AS MAIS
LIDAS!

O Coachella saturou ou as pessoas que saturaram o Coachella?

23/04/2018  •  Por Thereza  •  Pense

Ano passado fizemos uma série de posts com colunistas, aka leitoras, convidadas! Falamos sobre a The Ordinary, Rinomodelação e agora chegou a hora de falar sobre Coachella, mas não os looks, a saturação dele!

O famoso festival terminou ontem e no grupo do Fashionismo (entra aqui!) debatemos sobre sua saturação e perda de sentido, digamos, musical. O papo estava tão interessante e li um comentário de uma leitora que deveria ser aberto pra todo mundo ler, logo, #ColunistaConvidada! Ana Carolina é carioca, advogada, 26 anos, e tem ótimas observações sobre o Coachella de uma outra perspectiva. Vem, Ana!

O Coachella Music Festival 2018 acabou, mas as polêmicas que envolvem o festival mais concorrido do Instagram parecem longe de um fim. Recentemente, surgiu a notícia de que o fundador do festival é um bilionário americano famoso por contribuir com campanhas de cunho conservador, anti direitos LGBT e anti-aborto, bem ao contrário do que parecem pregar os jovens de corpos magros e bronzeados que frequentam o evento, bem como a vibe free spirit que o Festival sugere. Mas para além dos looks e poses, fica aqui a reflexão sobre o que somos levados a consumir e quais as reais motivações por trás das fotos perfeitas que vimos circular pelas redes sociais nas últimas 2 semanas.

Muito se fala sobre o quanto o Instagram e outras redes sociais contribuem para a expansão de uma sociedade de consumo pautada mais na aparência do que na essência de quem nela está inserido. Daí que, observando o fluxo visual gerado durante o Coachella, fica cada vez mais nítido o quanto somos levados a sonhar com um padrão impossível, que se afasta da realidade ao colocar, em um festival musical em pleno deserto, milhares de famosos e influencers com looks ultra montados, botas de salto, bolsas de grife e todas as tendências possíveis misturadas.

E toda essa fantasia não existe à toa, mas é patrocinada por marcas que tentam fazer com que nós, consumidores que continuamos aqui, com a nossa vida e afazeres cotidianos, sejamos estimulados a tentar alcançar essa vida perfeita que nos é exibida a cada vez que abrimos o Instagram.

E com isso, surge o questionamento: será que essas pessoas que estão ali, nesses cliques perfeitos que vemos nas redes sociais, de fato foram ao festival pelo intuito maior que deve ser o de todo mundo que vai a um evento desses – curtir a música, o local e o momento? Ou será que a maioria só está ali tentando vender um produto e gerar o maior número possível de likes e seguidores para as suas redes?

A impressão que dá, no fim, é que a maioria dos personagens deste espetáculo são na verdade escravos do que eles mesmos vendem, já que parecem não poder relaxar nem aproveitar o que vivem, preocupados sempre em como “lacrar” mais no Instagram. Por aqui, fica então o desejo de que estas reflexões sejam cada vez mais levantadas, para que aos poucos a gente saiba consumir e escolher aquilo que, de fato, nos parece real e autêntico, abandonando padrões que nos obrigam a alcançar o que não existe.

fashionismo

Resolvi trazer o texto da Ana pra cá, pois acredito que seja a visão geral e do dia a dia de pessoas que estão inseridas do outro lado dessa máquina do Instagram, e o Coachella acaba se tornando praticamente um estudo antropológico disso.

E pra vocês, saturou ou é possível tirar algo positivo disso?!




Deixe seu comentário!
*Preenchimento obrigatório (seu email não será divulgado).
Quer que a sua foto apareça no comentário? Clique aqui e cadastre-se!

43 Comentários
  1. julha - 23/04/18 - 13h11

    AMEI, ANA!!!!!

    Responder
  2. Vitoria Gonçalves - 23/04/18 - 13h14

    Pra mim, sem a apresentação memorável de Beyoncé, o festival seria facilmente esquecível. Concordo com cada vírgula do que a Ana disse, o festival se tornou uma vitrine de marcas, com modelos desfilando seus looks NADA usáveis na vida real e muitos muitos muitos stories registrando cada passo.

    Responder
  3. SILVIA ELAINE DA SILVA - 23/04/18 - 13h27

    Amei o texto!

    Responder
  4. Laíse - 23/04/18 - 13h36

    Amei a reflexão!

    Responder
  5. Angélica - 23/04/18 - 13h36

    Parabens pra Ana por colocar em palavras o que algumas pessoas ja pensam ha tempos! E parabens pra The por sempre abrir espaco no blog para debates bons

    Responder
  6. Déborah - 23/04/18 - 14h08

    na verdade, The, ví várias influencers no stories falando que não conheciam nenhuma música de quem estava tocando ou que nem conhecia o artista , então acho que o clique na roda gigante tava mais concorrido que os shows hahaha

    Responder
  7. Paola - 23/04/18 - 14h10

    Saturei! Enjoeei faz uns anos, porque os looks deixaram de ser novidade/bonitos para virar uma coisa caricata! Porém aguardo ansiosamente um novo festival , pois adoro música + moda!

    Responder
  8. Jessica - 23/04/18 - 14h10

    The, estou cansada dessas bonecas infláveis e cabides de roupas! Basta ver o cúmulo do ridículo: uma blogueira toda trabalhada no reboco Kardashian e um bota de salto fino na grama!
    Blogueiras que só mostram propaganda e nada que realmente gostam! Zzzzzz

    Estou tão cansada , que simplesmente só quero andar de jeans, camiseta e tênis!

    Responder
  9. Rafaela - 23/04/18 - 14h57

    Essas blogueiras nem devem saber quem está fazendo show, exceto por Beyonce, claro… Fiz uma limpa no meu instagram recentemente para excluir várias dessas blogueiras que são só cabides ultimamente…

    Responder
  10. Andressa Cunha - 23/04/18 - 15h10

    Falou tudo!!!

    Responder
  11. Gabriela - 23/04/18 - 15h17

    Amei o texto! Eu acho que tá ficando bem chato sim esse tanto de influencer nesses festivais, usando roupas que um ser humano normal que vai a um evento desses curtir o som não conseguiria se manter até o final. Eu pelo menos me sinto zero inspirada em usar um saltão na grama e mil coisas penduradas, desconfortáveis e grifadas. Gosto de festivais porque é uma oportunidade de ver vários artistas e até conhecer novos. Mas nessa era de instagram tá até me dando um bodezinho. Eu pagando caro pra ver as bandas e essa galera lacradora com seu padrão inalcançável indo de graça só pra desfilar seu look caricato, muitas vezes nem conhecem os artistas e ainda conseguindo lugar privilegiado pra assistir ao show. No fim, virou uma grande vitrine mesmo e a música que era o principal foi deixada de lado.

    Responder
  12. Luísa Moura - 23/04/18 - 15h37

    Acho essa discussão tão pertinente!! ACAP arrasou!

    Responder
  13. Natália - 23/04/18 - 15h38

    Concordo com o texto! Inclusive, nem faço parte mais da galera que vê essas fotos no instagram, porque já dei unflow nessas influencers todas… kkkkk Cansei.

    Responder
  14. Helô - 23/04/18 - 15h44

    Colocação perfeita, uma ótima reflexão!
    Eu via os posts no Instagram e só conseguia pensar “caramba, alguma dessas meninas foi realmente pela música???”. Não condeno a montação, acho que cada um faz o que quer e tem louco pra tudo, até pra ir de salto e maquiagem rebocada em pleno deserto, rs. Mas é importante a gente saber o que estamos consumindo e quais as nossas motivações. E é muito louco como tudo é cíclico… porque vcs já pararam pra pensar que antigamente as modelos de passarela eram meros cabides, ninguém sabia seus nomes e aí houve um boom e elas tornaram-se celebridades, com nome conhecido, personalidade, engajamento em causas, etc. Com as instagrammers eu vejo o movimento contrário.. cada uma tinha sua personalidade, seu estilo, seu público. Agora parecem as modelos-cabide dos anos 90, parece que colocaram todas em uma mesma cesta, usando os mesmos looks, frequentando os mesmos festivais… daqui a pouco até seus nomes serão esquecidos. Uma pena!

    Responder
  15. Marina Doitschinoff - 23/04/18 - 15h54

    Sempre fico pensando em como o Instagram mudou de fotos reais de pessoas reais para uma vida mais montada, editada e perfeita. Assim como antes era muito divertido que os influencers e blogueiras eram “gente como a gente”, hoje em dia estão tão distantes quanto os famosos e tornaram-se personagens com os quais não conseguimos nos identificar.
    Eu sinto falta do Carnaval, das festas, dos festivais serem feitos pra curtir e consequentemente registrar o momento. E não vice-versa.

    Responder
  16. Lauriana Barbosa - 23/04/18 - 16h00

    Muito bom o texto, trata-se de uma ótima reflexão! Temos que desacelerar esse movimento! Aproveitar mais a realidade, a vida real e não ficar refém de padrões e curtidas! Fashionismo, u

    Responder
  17. Karine - 23/04/18 - 16h03

    Ótimo texto. Está na hora de começarmos a fazer novas ponderações e questionarmos a validade destas condutas artificiais. Penso que quanto mais reflexões como esta vieram à pauta, mais pessoas passarão a refletir sobre o vazio de tudo isso. Tantas mulheres inteligentes e com conteúdo e hoje em dia os jovens valorizam esta mentira retratada nas redes sociais :cry:
    Parabéns à autora do texto e parabéns a Thereza que abre espaço para discussões valiosas.

    Responder
  18. Tata - 23/04/18 - 16h04

    Parabéns pelas colocações, Ana!
    Parabéns por trazer essa questão para o blog, Thereza. Por isso o Fashionismo é diferenciado dos demais, vai muito além dos assuntos looks do dia, nos faz pensar.

    Concordo com tudo que a Ana falou. No meu Instagram nem percebi o Coachella, parei de seguir todas essas pessoas que passam esse tipo de vida que a Ana relatou no texto.
    Meu feed está mais vida real e eu me sinto muito melhor.

    Responder
  19. Ana Luísa Ronchi Ersching - 23/04/18 - 17h35

    Acredito que o que conseguimos tirar de positivo disso tudo, é justamente essa reflexão e os questionamentos que surgem devido a esse bombardeio de vidas perfeitas nas nossas timelines.
    Há alguns anos atrás eu morria de vontade de ir… Esse ano me deu preguiça e até achei bom não ter mais essa super vontade de estar lá. Ainda bem que a gente amadurece e começa a ficar mais seletiva! Estou deixando de consumir muitas coisas que não tem mais a ver com o meu perfil.
    Parabéns a ela pelo texto! Não teria colocado de uma maneira melhor! ;)

    Responder
  20. Roberta - 23/04/18 - 18h01

    muito bom!

    Responder
  21. Eduarda - 23/04/18 - 18h29

    Thereza que texto maravilhoso, imprime todo meu pensamento, que aliás pensava ser a única a ver o Coachella e o Instagram, dentre muitas outras coisas na mídia, desta forma! Concordo plenamente, e acho que tudo está ficando tão chato e perdendo a essência, inclusive as Kardashians de quem eu era tão fã por serem tão reais, onde comecei acompanhá-las a anos pela primeira vez devido ao seu blog! Isso é um pouco triste mas é a realidade, ótimo ver que mais pessoas percebem e não compactuam com ibope pelo menos que seja, talvez essa seria a primeira alternativa pra tentar modificar isso tudo, não dando audiência! Hoje em dia as pessoas são convencidas muito facilmente por tudo e gostam de tudo o que lhes é apresentado, sem senso crítico, sem individualidade! Que alivio ter pessoas como você, que expõe um ponto de vista diferente dos demais para tentar assim, fazer as pessoas se questionarem mais sobre o que realmente é uma inspiração e dar atenção, certas influências e pessoas perderam a razão principal que seria a arte, a moda, a individualidade, cultura, e se concentram na superação de “lacres”… realmente… Beijos!!!!

    Responder
  22. Letícia - 23/04/18 - 18h33

    Thé, acredito que saturação ocorra num futuro, não tão distante, o mesmo com o Lollapalooza. Muitas pessoas nem sabem quem vai tocar, mas vai pela foto e look “lacradores”.

    Responder
  23. Zaira - 23/04/18 - 18h44

    Gente, realmente… aí me deparar com a pergunta: vc gostaria de ir ao Coachella? Iria me pegar num misto de “claro, ver varios shows maneiros numa passagem maravilhosa” com “tenho que pensar numa produção que parece fantasia?” . Ficou over e pareceu que perdeu o sentido mesmo. Poses e mais poses e tudo muito forçado.

    Responder
  24. Thais - 23/04/18 - 19h07

    Eu estive no primeiro final de semana do Coachella! Estava muito preocupada com os meus looks, porque o que sempre vi foram pessoas ultra montadas. Mas a realidade do evento é bem diferente. A maioria não tá se importando com o look, tá ali pelos shows mesmo!
    E ainda senti que nós brasileiros somos muito mais noiados com corpo e estilo do que o resto. Vi muita menina mostrar as gordurinhas, celulite e estrias e ninguém se importou com isso. É isso foi demais!!!

    Responder
  25. Maíra Neves - 23/04/18 - 19h40

    Por isso que o seu Blog é o que eu mais gosto é leio. Você sempre trás alguma coisa diferente pra pensar… claro, todas nós gostamos de um pouco de futilidade, falar e ler sobre beleza, looks e etc., mas não pode ser só isso. Gostei muito de ler sobre essa reflexão. Confesso que não aguento mais blog que só trás look do dia, propaganda atrás de propaganda, sempre “vendendo” a ideia de consumo e perfeição, falando de bolsas de 3, 4 ou 5 dígitos como se fosse um bombom que você compra na esquina…

    Responder
  26. Ludmila Assumpção - 23/04/18 - 21h30

    Texto maravilhoso e a reflexão super válida! Quem lacrou foi a Aninha!

    Responder
  27. Liza - 23/04/18 - 21h35

    Textão nota 10! de minha parte não gastaria R$1,00 pra ir… uma montagem que não tem nada a ver comigo e eu só penso, tem mesmo gente comprado o que esse povo vende? mas como já comentaram pelo jeito tem muito gente que vai pra curtir a música mesmo… de certo não são os famosos “influencers” que não me influenciam nada.

    Tem 02 pessoas no universo digital que são capazes de me influenciar, você e a Cony, são blogueiras, fazem seus eventos, seus publis, é o trabalho de vcs… mas as 2 mantiveram sua essência… são as 02 que melhoraram mas que não se transformaram em outra coisa…

    Responder
  28. Marilia - 23/04/18 - 21h38

    Se o festival saturou, não sei. Mas sei que as ‘influencers” brasileiras já passaram do limite pra mim, acho que não sigo mais nenhuma. Mas não poderia deixar de comentar sobre Lalá Rudge: a pessoa menos despojada no mundo, rainha do sertanejo, de salto fino na grama! Achei o maior peixe fora d’água!

    Responder
  29. Beatriz Lima - 23/04/18 - 22h43

    Lindíssima, falou tudo ! AMO a Ana

    Responder
  30. Elis Chiachia - 23/04/18 - 22h47

    Excelente!!
    Na verdade sempre que tem um festival eu me sinto um pouco saturada, todo Lolapalooza/RiR/ tem as mesma fotos em todas as @ por exemplo… eu tenho certeza que existem várias pessoas que super curtem o festival, mas elas não são as pessoas que seguimos!

    Responder
  31. Thalyta - 23/04/18 - 23h00

    Ótima reflexão! No segundo dia de Coachella eu vi uma blogueira daqui usando um salto 10 cm no meio daquela grama e lama toda. Eu só conseguia pensar, “isso é sério”? Eu achei o mais fake possível.

    Responder
  32. Thaysa Menezes Antunes Fonseca - 24/04/18 - 05h45

    Ótimo texto! Parabéns The por trazer o assunto e Ana por expressar tão bem o que vem acontecendo.
    Eu não sei se foi o Coachella que saturou, o Instagram ou nós que estamos saturadas dessa “perfeição” toda que querem nos vender o tempo todo.
    Continuo achando o Coachella um festival com um line up muito bom, mas que acabou virando um grande negócio e perdeu um pouco a essência.
    Mas já pode mudar o nome pra Beychella, porque sem dúvida foi um dos melhores shows de todas as edições! :crown: :fire: :dancers:

    Responder
  33. Silvia - 24/04/18 - 07h59

    Parabéns, excelente ponto de vista! Já deve ter bem um ano que não uso mídias sociais por motivo de saturação desses cliques e vidas supostamente perfeitos… Me fazia mal à saúde, tive crises de ansiedade e depressão, por isso cancelei as contas!
    Adorei essa edição do Coachella que abriu espaço para o Hip-hop e R&B que geralmente não vem ao Brasil!

    Responder
  34. André Guedes - 24/04/18 - 09h24

    Acho que saturou, mas ao mesmo tempo, não na forma correta – se assim possa ser dita. Creio que como outros festivais estão se consolidando e afirmando simplicidade e pluralidade, o Choachella está representando algo escroto, onde modinhas – jovens que seguem o fluxo sem propósito, só para vender o mundo paralelo, que nem a elas pertencem; vão para se fazerem de vitrine. Portanto, o que deve ser levado em conta é: o que as pessoas são, não só as que frequentam e sim as que fazem; questionar o eu para saber se vale mais a pena está onde vai me trazer status, mesmo que na verdade quem faz o evento só quer meu dinheiro e meu check-in, mas descorda de toda minha trajetória. Assim é mais relevante saber onde você frequenta e com quem, levando em consideração se ir até tal evento é porque você gostaria da experiência ou foi dito que você gostaria daquela vivencia. :see_no_evil:

    Responder
  35. Debora - 24/04/18 - 11h58

    Com certeza existem pessoas que vão com o intuito de aproveitar o festival e o momento lá, mas a única coisa que vemos são influenciadores levados por marcas pra divulgar seus produtos. Eu sempre fui apaixonada pelo Coachella, mas esse ano me deu uma preguicinha de até ficar vendo as notícias! Mas continuo doida pra ir e aproveitar o festival em sim, com meu shortinho jeans e blusa branca, hahaha

    Responder
  36. Natalia Nunes Andrade - 24/04/18 - 14h57

    Ana, amei seu texto. Concordo muito com o que as meninas falaram. O Coachella saturou, virou vitrine de marcas, com modelos/influenciadoras e tal desfilando seus looks, que não nada usáveis na vida real. Vários stories e registros e parecendo que poucas na real tavam curtindo os shows. Tirando Bey, nem lembro mais do Coachella.

    Responder
  37. JESSICA LORRANY - 24/04/18 - 15h30

    Assino onde?! hahaha concordo em tudo dito no texto a cima. De tudo podemos tirar o lado bom e ruim. Eu acho sim que ja saturou. Mas nao muda o fato de que tenho o sonho de um dia participar, e poder curtir de fato o festival como deve ser. Com roupas criativas, confortaveis e coloridas. E aproveitar o momento no deserto! :sparkling_heart:

    Responder
  38. Camila Valeriano - 24/04/18 - 22h06

    Saturou demais. Além de não ouvirmos falar das bandas/artistas que lá tocam (com exceção da Bey por ter cancelado de última hora ano passado e da apresentação desse ano) a questão look também não traz mais nenhuma novidade. As apostas de looks são sempre certeiras, sempre com as mesmas peças e pouca (ou nenhuma) surpresa nos looks usados no festival, além, é claro, de não ser o estilo que as pessoas usam em todos os outros dias do ano, incluindo festivais nacionais que muitas ~influencers~ brasileiras também vão.

    Responder
  39. Mariah - 25/04/18 - 08h37

    Apenas sensacional essa reflexão!!!! Eu amo esse brogggggggg :heart:

    Responder
  40. Tayrine - 25/04/18 - 11h40

    Gostei do texto! E fico pensando em como é o evento mesmo… Não nego que se pudesse iria (pelos shows!)

    Responder
  41. Nicole - 25/04/18 - 19h40

    Simmm, não só o Coachella mas diversos eventos e locais, são só um step descarado pro marketing e pra essa vida fake… Sim, gostamos dos looks, mas está ficando tão forçado que perde a graça ! As “blogueiras” oferecem cada vez menos conteúdo de verdade, só mostram o superficial que a gente vê em qualquer lugar.
    Outro dia a legenda da foto de viagem de uma menina era que ela estava “cansada de tanto tentar tirar fotos boas, porque tinha muita gente e era muito difícil achar o ângulo certo”, etc… quer dizer, pessoa nem se dá conta mais do nível de superficialidade em que ela vive.

    Responder
  42. Fernanda - 26/04/18 - 10h55

    Oi The, amo ler seus post aqui no blog!
    Acho legal o ponto de vista dela, mas é fácil errar ao criticar sem realmente conhecer de perto o festival. Nunca fui, também só vejo através do insta e não vejo só “personagens escravos de looks”. As vezes eu penso: a marca X paga a viagem da celebridade que usa vários looks da marca pra postar no insta, causar desejo no consumidor, que irá até a loja em busca do produto e isso vai fazendo a indústria girar. Quem trabalha na indústria da moda sabe que é assim que o consumidor é movido até a loja em busca da roupa Y ou do acessório Z. Esse festival, assim como todos os outros (inclusive os daqui do Brasil – RIR e Lolla) também são assim: tem os que vão curtir a música, a vibe, os amigos, e tem os que vão garantir a foto do insta! Que atire a primeira pedra quem nunca se interessou por uma peça que tal celebridade usou em um evento que tal marca pagou pra ela vestir e foi na loja/e-commerce atrás de comprar!! Não acho que o festival está realmente saturado apenas porque algumas pessoas foram lá fazer uma foto pro insta e ganhar uns likes a mais.

    Responder
  43. Ana Luiza - 15/05/18 - 12h52

    Amei esse texto e concordo em gênero, número e grau! Arrasou, Ana <3

    Responder