AS MAIS
LIDAS!

Ronda da Semana #29

07/04/2017  •  Por Thereza  •  Pense, RDS

Boa tarde, sexta-feira! Hoje nossa Ronda da Semana vai ser um pouco diferente, vai ser temática. Vocês sabem que o Fashionismo não é só um blog de moda, mas é um blog de hoje e um blog de uma mulher e feito para mulheres, com isso, nada mais justo – e menos alienado – que compartilhar as notícias do nosso universo, afinal, chega de assédio, de machismo e a melhor parte: juntas somos mais fortes!

TITI, RAINHA Na semana passada, viralizou um vÍdeo no qual o Caio Castro, pasmem, explica à Antonia Fontenelle o quão machista era o pensamento dela de que “mulher deveria se dar ao respeito e não ficar bêbada por aí”. O vídeo é surreal, mas, ainda bem que temos Titi Muller pra explicar que não é assim que a banda toca.

Na semana anterior, a apresentadora, ao vivo durante o Lollapoallooza, já havia denunciado um dj por suas letras machistas e agora ela foi além e tentou mostrar à Antonia, o quão equivocada ela estava. O post da Titi no blog da Folha, #Agoraéquesãoelas é muito legal e expõe o quanto muita gente precisa aprender mais sobre as tais palavra de ordem: empatia, sororidade e feminismo, simples assim.

Como destaque do post “nós duas temos um amplificador nas nossas vozes e isso exige uma responsabilidade enorme. Toda a vez que eu pego o microfone ou você liga a câmera, muitas pessoas nos ouvem. Te peço então, Antonia, que não atrapalhe uma luta que também é sua. Não se boicote assim, que assim você boicota a todas nós.”, vale ler todo ele aqui.

FREE, SU! E olha como os blogs tem andado poderosíssimos, reverberando relatos necessários.  Na sexta passada, veio a público o relato de Su Tonani, figurinista de A Lei do Amor, que compartilhou o assédio que sofreu do ator José Mayer. Com certeza todo o Brasil ficou sabendo do caso que, de início poderia não dar em nada, afinal, o que é “um medalhão da Globo comparado a uma simples funcionária”, mas o que aconteceu?

Fizeram barulho, muito barulho, gritaram, se uniram e se apoiaram.  Funcionárias da Globo, sejam atrizes, produtoras, se uniram e criaram a campanha “Chega de Assédio, mexeu com uma, mexeu com todas” e o resultado dessa união? Fez-se a força, o ator foi afastado e a história só comprovou que juntas somos mais fortes, machistas não passarão e que os direitos iguais se fazem valer, mesmo no grito e força da palavra.

MEXEU COM UM, MEXEU COM TODOS? OI??? Pois é, do movimento legal, sempre surge um ou (muitos) outros querendo deturpar. Li gente falando que homens também sofrem assédio, cantadas e que, ora bolas, eles também merecem direitos iguais.

Num mar de gente cada vez mais engajada, ler esse tipo de falsa simetria entristece um pouco, afinal, é uma comparação mais que absurda, mas sigamos em frente e vale reafirmar que é uma luta das mulheres. Quer nos apoiar? Beleza, mas quem sofre com isso é a gente.

RIP BBB Se foi uma semana importante para o movimento e luta pelo direito das mulheres, o mesmo não podemos dizer da casa mais vigiada do Brasil. Não sei se vocês acompanham o BBB, mas estamos vendo ao vivo, em mais de 56 câmeras, 24 horas no pay per view… um relacionamento abusivo. Assisto o programa desde a 1a edição , gosto do entretenimento, mas também do viés antropológico e posso afirmar que nunca vi uma dupla (não dá pra dizer casal), como Marcos e Emilly.

Não quero nem entrar no mérito dela como pessoa, do caráter e incoerência, pois pouco importa,  mas como o relacionamento é problemático. E se na terça-feira, enquanto ele estava no paredão, o Brasil poderia tirá-lo da casa… ele ficou com louvor. O que me preocupada é que os fãs que votam são em sua maioria garotas adolescentes que romantizam esse relacionamento abusivo e pertubador. No mais, espero que Vivian, “a menos pior” vença o programa, operando assim um milagre na pior edição de todos os tempos!

Beijos!

 


AMARO Beachwear

Deixe seu comentário!
*Preenchimento obrigatório (seu email não será divulgado).
Quer que a sua foto apareça no comentário? Clique aqui e cadastre-se!

11 Comentários
  1. dai - 07/04/17 - 15h55

    Desculpa Thereza mas Titi Miller chamou Antônia Fontenelle de piranha e eu te pergunto que feminista é essa

    Responder
    • Vitória - 08/04/17 - 06h47

      Em que momento Dai? No texto ela não oferende a Antônia

    • dai - 08/04/17 - 19h14

      Querida eu não disse que a Thereza ofendeu a Antônia Fontenelle e sim que quando a mocinha Titi Miller chamou Antônia de piranha e ainda se diz feminista, FEMINISTAS que conhecem realmente a causa jamais ofenderiam uma outra mulher, Titi Miller não é feminista e sim mais uma que adorar lacrar. :clap:

    • Thereza - 08/04/17 - 19h17

      Dai, pelo que entendi, ela falou isso no passado e se arrependeu dai mostrou, atraves do texto, que fez um mea culpa e a antonia deveria fazer o mesmo em relação ao video! Bjs!

  2. Brenda - 07/04/17 - 16h13

    The, amei o post. Acho que todas as mulheres deveriam ser solidárias umas as outras. Tbm acompanho o BBB – sem alienação e fanatismo – odeio a dupla, aliás, melhor definição. Mas ontem, o Marcos disse que a cena mais feia que ele já viu “era uma noiva no dia do seu casamento se servindo de cerveja”, tudo isso porque a Emily estava servindo sua própria bebida. O cúmulo do machismo, fiquei horrorizada, a noiva no dia mais feliz da vida dela não podia se servir com a cerveja que provavelmente ela comprou? Nos poupe Marcos.

    Fico indignada com certas coisas que leio e vejo por aí, o mundo é muuuuuuito machista. Tenho fé que vai mudar. Beijos

    Responder
  3. Thalita - 07/04/17 - 16h33

    Que ronda maravilhosa! Obrigada The

    Responder
  4. Carol Presotti - 08/04/17 - 08h48

    Essa ronda ❤️❤️❤️❤️

    Responder
  5. Adriana - 08/04/17 - 15h38

    Realmente não quero polemizar, mas fiquei indignada com o que li em relação à “quem sofre com isso é a gente”. Pra mim, esse tipo de afirmação só demonstra o quanto as mulheres estão perdendo a mão na luta por igualdade e respeito, e acabam sendo desrespeitosas e discriminatórias. Não estamos acima de ninguém, tampouco somos donas de mazelas. Fico envergonhada que outras mulheres tenham esse tipo de pensamento arrogante e segregador.

    Responder
    • Thereza - 08/04/17 - 19h09

      Oi Adriana, respeito sua opinião, mas a minha é diferente. Por exemplo, somos nós que temos medo de andar numa rua deserta, somos nós que somos julgadas por usar “roupa curta”, somos nós que precisamos de um vagão exclusivo no metrô pra nenhum homem encoxar a gente, por isso, que essa é uma luta das mulheres, afinal, homens nao tem problemas em vagao ou rua escura.
      Bjs

    • Renata. R - 09/04/17 - 05h58

      https://youtu.be/udWNkPhffUQ

      Esse é o feminismo atual em resumo.

    • Adriana - 09/04/17 - 15h54

      Tereza eu entendo as suas colocações. Mas a verdade é que um homem sente sim medo de andar em uma rua escura e deserta a noite. A violência está aí para todos! De formas diferentes? Sim, claro, mas não é exclusivo da mulher. Qualquer pessoa mais forte ou em poder de uma arma (faca, arma de fogo, até uma corda) representa perigo, e não só para as mulheres. Eu acredito que não devemos segregar o ser humano. Somos diferentes sim, mas no fim, todos seres humanos, e todos dignos de respeito e valor.
      E as mulheres reclamam por não “poder” usar roupa curta (poder, claro que pode), mas já parou para pensar que os homens possuem muito mais restrição de vestuário do que nós?! Eu posso usar regata para ir em um restaurante em São Paulo, meu noivo não. Eu posso usar saia, se meu noivo usar vai pegar mal; idem para vestido. Eu posso usar qualquer roupa que tenha sido desenvolvida para um homem, o inverso não é verdadeiro. Quanto ao comprimento, isso está ligado mais a cultura e ao bom senso do que qualquer outra coisa; mas quer usar? Use, pq importa o que os outros pensam? Eu, particularmente acho feio, deselegante. Mas nao forço outra pessoa a pensar como eu.
      Eu também respeito o seu ponto de vista, e agradeço a abertura para um debate, mas realmente não concordo com a visão de que as mulheres têm mais direito a reclamação do que os homens, até parece aquele discurso: “nasceu homem tem que se ferrar”. Essa nova geração feminista definitivamente não me representa…