Como o Mindfulness tem mudado minha perspectiva sobre a vida

15/01/2018  •  Por Thereza  •  Pense, Saúde

“Nós só temos um momento pra viver, e é o agora, mas tendemos a nos apegar mais ao passado ou projetar o futuro. É raro notarmos o que está acontecendo no presente”

Sempre quando viajo, costumo falar em voz alta e de repente, “estou no lugar tal”, “estou fazendo coisa tal”. Seja num ponto turístico ou restaurante que sonhava conhecer, eu falo pra quem está do meu lado (que muitas vezes não entende rs) que eu estou naquela hora e naquele lugar fazendo algo que sempre quis fazer, é como se eu tivesse registrando aquilo na minha mente.

Eu não sabia, mas isso é Mindfulness puro (em português, Atenção Plena)! Conheci essa técnica no início do ano passado e posso dizer que minha vida simplesmente mudou. E foco aí na palavra simples. Coisas simples mudaram, mas que fizeram toda a diferença, entende? Explico.

Meu primeiro contato com o Mindfulness foi na fila do mercado, onde ficam aquelas revistinhas. Era uma publicação de saúde e tinha uma foto de um mulher estressada na capa e a chamada era algo como “descubra a nova técnica de meditação que está na moda e transformará sua vida”, daí eu comprei, claro. Logo depois, comecei a ver uma ou outra pessoa falando sobre a tal técnica e pronto, entrei nesse universo até então desconhecido e talvez desacreditado pra uma pessoa cética feito eu.

Mas afinal, do que se trata o Mindfulness? Apesar de ter uma referência budista, não é nada religioso, é uma técnica científica de meditação, é um estilo de vida que te faz simplesmente prestar a atenção no momento presente, te faz recuperar os sentidos. É um treino mental que te tira do piloto automático da vida e te mantém atenta, porém relaxada. Te faz receber as coisas que estão acontecendo com você (sejam as boas ou ruins), realizar, aceitar, encarar ou simplesmente aproveitar. O benefício é a conscientização da vida agora, encarand0-a de frente, mas com serenidade, a idéia é você valorizar cada bom momento da vida, mas também estar pronto pra lidar com as dificuldades de forma mais preparada e ponderada. Você fica mais resiliente, tudo isso a uma respiração de distância.

Como isso acontece? Treinando seu cérebro basicamente através da respiração, do reconhecimento do seu corpo, sensações e pensamentos. É uma percepção daquilo que você está sentindo e até mesmo ouvindo, se conectando com momentos cotidianos que formam o tal momento presente. Isso ocorre seja você deitado ouvindo sua respiração, caminhando e observando cada paisagem ou até administrando pensamentos nocivos. Muitas vezes, a Atenção Plena é também buscar se concentrar no nada, mas o mais importante: ter a plena noção e domínio da sua mente. Parece uma viagem ou uma loucura, mas é simples e MUITO eficiente.

Por que eu precisei do Mindfulness? Nada grave, mas eu tenho umas questões e até bagagens de vida, sou ligeiramente ansiosa e estressada, e quem não é um pouco disso nos dias de hoje? E o que mais me incomoda, a hipocondria. Eu sempre acho que posso estar com a próxima doença x e ter o piripaque y, com isso, muitas vezes esse misto de medo e ansiedade me consumia a um ponto que me incapacitava de realizar até mesmo simples tarefas. Junto a isso, o advento da idade deixava tais medos mais próximos, mais reais e me aproximava de pensamentos que talvez eu desejasse ter apenas aos 80 anos (se Deus quiser eu vou chegar lá rsrs).

Eu sempre fui muito tranquila, desapegada, mas sabia que esses pensamentos não eram mais apenas exceções e estavam me tirando do eixo de forma recorrente, logo, sem necessidade de ~intervenção maior, o Mindfulness tem me ajudado a me encontrar e buscar até mesmo um propósito. É simples, mas não é de uma hora pra outra.

O primeiro passo pra imersão ao Mindfulness, foi comprar o livro Atenção Plena, acredito que ele seja o mais famoso e é muito direto ao ponto. Ele faz uma boa introdução à técnica e depois completa com 8 exercícios de meditação pra ler/fazer 1 por semana, que vão da mais simples e com técnicas de respiração e BodyScan, até mesmo aquelas de “emergência” para quando você se vê estressado. O livro ainda tem exercícios bem legais como “liberadores de hábitos” e outras técnicas rápidas que deixam tudo mais interessante. Ele ainda vem com cd pra você ter a meditação guiada (mas eu ouvi todas online aqui).

O legal dessa técnica é que eles também desmitificam um pouco da meditação clássica (os mais ortodoxos dizem que Mindfulness é americanizada demais), você não precisa botar uma roupa zen, esticar um tapete, fazer pose, com o Mindfulness você pode se conectar no meio do trabalho, deitada antes de dormir, enfim, simplifica-se. O que se sugere, e acredito que isso sirva pra tudo na vida, é criar um hábito, sejam 5, 10 ou 20 minutos, que você busque um tempo conectado com você.  A meditação é uma prática simples que ganha poder com a repetição, ela não resolve nada a curto prazo, mas fornece a perspectiva de que é possível melhorar.

Outra coisa legal que aprendi mais ainda com a técnica, é que ela é mais que uma respiração, ela te dá mais compaixão. Ela ajuda você a observar seus pensamentos sem julgamento, ela basicamente respeita tudo que passa pela sua cabeça, te acolhe e te ajuda a tomar um rumo antes que qualquer pensamento negativo desencadeie sobre você. Agora mais do que isso,  ela te incentiva a ser uma pessoa melhor para com os outros, ter mais empatia e compreensão. Segundo eles, a parte do cérebro que é ativada como sentimos de empatia genuína é a mesma que é acionada pela meditação da atenção plena: a ínsula.

O legal é que em tempos de vida agitada e pessoas cada vez mais multiconectadas, o mindfulness tem surgido forte como uma forma de terapia barata, simples e eficiente. Nos Eua, existem aulas para crianças entenderem desde cedo e desde sempre foi recomendado pelo Ministério da Saúde como forma eficaz e cientificamente comprovada no combate às doenças ~modernas, que vão de ansiedade a síndrome do intestino irritável.

Esse post está ficando enorme e merecia uns 5 capítulos, mas vale lembrar que aqui eu obviamente não ensino ninguém a meditar, apenas compartilho minha experiência e incentivo fortemente que se deem a chance de fazer o mesmo. Se trocamos dicas de moda e beleza, acredito que esse universo de bem estar tem ganhado mais espaço e mais importância no nosso universo, pois no final das contas está tudo meio ligado! Se vocês curtem o tema, posso voltar com mais pautas pra gente trocar ideias (posso falar de mais livros sobre o tema) e se você tem vivenciado esse momento presente, conte sua história, quem sabe assim não incentiva mais e mais gente!

“Mindfulness significa conscientizar-se plenamente da vida que você já tem, em vez de focar na vida que você gostaria de ter.”

 

Manifesto pelos poros mais à mostra em 2018

11/01/2018  •  Por Thereza  •  Beleza, Maquiagem, Pense

Eu amo reboco, adoro uma pele eventualmente carregada e, especialmente, acho incrível o poder que uma maquiagem  dá de nos transformar, disfarçar imperfeições (espinhas, olheiras) e tudo de acordo com nosso humor e vontade própria.

Agora veja bem, às vezes é bom lembrar que podemos nos libertar de tudo isso, sem necessariamente levantar bandeira de “dia-sem-make” ou “sou-linda-de-cara-lavada”. É bom lembrar que é possível se encher de sombra, exagerar no rímel e extravasar no batom e ainda assim não ser refém de se rebocar toda, sabe? Especialmente no verão. Eu tô falando de pele!

É que estamos muito condicionadas a nos inspirar nas maquiagens gringas (especialmente em tempos de tuto de 1 minuto no Insta) e lá o reboco corre solto. Repito, amo rebocar minha cara quando saio principalmente à noite, mas preciso relembrar à mim mesma que é possível sair com uns porinhos à mostra sim e ainda se sentir plenamente maquiada E BEM.

Os poros viraram vilões. Aceite seus poros.

Essa pequena reflexão veio depois que comecei a seguir a maquiadora, Katie Janes Hughes. Vocês precisa seguir a Katie! A inglesa maquia famosas (Rosie Huntington e Kerry Washington) e campanhas, não é fenômeno na internet, não tem milhões de views, mas me deixou uma lição importante. Ela brinca com a maquiagem, ousa, inventa, mas a pele dela é mais natural, sabe?

Ela adora criar pontos focais de make nos olhos e sabe qual é o procedimento na pele? Muita preparação, creminhos, primers e fim, o acabamento dela fica o glow dos próprios produtos e nada de necessariamente criar o tal do brilho através de iluminadores, o glow vem dela. Lógico que ela usa os melhores produtos e procedimentos estéticos, mas você sente que a pele dela é natural e tem um viço surreal. Ele meio que inspirar a deixar o mate de lado e mostra que uma pele reflexiva é muito linda também.

Teoricamente assim não dá pra explicar bem, mas Katie vale muito o follow justamente por nos mostrar um outro caminho, e que a gente cada vez mais encontre um meio termo entre o reboco excessivo e a cara limpa demais. Pra completar, ela ainda faz tutoriais ao vivo, no Stories, enfim, ela compartilha mais na prática e de forma absurdamente real.

Porque às vezes a gente vê aquele tutorial lindo de 1 minuto, mas que levou 20h e 200 makes, mas pareceu tão fácil, já com a Katie é mais vida real e desconstruído, vale muito seguir pra entender o que eu estou falando. E ela ainda tem um plus de não ter 20 anos e a pele naturalmente perfeita, ela se transforma, surpreende e nós aqui do lado de cá achamos possível, simples assim.

FLUFFY LASH COMING RIGHT UP – @lancome Crayon Khol in black coffee and black ebony with @maccosmetics Upward lash

Uma publicação compartilhada por katie Jane Hughes (@katiejanehugheswastaken) em


Por exemplo, depois de uma vida refém do gatinho, agora só tô fazendo o olho assim, obrigada Katie! E vocês, tem outra mulher que te inspire a quebrar alguns padrões de make, seja dessa forma por uma make mais real ou seja qual for a sua realidade?

Minhas 4 resoluções de ano novo!

03/01/2018  •  Por Thereza  •  Pense

Ano novo, novas metas, mas, veja bem, nesse meu caso aqui é pra se inspirar! Não gosto muito destas listas pra gente cumprir, pois pode gerar uma ansiedade, pressão e, no final, decepção, mas nesses dias off de fim de ano, pensei em 4 resoluções relacionadas ao nosso universo que vou buscar ao máximo colocar em prática. Daí achei que vale compartilhar com vocês, afinal, estamos aqui pra isso, trocar boas ideias!

BUY LOCAL

O famoso “compre nas lojinhas de bairro”, prestigie mais as marcas locais. E não só aqueles novos talentos que estão bombando no Instagram, mas, especialmente, aquela lojinha da esquina. Entre, dê uma chance, vai ter uma brusinha legal, um look maneiro, vai ser barato e você ainda vai estar incentivando o comércio local e direto.

No meu caso, loja de bairro significa shopping-shopping-shopping, mas casualmente entrei numa feira de moda (no Uptown) e encontrei várias roupas legais e de marcas pequenas que merecem nossa atenção. Dei a chance, deu certo e todo mundo sai feliz. Não sou hipócrita em dizer que dessa Zara não comprarei, mas cada vez mais buscarei outras opções sim.

LEIA A ETIQUETA

Se você vai comprar na loja de bairro ou no super shopping de luxo: leia a etiqueta. Ela vai te ajudar a entender o valor da peça, o material envolvido, comprar conscientemente e saber se aquele lindo vestido tem poliéster, algodão ou pura enganação.

Até mesmo a forma de manutenção do look está bem explicado na tão rejeitada (pinica tanto) etiqueta, leia antes de cortar. A Gabriela fez um post legal explicando sobre.

ELOGIE

Sei que tá nessa moda de elogiar-o-próximo e isso é o máximo, mas aqui no Fashionismo já falamos desde 2011 (lembra desse post?) de o quanto nós, brasileiras, não temos o hábito de elogiar uma estranha na rua. “Moça, seu brinco é lindo, de onde é?”, “Oi, adorei sua brusinha, onde comprou?”. Enquanto essas abordagens entre mulheres são super comuns lá fora, aqui no Brasil, ironicamente (afinal somos super abertos e despachados), isso raramente acontece.

Portanto, se cruzou com uma pessoa na rua, no ônibus ou elevador e gostou do look, elogie e de quebra ainda descubra a marca daquele batom maravilhoso. Atitudes assim incentivam mulheres a se elogiarem mais e o resultado é aquele up na autoestima quando a gente menos espera. É simples, fácil e imbatível.

PRESTIGIE

Prestigie, faça barulho, aplauda quem mereça e faz um trabalho legal. Parece simples, mas a gente esquece. Assim como o tópico acima de elogiar as manas na rua, prestigie o trabalho alheio e, nesse caso, digo muito relacionado à internet. Viu uma matéria legal? Comente. Um look maneiro? Curta. Dê valor a quem faz um trabalho autoral, autêntico, seja sua escritora favorita, a blogueira que você ama e, especialmente, novos talentos, tipo aquela menina que tá começando e você vê potencial.

Pessoas de milhões de acessos já estão bem encaminhadas, mas que tal inventivar e ver nascer uma nova geração de mulheres poderosas e que ganham a vida na internet? No mais, prestigie quem mereça, curta e comente, isso é de graça pra você, mas muito valioso pra quem se propõe a trabalhar com isso.

Beber mais água, praticar um esporte, criar hábitos saudáveis e afins, essas resoluções são triviais e clássicas, mas essas acima são minhas metas que quero botar em prática já! E você, tem algum foco pra 2018? Comenta aqui e quem sabe vira o nosso também!

Página 1 de 3112345Última »