FAQ DO VINHO: Ressaca, ritual e validade!

09/02/2018  •  Por Rodrigo  •  Vinho

Na semana passada fiz aqui um apanhado de perguntas recorrentes de pessoas que querem entrar nesse universo do vinho e respondi aqui. Como foram muitas perguntas super interessantes, dividi o post em dois. Lembrando que sempre que tiver uma dúvida, só falar!

 ‘Por que eu tenho uma ressaca monstra quando bebo vinho mas não tenho quando bebo vodka ou mesmo catuaba?’

Essa é uma dúvida que muita gente ainda tem e vem justamente da crença popular da “ressaca do vinho”. Antes de mais nada, é importante dizer que essa expressão ganhou força pelo fato de que é muito comum no Brasil tomar aqueles vinhos de garrafão. São vinhos feitos com uvas de mesa que não possuem concentração suficiente para a fermentação alcoólica, portanto adiciona-se açúcar para o suco fermentar e isso pode resultar numa bela ressaca.

Não é a toa que várias vinícolas do Brasil estão usando essas uvas para produzir sucos ao invés de vinho. Mas no caso dos vinhos de qualidade, é bom ressaltar que a ressaca varia de pessoa pra pessoa, mas o fator que pode contribuir é a adição de sulfitos (SO2 ou dióxido de enxofre). Eles são utilizados para a conservação do vinho, pois inibem a proliferação de bactérias, mas há um movimento no segmento de vinhos e bebidas em geral para diminuir a concentração da substância. Minha dica é procurar por vinhos orgânicos ou naturais ou por rótulos com a descrição “sem sulfitos” ou “SO2 free”, mas o principal é evitar a desitratação, a mãe de todas as ressacas, bebendo bastante água.

“Meus pais abriram um vinho branco que estava com gosto de rolha, uma cor bem dourada e só sentia o álcool, acredito que estava estragado. Como identificar a validade? Ou da pra ir mais pelo instinto do não gostou não beba?!”

Aquela máxima do “vinho, quanto mais velho melhor” é bem equivocada! Apenas alguns vinhos tem estrutura para evoluir com o envelhecimento, ao passo que a maioria é feita para consumo rápido. Quando falamos de brancos e espumantes então, a juventude é indispensável! Claro que há exceções, como os grandes vinhos de guarda ou os Champagnes safrados.

Não existe uma validade indicada, mas vinhos de safras mais antigas (com mais de 4 anos) podem ter perdido o frescor. Vale pesquisar no rótulo ou na internet se tem alguma informação sobre a janela de consumo do vinho que você pretende comprar. Aqui tem um post muito legal sobre como identificar se um vinho está estragado, seja pela idade ou por problemas de armazenamento.

“Diferença entre taças (materiais e formatos) e como escolher de forma mais assertiva?”

As taças são peças fundamentais para identificarmos todas as nuances do vinho, não é só questão de estética. Formato, material, tamanho, tudo isso faz muita diferença.

E quais as melhores taças para tintos, brancos, espumantes, rosés e vinhos de sobremesa? Esse post aqui é pra você fazer bonito na hora de escolher a melhor taça.

“Dá pra acreditar nas estrelas dos sites?”

Depende. As estrelas que aparecem na maioria dos e-commerces e nos aplicativos (geralmente de 1 a 5) como o Vivino, nada mais são do que avaliações de consumidores. Por mais que sejam idôneas e baseadas nas impressões de quem degustou e não de quem está vendendo, temos que entender que o gosto é pessoal e subjetivo. Um vinho 5 estrelas para uma pessoa, não será necessariamente a melhor escolha pra você. O ideal é ler as descrições para saber se as características de determinado vinho batem com o seu estilo.

 

“Quando compramos um vinho em restaurante ou bar, sempre fico boiando naquele “ritual” antes de tomar o vinho, sempre passo vergonha, como proceder?”

Tudo aquilo que envolve um simples degustar tem importância. Claro que algumas coisas não são tão necessárias, mas tem umas dicas legais nesse post para você transformar uma bebericada numa verdadeira degustação e aproveitar tudo que o vinho tem para oferecer.

“Aerador, comprar ou não comprar?”

Vinhos, principalmente os tintos encorpados, se beneficiam muito com o contato com o oxigênio para liberar seus aromas e dissipar o álcool. Já aconteceu várias vezes comigo de abrir um vinho e no primeiro momento ele não estar expressivo, mas após alguns minutos a coisa mudou de figura.

Deixar o vinho “respirar” é super válido para percebermos a evolução dos sabores. Os aeradores são legais, pois promovem uma oxigenação instantânea do vinho o deixando “pronto na hora” (aqui em casa usamos esse). Claro que não é todo mundo que tem esse apetrecho, mas não precisa se preocupar. Muita gente usa decanter que é a forma mais tradicional de deixar o vinho “abrir” até estar perfeito, mas o jeito mais fácil é simplesmente deixar a garrafa aberta por uma horinha antes de começar a tomar, não tem erro.

Pra ver as outras perguntas do #FAQDOVINHO só clicar aqui!

FAQ DO VINHO: Como começar, temperatura e churrasco

01/02/2018  •  Por Rodrigo  •  Gastronomia, Vinho

Hoje nossa coluna de vinho vem num formato diferente, ela vem na função FAQ! Um post dedicado única e exclusivamente pra responder as dúvidas comuns de leitoras. A Thereza abriu um post lá no #MelhorGrupo pedindo perguntas sobre o tema e foram centenas, logo, selecionei as mais comuns e pontuais e trouxe pra cá! Infelizmente não conseguirei responder todas (pois algumas são mais complexas), mas semana que vem voltamos com o FAQ2.

Diáro de viagem, conhecendo os barris da Antinori, na Toscana

A pessoa pode se acostumar a beber vinho? Igual com japonês, ela começa pelo hot e depois come de tudo? Eu não aguento nem o cheiro de vinho, mas queria conseguir tomar. Por qual vinho eu começo?

Talvez essa seja a pergunta mais recorrente de quem quer iniciar no mundo dos vinhos. As principais características que afastam as pessoas no primeiro vinho são os taninos e a secura. É bom lembrar que à partir do momento em que entramos na mamadeira, nosso paladar fica condicionado aos sabores doces. Nem é comum apreciar um vinho tinto seco de primeira justamente por isso, daí geralmente a tendência é achar os vinhos suaves mais agradáveis.

A verdade é que o paladar precisa se habituar com os sabores mais secos para poder assimilar as nuances da bebida. Minha dica é começar pelos vinhos mais frutados do Novo Mundo (Argentina, Chile, Austrália, EUA). Uvas como a Malbec e a Tempranillo da Argentina, Shiraz do Chile e Merlot dos EUA costumam a produzir vinhos mais macios, cheios de fruta e até com um certo dulçor. No mais, é questão de tempo e hábito!

Como escolher um vinho pra churrasco?

Tintos e carnes formam a melhor harmonização. Tem coisa melhor do que um churrasco de costela com um vinho encorpado e cheio de taninos numa noite fria? A questão é churrasco a céu aberto, pelo menos aqui no Rio, é sinônimo de verão, então é comum tomar cerveja e drinks leves não para harmonizar, mas para aplacar o calor. E convenhamos, um tinto pancadão nos 40 graus é meio pesado.

Vinhos brancos e espumantes são ótimas pedidas para um churrasco em dias quentes, pois o frescor e a mineralidade vão harmonizar com a gordura, além de serem bons digestivos. Contudo, se seu negócio for tinto em qualquer ocasião, vá naqueles mais leves, com maior acidez, com teor alcóolico menor (abaixo de 14%) e feitos para se tomar a uma temperatura mais baixa, tipo Pinot Noir, Barbera ou Merlot. Os taninos junto com a acidez farão a diferença e deixarão o seu churrasco inesquecível.

 Sabe quando você combina um jantar e cada um leva um vinho? Aí você tem vinhos diferente e eu nunca sei se existe uma ordem… toma primeiro os mais leves e depois passa para os mais encorpados? Quando tem uma festa assim, existe uma uva mais “neutra” para evitar problemas de harmonização?

Em eventos ou degustações, é aconselhável começar sempre pelos mais leves, pois os encorpados tendem a neutralizar os sabores dos mais leves, como se você começasse pelo prato principal antes da entrada. Geralmente se faz assim, brancos leves, brancos encorpados, tintos leves, tintos encorpados e vinho de sobremesa. Tem um post legal sobre o tema aqui.

Quanto tempo rola deixar um vinho aberto? Às vezes numa noite qualquer bate aquela vontade de beber, mas como não vou acabar com uma garrafa sozinha, fico com dó de desperdiçar o resto e nem abro.

Vinhos mais complexos podem até melhorar no dia seguinte. Eu mesmo já achei um vinho pesado assim que abri, e quando fui experimentar no dia seguinte, estava bem mais aromático, mas os mais simples e os brancos acabam indo pro “vinagre”. Minha sugestão é comprar uma daquelas bombinhas a vácuo para fechar a garrafa (algumas são bem baratinhas) e guardar na geladeira.

Quais as diferenças entre reserva, reservado, reserva especial? Existem mesmo ou é só marketing?

Muita gente acaba comprando gato por lebre por causa dessas denominações. Na Europa, Espanha principalmente, os termos Crianza, Reserva e Gran Reserva são relacionados ao processo de produção e envelhecimento, inclusive reconhecidos pelo governo. Entretanto, aqui pela América do Sul, não há nenhuma regulamentação sobre isso, e as vinícolas podem nomear os vinhos com quiserem.

E o termo reservado? Puro marketing, geralmente são os vinhos mais “fraquinhos”, que acabam desembarcando no Brasil, pois não são vendidos em seus países de origem.

 É verdade que vinho bom sempre tem um “buraco” no fundo da garrafa? Sempre escuto essa história, mas não sei se é real.

É real sim, embora algumas vinícolas usem essas garrafas para aumentar o valor agregado do vinho, geralmente os vinhos de qualidade superior são colocados nesse tipo de garrafa. Isso ocorre, pois esse buraco serve para que os sedimentos do vinho, resultado do envelhecimento, sejam armazenados em torno dele. No geral, essas garrafas são feitas para grandes vinhos de guarda.

 Como acertar a temperatura do vinho?

Não é a coisa mais fácil, pois além de ser meio subjetivo, quem tem termômetro de vinho em casa? O fato é que servir o vinho na  temperatura correta é importantíssimo para que se aproveite todos os detalhes da bebida. Tintos muito gelados, ficam com os aromas escondidos e a boca fica meio que anestesiada, assim como com qualquer outra bebida. Se o vinho for tomado numa temperatura muito alta, o álcool acaba sobressaindo, o que não é legal também.  Ainda precisamos levar em consideração o clima, pois em lugares quentes, é aceitável dar aquela resfriadinha a mais.

Em tese, a temperatura certa varia entre 6 a 12º para espumantes, rosés e brancos, dependendo da estrutura, e entre 14 e 18º para tintos e fortificados. Como cada vinho vinho se adapta melhor a uma temperatura diferente, minha dica é, para tintos, deixe uns 15 minutos no congelador antes de tomar, pois ele tem que estar refrescado e não gelado. Para brancos, pode guardar na geladeira sem problema. Se for botar pra gelar quando estiver quente, pode deixar o branco no congelador por uns 40 minutos e depois que abrir, guarde na geladeira assim que servir para não esquentar.

Numa viagem para a Borgonha e isso foi o mais perto que chegamos de um Romanée Conti rsrs

Como foram muitas perguntas, não pude colocar tudo aqui, mas na semana que vem volto com mais uma leva! Gostaria de agradecer às meninas do grupo e se você também tiver uma dúvida a respeito, só deixar um comentário aqui que pode entrar no nosso FAQ ou até mesmo virar pauta de post!