutos iniciais, parece bem bobo, mas juro que melhora e muito pelo carisma da dupla principal, Zoey Dutch (virou meu #girlcrush) e Glen Powell (gato e engraçado).

Este é um clássico pra quem gosta de filmes que se passam em Nova York e com figurino charmoso, mas ele vai um pouco além e é um mais “business” e menos romance açucarado. A história é charmosa, flui bem e a dupla principal tem muita química, são atrapalhados e engraçados.

O filme ainda conta com a maravilhosa Lucy Liu e o hilário Tituss Burgess aka “Unbreakable Kimmy Schmidt”. Parece um filme feito em 2005 (no bom sentido), mas é bem atual e produzido.

A BARRACA DO BEIJO

Com certeza o mais famoso dessa safra de filmes originais da Netflix e de fato é imperdível! “O primeiro beijo de Elle vira um romance proibido com o cara mais gato da escola, mas acaba colocando em risco a relação com seu melhor amigo.”.

E sim, esse é um filme muuuito teen, praticamente um guilty pleasure com cara de Sessão da Tarde, mas muito fofinho. A atriz principal é uma graça, o galã é obviamente gatão (eles estão namorando na vida real, inclusive). É um filme que poderia ser um seriado, mas é gostosinho de assistir, super leve e despretensioso.

Já li umas pessoas problematizando (rsrs) eu tenho algumas ressalvas (mais com o irmão-amigo), mas se você gosta de comédia romântica suuuper leve e bobinha, assiste sim! E o filme é tão fenômeno, mas tão fenômeno, que deve ganhar uma continuação (eu faria uma série, acho que renderia até mais).

ibiza-filme

IBIZA – TUDO PELO DJ

Às vezes eu assisto um filme pelo ator em questão e nesse caso assisti pela Gillian Jacobs! Pra quem não está ligando o nome à pessoa, ela é a Mickey de Love (já teve post do seriado da Netflix aqui) e ela é meu girl crush total! E o filme parece até um pouquinho da sua personagem do seriado, só que vivendo em NY.

“Três amigas inseparáveis transformam uma viagem de negócios a Barcelona numa louca aventura em Ibiza em busca de um DJ famoso.” Eu já gostei do filme porque ele se passa em NY e Barcelona, 2 lugares que amo e são bons de se ver na tv. A história é bem boba, mas você vai se prendendo e ficando curiosa pra ver o que vai acontecer e pronto, 1 hora e meia de um filme gostosinho e só.

O elenco é muito bom, o tal do dj é um GATO (Richard Madden, senhoras e senhores) e a trama é menos teen e mais sexo, drogas e rock n’ roll techno (bem light, no caso). Não há nenhuma história mirabolante, mas o filme é divertido e charmoso, não espere mais do que isso, mas às vezes é tudo isso que precisamos, simples assim.

Já assistiram a algum desses filmes?! Me contem e também sugiram outros nessa vibe rom-com!

++ 3 FILMES CHEIOS DE CHARME, MODA, VIAGEM E SUCESSO ++

Drama: O fim da comédia romântica!

12/07/2017  •  Por Thereza  •  tv

Vamos falar sobre cinema? Vamos falar sobre o motivo pelo qual não tem mais filme comédia romântica gostosinha água com açúcar final previsível muito amor envolvido? Eu tô com abstinência.

Outro dia eu vi um filme supostamente romântico com a Anne Hathaway e ela… morria atropelada no final!! WHY? Cadê as comédias românticas? Cadê Nova York como cenário? Cadê um figurino bonito? Cadê um boy pra gente cair de amores? Cadê uma trama suave, uns personagens arrumando confusão, toque de humor e um final feliz?

As comédias românticas faliram.

Bom, foi isso que eu li recentemente numa matéria que dizia que a overdose de super-heróis (blockbu$$$ter) e filmes cabeça (digamos, aqueles criados para ganhar estatuetas) esmagaram as doces e despretensiosas comédias românticas. E isso é muito triste, porque eu sou o tipo de pessoa que gosta de filmes leves e com finais previsíveis, eu sou assim.

Muita gente também fala que o enfraquecimento das Rom Com se deve ao fato de que agora as mulheres são mais poderosas, empoderadas, determinadas e nada combinam com as mocinhas de outrora. Ok, concordo, mas também nada me impede de assistir um filme de mulheres assim, só que numa roupagem da tal comédia romântica, um filme sem pretensão de mudar a indústria, com o simples intuito de contar uma história e nos prender por 1h40m, eu nem tô pedindo 2 horas de filme.

Acho que o último que assisti e amei muito foi “Um Senhor Estagiário”, com a própria Anne Hathaway, mulher forte e que trabalha com internet, tem marido, filho, altos e baixos e, apesar da romantização hollywoodiana (afinal, é filme!), é um entretenimento agradável e que atinge o que esperamos de um filme, nos desconectar da vida real, sem precisar recorrer a histórias mirabolantes ou personagens surreais. Outro filme que merece a menção é “A gravidez de Bridget Jones”, pois apesar da trilogia já durar 15 anos, o desfecho me surpreendeu positivamente, é um filme gracinha e do jeito que eu gosto.

Outro dia senti falta da rainha das Rom Com, Cameron Diaz. A atriz há anos não faz filmes (muito menos do gênero), enquanto uns dizem  que o motivo é que ela optou por se dedicar a família, outros reforçam a tese que o gênero em Hollywood morreu, e ainda tem aqueles que dizem que a idade de Cameron é ingrata, 44 anos, é mole?

E se você olhar o IMDB (excelente site que dá a ficha de filmes, atores, projetos antigos e futuros), pode ver que atrizes experts no assunto ou estão vivendo momentos sabáticos – saudades, Drew Barrymore, enveredando pra outros estilos ou até mesmo franquias com salários mais polpudos.

Recentemente li e fiquei super feliz quando soube do novo longa “Best day of My Life”, uma comédia romântica que contará com Sarah Jessica Parker, Renée Zwellger e grande elenco. Da nossa parte – adoradoras de rom com – só nos resta prestigiar. Dá parte deles basta um entretenimento de qualidade, simples assim.

Vocês também são órfãs do gênero? Atribuem a que esse sumiço de comédias românticas e similares?

Se tiver alguma boa, especialmente na Netflix, compartilha!

Crítica: 50 Tons Mais Escuros, o filme!

10/02/2017  •  Por Thereza  •  News

O quanto você mudou em 5 anos? Uma vida. Às vezes precisamos de 5 meses ou, por que não, 5 minutos? Em 2012, lemos 50 Tons de Cinza e vivíamos outros tempos, ok que naquela época o romance já era altamente questionável… e que assim seja. 5 anos depois as pessoas seguem implicando com a saga 50 Tons, mas ainda prefiro aqueles que assistem nem que seja pra problematizar, afinal, é bem melhor falar com embasamento, né?

Ainda tem aqueles que falam que tem que boicotar, que não devemos assistir, li pessoas julgando quem assiste, quem gosta, enfim. Eu acho bom assistir, assimilar e depois desconstruir. Entender que esse filme pode representar uma realidade – mesmo que nesse caso, bem paralela – e quem sabe trazer à tona a pauta de relacionamentos abusivos? Se em termos de cinema, o que de fato pode ser boicotado, por exemplo, é um filme do Johnny Depp ou tantos outros responsáveis por escândalos recentes. Jamie Dornan me parece um cara legal, Dakota Johnson mais ainda.

Agora sobre 50 Tons Mais Escuros, eu vou fazer uma análise particular de pontos relevantes, mas antes de mais nada, preciso confessar, minha memória é meio falha, então eu não lembro com muita profundidade fatos do livro 2 pra dizer o que faltou ou não faltou. Dito issso, vamos aos pontos:

É MELHOR QUE O 1º?

Achei. Achei porque fui com menos expectativa, sabe?! Fui curtir, ver um filme, distrair. A direção mudou e acho que  isso reflete bem nas cenas. Se antes ele parecia mais “rígido”, esse parece um filme mais, digamos, Supercine (sábado de madrugada), um filme mais ~real e menos teatral ou sombrio.

JAMIE DORNAN MELHOROU?

Na Resenha do 1º filme, comentei que achei o Jamie meio engessado. Dizem que ele é um bom ator (nunca vi nenhuma outra atuação dele), mas nesse parecia incomodado. N0 2º ele me pareceu mais solto, relaxado e até convincente. Acho que a fase do livro de fato é de um Christian mais ~namorado e menos ~dominador. E ele ainda nos apresentou uma quantidade absurda – e até então desconhecida – de músculos no corpo humano.

DAKOTA SOBERANA

Já Dakota, na 1ª resenha falei que ela me surpreendeu, ela parecia ser sem graça, mas no filme ela é bem livre, mostra o corpo, sem pudor, apesar de, obviamente, a Miss Anna Steele ser aquilo que sabemos. Acho que a atuação da atriz segue boa e salvando a personagem que tem tudo pra ser chata. Menção honrosa ao figurino, que deu um drible no livro, e transformou os looks de trabalho de Ana mais interessantes e os de festa mais incríveis (amei o tubinho vermelho e o cinza longo).

50-tons-mais-escuros

TRILHA SONORA E FOTOGRAFIA

50 Tons é um filme zero Oscar (apesar de Jamie e Dakota estarem confirmados como apresentadores desse ano rsrs #blockbuster), mas há de se reconhecer que a trilha sonora é maravilhosa e dá um outro peso e impacto ao filme.

Junto a isso, curti muito a direção de arte e fotografia do filme, a cena dos dois no veleiro é lindíssima e do pedido também. As festas são um caso à parte e tem produção caprichada. Tudo isso é tão bom que a trama, eventualmente rasa, a gente nem lembra.

50-tons-mais-escuros

SEXO, OH YEAH 

Ele segue lá firme e forte e técnico. As cenas não são orgânicas e naturais, sabe? É tudo bastante roteirizado nos mínimos detalhes. Você sabe que “opa eles estão há 5 minutos sem sexo” e vem uma cena de sexo quebrando a trama.

É muito bonito ver os corpos de Dakota e Jamie em ação, é curioso ver esses brinquedinhos sexuais, mas ainda acho que falta química entre os dois, a sintonia melhorou, mas é tudo coreografado demais. Mas tudo bom de se ver, não nego, parabéns aos envolvidos. A cena do elevador, não temos do que reclamar.

50-tons-mais-escuros

A TAL DA TRAMA

Por fim, achei que a trama do chefe e da ex poderiam ser mais longas e trabalhadas, pois elas trariam o fator mais suspense ao filme, mas ambas foram “resolvidas” rápido demais. De qualquer forma, comparado ao 1, achei mais trama, mais filme (ou novela rs) e menos reprodução-do-livro. Se no 1º filme saí com aquela sensação de “poderia mais”, dessa vez o final deixou com aquela sensação de “chega logo fevereiro de 2018 pra gente ver o desfecho e encerrar esse ciclo Grey em nossas vidas”.

Sei que tem gente que torce o nariz, mas se for pra gongar, assista primeiro, talvez você terá mais material! De resto, queria saber o que vocês acharam do filme!

 

Página 1 de 812345Última »