AS MAIS
LIDAS!

FAQ DO VINHO: Ressaca, ritual e validade!

09/02/2018  •  Por Rodrigo  •  Vinho

Na semana passada fiz aqui um apanhado de perguntas recorrentes de pessoas que querem entrar nesse universo do vinho e respondi aqui. Como foram muitas perguntas super interessantes, dividi o post em dois. Lembrando que sempre que tiver uma dúvida, só falar!

 ‘Por que eu tenho uma ressaca monstra quando bebo vinho mas não tenho quando bebo vodka ou mesmo catuaba?’

Essa é uma dúvida que muita gente ainda tem e vem justamente da crença popular da “ressaca do vinho”. Antes de mais nada, é importante dizer que essa expressão ganhou força pelo fato de que é muito comum no Brasil tomar aqueles vinhos de garrafão. São vinhos feitos com uvas de mesa que não possuem concentração suficiente para a fermentação alcoólica, portanto adiciona-se açúcar para o suco fermentar e isso pode resultar numa bela ressaca.

Não é a toa que várias vinícolas do Brasil estão usando essas uvas para produzir sucos ao invés de vinho. Mas no caso dos vinhos de qualidade, é bom ressaltar que a ressaca varia de pessoa pra pessoa, mas o fator que pode contribuir é a adição de sulfitos (SO2 ou dióxido de enxofre). Eles são utilizados para a conservação do vinho, pois inibem a proliferação de bactérias, mas há um movimento no segmento de vinhos e bebidas em geral para diminuir a concentração da substância. Minha dica é procurar por vinhos orgânicos ou naturais ou por rótulos com a descrição “sem sulfitos” ou “SO2 free”, mas o principal é evitar a desitratação, a mãe de todas as ressacas, bebendo bastante água.

“Meus pais abriram um vinho branco que estava com gosto de rolha, uma cor bem dourada e só sentia o álcool, acredito que estava estragado. Como identificar a validade? Ou da pra ir mais pelo instinto do não gostou não beba?!”

Aquela máxima do “vinho, quanto mais velho melhor” é bem equivocada! Apenas alguns vinhos tem estrutura para evoluir com o envelhecimento, ao passo que a maioria é feita para consumo rápido. Quando falamos de brancos e espumantes então, a juventude é indispensável! Claro que há exceções, como os grandes vinhos de guarda ou os Champagnes safrados.

Não existe uma validade indicada, mas vinhos de safras mais antigas (com mais de 4 anos) podem ter perdido o frescor. Vale pesquisar no rótulo ou na internet se tem alguma informação sobre a janela de consumo do vinho que você pretende comprar. Aqui tem um post muito legal sobre como identificar se um vinho está estragado, seja pela idade ou por problemas de armazenamento.

“Diferença entre taças (materiais e formatos) e como escolher de forma mais assertiva?”

As taças são peças fundamentais para identificarmos todas as nuances do vinho, não é só questão de estética. Formato, material, tamanho, tudo isso faz muita diferença.

E quais as melhores taças para tintos, brancos, espumantes, rosés e vinhos de sobremesa? Esse post aqui é pra você fazer bonito na hora de escolher a melhor taça.

“Dá pra acreditar nas estrelas dos sites?”

Depende. As estrelas que aparecem na maioria dos e-commerces e nos aplicativos (geralmente de 1 a 5) como o Vivino, nada mais são do que avaliações de consumidores. Por mais que sejam idôneas e baseadas nas impressões de quem degustou e não de quem está vendendo, temos que entender que o gosto é pessoal e subjetivo. Um vinho 5 estrelas para uma pessoa, não será necessariamente a melhor escolha pra você. O ideal é ler as descrições para saber se as características de determinado vinho batem com o seu estilo.

 

“Quando compramos um vinho em restaurante ou bar, sempre fico boiando naquele “ritual” antes de tomar o vinho, sempre passo vergonha, como proceder?”

Tudo aquilo que envolve um simples degustar tem importância. Claro que algumas coisas não são tão necessárias, mas tem umas dicas legais nesse post para você transformar uma bebericada numa verdadeira degustação e aproveitar tudo que o vinho tem para oferecer.

“Aerador, comprar ou não comprar?”

Vinhos, principalmente os tintos encorpados, se beneficiam muito com o contato com o oxigênio para liberar seus aromas e dissipar o álcool. Já aconteceu várias vezes comigo de abrir um vinho e no primeiro momento ele não estar expressivo, mas após alguns minutos a coisa mudou de figura.

Deixar o vinho “respirar” é super válido para percebermos a evolução dos sabores. Os aeradores são legais, pois promovem uma oxigenação instantânea do vinho o deixando “pronto na hora” (aqui em casa usamos esse). Claro que não é todo mundo que tem esse apetrecho, mas não precisa se preocupar. Muita gente usa decanter que é a forma mais tradicional de deixar o vinho “abrir” até estar perfeito, mas o jeito mais fácil é simplesmente deixar a garrafa aberta por uma horinha antes de começar a tomar, não tem erro.

Pra ver as outras perguntas do #FAQDOVINHO só clicar aqui!




Para Usar Ja 728x90

AMARO Beachwear

Deixe seu comentário!
*Preenchimento obrigatório (seu email não será divulgado).
Quer que a sua foto apareça no comentário? Clique aqui e cadastre-se!

7 Comentários
  1. Camila Brito - 09/02/18 - 13h08

    AHHHH minha pergunta foi respondida. Obrigada :heart:

    Responder
  2. Stefani Souza - 09/02/18 - 13h51

    Mais uma vez arrasando respondendo as nossas dúvidas

    Responder
  3. Mariana - 09/02/18 - 14h41

    nunca beber vinho sem ter água junto me livrou de ter enxaqueca, antes eu tinha mto facil, com quase qq vinho.

    Responder
  4. SILVIA ELAINE DA SILVA - 15/02/18 - 13h46

    Amei!

    Responder
  5. Vitória Gonçalves - 16/02/18 - 18h56

    adoro essa TAG do blog e já me sinto um pouco menos leiga no assunto a cada post. uma dúvida: quem escolheu as ilustrações do post foi a Thereza ou o Rodrigo? hahahahha

    Responder
    • Thereza - 16/02/18 - 22h52

      hahahaha eu sou 100% a editora das fotos

  6. Gabrielle Maués - 18/02/18 - 15h09

    um monte de coisas que eu, bebedora de vinho (mas só isso mesmo, pq entendo zero hahah!), nem sonhava!

    Responder